Seguidores

COM JESUS É POSSÍVEL SER FELIZ E VENCER TODO DIA

Quantas vezes nos sentimos sem rumo e pensamos não ter com quem contar. Jesus é o nosso melhor amigo.
Quando conhecemos a Jesus e a Ele nos entregamos descobrimos uma vida completamente nova que está
disponível a todas as pessoas.
Este espaço é um convite para conhecer e praticar o que a Palavra de Deus nos ensina durante todos os dias da nossa vida.


ESCREVAM !!!!!!!!!!!!!!!!!

Estou abrindo espaço para você que deseja orientação através do e-mail: conhecerdeusnapratica@outlook.com;

que será respondido na publicação no blog zelando a identidade da pessoa que será chamada de amiga.

Com isso as pessoas poderão ter minha orientação e de todos que acompanham o blog, recebendo desta forma maior apoio para resolução de seus problemas.

ESCREVAM !!!!!!!!!!!!!!!!!

domingo, 17 de janeiro de 2016

COMO RESOLVER PROBLEMAS AINDA NÃO RESOLVIDOS ??




Como sair do fundo do poço!


Como sair do fundo do poço!





No sentido metafórico, sentir-se no fundo do poço é estar preso a problemas não resolvidos, cuja solução corresponde ao grau de dificuldade, que é compatível ao nível de discernimento -e lucidez- de cada pessoa. Complexidade que exige a percepção de momento para transformar envolvimento emocional em foco racional.


Como vimos, a saída do poço não é algo simples ou fácil de ser executado, e pode durar dias, semanas, meses, anos ou mesmo vidas. Porém, nada dura para sempre e a saída dependerá do esforço e determinação, no sentido do indivíduo retomar a sua caminhada na estrada da vida. É o que veremos a seguir, na abordagem de caso.

O histórico infantil de Augusto reune fatos marcantes que o levaram ao fundo do poço: pais ausentes e afetivamente distantes. Mãe restritiva e severa. Pai temperamental, de gênio explosivo. Constantes brigas do casal. Experiência de bullying na escola e precária situação financeira da família.

Como resultado de uma sofrida experiência infantil, restou-lhe a dor psíquica expressa por sentimentos de solidão, abandono e incompletude, onde a sensação de vazio e a tristeza, encontraram guarida em um coração amargurado pelas vicissitudes da vida.

No entanto, com a ajuda da única irmã, considerada sua melhor amiga, Augusto foi superando as adversidades impostas pelo desafio de viver, até a idade de 25 anos, quando apresentou os primeiros sintomas psiquiátricos, que foram tratados pela terapia holística que o ajudou a superar medos.

O segundo marco de sua jornada vital, foi há cerca de uma ano, quando entrou em depressão severa decorrente da aposentadoria compulsória e separação da esposa. Momento em que o suicídio tornou-se ideia fixa. Contudo, conseguiu libertar-se das garras da depressão se automedicando com a homeopatia.

Passada a depressão, foi com o objetivo de não depender de tratamento químico à base de remédios, que Augusto procurou ajuda na Psicoterapia Interdimensional. E assim, após algumas sessões de psicoterapia, encaminhamos a sessão regressiva de memória no sentido de estabelecer conexões com as informações registradas até aquele momento. 


REGRESSÃO

Primeiro momento: "Estou caminhando no meio do mato. Estou só e caminho sem destino. Parece que estou perdido. Tenho 6 anos de idade, sou magro e estou vestindo somente uma espécie de calção. Me pergunto o que faço neste lugar e pra onde vou?"

Segundo momento: "Agora vejo crianças nos balanços e escorregador de uma praça rodeada de casas. Alguns automóveis transitam no local. Tem mais duas crianças numa gangorra e um cachorro preto e branco. Quero ir embora deste lugar, sinto-me só e à parte deste grupo de pessoas".

Terceiro momento: "Estou num automóvel de cor escura e modelo antigo, dirigindo em direção às montanhas. Vejo plantações nos lados da estrada. O volante do carro é grande e encontro-me sozinho. Sinto um vazio, apenas ando, não sei porque estou aqui e pra onde vou".

Quarto momento: "Sinto-me num lugar escuro. Vontade de sumir, desligar. Sinto desilusão, fracasso e sem perspectivas. Não sei o que quero, estou cansado e sem ninguém".

Observação: Estimulo-o a encontrar uma saída do lugar escuro onde Augusto se encontra.

"Estou num poço e vejo uma claridade e a cabeça de uma pessoa lá em cima. Ela apenas me olha e não reage. Agora tento escalar o poço. Estou escalando. Saí do poço e me encontro num lugar bonito, muito verde, mas a pessoa sumiu. Tem uma casa antiga, de madeira e abandonada (sentimento ruim). Olho para trás e vejo o poço próximo da casa, que está em ruínas. Agora caminho por uma estradinha de terra e visualizo um córrego de águas cristalinas. É um ambiente de muita paz, mas solitário".

Observação: Pergunto o que ele estava fazendo no poço e Augusto responde que estava no poço "fugindo de mim mesmo, querendo morrer, sumir, acabar, dar um fim".


COMENTÁRIO

"Eu estava no poço fugindo de mim mesmo". A regressão revela em seus bastidores, o padrão emocional-comportamental que Augusto traz consigo de vidas passadas, acrescido de experiências infantis (vida atual) que não alteraram o modelo, e onde sentimentos de solidão, abandono, incompletude (vazio) e culpa/rejeição, alimentam um padrão que estimula a depressão, embora ele tente "manter a aparência de uma pessoa normal" como se referiu após a regressão.

A sensação de estar no fundo do poço, reforça a pré-disposição para a melancolia ou estados depressivos, onde o suicídio indica ter sido uma saída em vida passada e uma opção na vida presente.
A sensação de estar perdido no mato ou dirigindo na direção das montanhas, e sem destino, revela a latente vontade de fugir de si mesmo, ou seja, "morrer, acabar, dar um fim" ao sofrimento.

A partir da experiência regressiva, o desafio de Augusto é superar a Síndrome de Vitimização usando a ferramenta que ele já usou em momentos importantes e decisivos de sua vida, quando ele decidiu não resignar-se com a pobreza material, ou quando decidiu enfrentar a ideia fixa de suicídio ao procurar ajuda psiquiátrica, depois terapias holísticas e automedicação homeopática. Ou ainda, quando ele deu um basta em relacionamentos afetivos complicados, sempre usando a ferramenta da percepção de momento. E, por último, quando ele enfrentou os medos do fundo do poço e conquistou a liberdade ao escalar a parede e alcançar a saída.

Portanto, a ação em conjunto, ou seja, psicoterapia, terapia floral, reiki e exercício da percepção de momento no cotidiano de sua vida, onde o racional supere o emocional, associado à relação afetiva íntima na qual a parceira seja mãe, amiga e amante, é o ponto de partida para que Augusto desafie os seus fantasmas interiores e supere a Síndrome de Vitimização, alterando positivamente o seu modelo emocional-comportamental de forma gradativa.

Neste caso, a experiência em estado alterado de consciência foi clara ao revelar a situação existencial de Augusto (o poço escuro), e a saída para a luz da consciência (determinação na escalada). Experiência que acrescentou qualidade no processo de autoconhecimento.



Sobre o Autor

Flávio Bastos
  
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia. 
 E-mail: flaviolgb@terra.com.br

Nenhum comentário: