Seguidores

COM JESUS É POSSÍVEL SER FELIZ E VENCER TODO DIA

Quantas vezes nos sentimos sem rumo e pensamos não ter com quem contar. Jesus é o nosso melhor amigo.
Quando conhecemos a Jesus e a Ele nos entregamos descobrimos uma vida completamente nova que está
disponível a todas as pessoas.
Este espaço é um convite para conhecer e praticar o que a Palavra de Deus nos ensina durante todos os dias da nossa vida.

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

ABSURDO: TRABALHO ESCRAVO NO ROCK IN RIO




trabalho escravo
no Rock in Rio


ROCK IN RIO

 
Ministério do Trabalho resgata
trabalhadores em situação análoga
à escravidão em lanchonete
do Rock in Rio



Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) resgataram 17 trabalhadores que atuavam no Rock in Rio em situação análoga à escravidão.

A operação ocorreu ontem (27), envolvendo vendedores da empresa Batata no Cone, que comercializavam batatas fritas na multidão. Segundo auditores do MTE, a empresa Rock World, promotora do festival, é igualmente responsável pela situação, de acordo com a legislação vigente sobre o assunto.

“A responsabilidade da empresa promotora, por força da Súmula 331 do TST [Tribunal Superior do Trabalho], é objetiva e solidária. Certamente o Ministério Público do Trabalho, com base em nossas autuações, deve firmar um TAC [Termo de Ajustamento de Conduta] ou mover uma ação civil pública”, adiantou a auditora-fiscal do trabalho Márcia Albernaz de Miranda.

Coordenadora do projeto Trabalho Escravo Urbano no Rio de Janeiro, Márcia Miranda disse que alguns trabalhadores praticamente pagavam para trabalhar, "pois os ganhos que tiveram foram inferiores ao dinheiro que gastaram para se sustentar".

Segunda ela, são trabalhadores vulneráveis, pois muitos são de outros estados. Acrescentou que, nessa condição, há uma vulnerabilidade econômica e geográfica que os expõem a uma exploração indigna do ser humano.

"Eles ficaram alojados em uma favela vizinha ao Rock in Rio. Alguns dormiam no chão, sem condições sanitárias e asseio. Foi cobrado de cada um R$ 200 por semana. Um dos trabalhadores ganhou cerca de R$ 1 mil, mas, no fim, fazendo as contas do que ele gastou com passagem de ônibus, alojamento, alimentação, água potável e atestado de saúde ocupacional, saiu devendo R$ 1.580.”

Conforme os fiscais do MTE, os trabalhadores ganhavam R$ 2 por cada cone vendido a R$ 14, mas se voltassem com algum tinham de pagar. Outra denúncia é que os documentos de identidade e trabalho deles ficaram retidos com a empresa. Eles trabalhavam de duas da tarde à meia-noite e meia.


Na última segunda-feira (28) foram feitos a rescisão de contratos e o pagamento de verbas indenizatórias, além da entrega das guias de seguro desemprego aos trabalhadores resgatados.

Para o MTE, o artigo 149 do Código Penal estabelece como elementos que caracterizam o trabalho análogo ao de escravo: condições degradantes de trabalho, jornada exaustiva, trabalho forçado e servidão por dívida.

As empresas Batata no Cone e Rock World foram procuradas por telefone e por email, mas não se pronunciaram sobre o assunto.



FONTE:


Publicado: Atualizado:

terça-feira, 29 de setembro de 2015

PAPA & MAIS UMA POLEMICA


 
 
funcionários têm direito de
 recusar licença para casamento gay


Papa diz que funcionários têm direito de recusar licença para casamento gay




 
O papa Francisco disse nesta segunda-feira que funcionários públicos têm o "direito humano" de se recusarem a realizar alguns trabalhos, como emitir licenças de casamento para homossexuais, caso isso viole sua consciência.




Falando a repórteres na volta para casa após uma viagem de 10 dias aos Estados Unidos e Cuba, Francisco também repetiu sua condenação a padres que abusaram sexualmente de crianças, dizendo que as vítimas foram "esmagadas pelo mal".

Embora o pontífice argentino tenha comentado sobre temas que são motivo de debates políticos nos Estados Unidos durante sua visita, ele nunca se referiu especificamente aos controversos casamentos de pessoas do mesmo sexo, que a Igreja é firmemente contra.

No voo de volta a Roma, ele foi perguntado se apoiava indivíduos, como funcionário do governo, que se recusam a acatar algumas leis, como a emissão de licenças para casamentos gays.

"A objeção de consciência deve estar em toda estrutura jurídica porque é um direito", disse Francisco.
Anteriormente neste mês, uma funcionária municipal do Estado norte-americano de Kentucky, Kim Davis, foi presa após se recusar a emitir uma licença matrimonial para um casal gay, contrariando decisão da Suprema Corte dos EUA que legalizou casamentos do mesmo sexo.


FONTE:




Publicado: Atualizado:



segunda-feira, 28 de setembro de 2015

VEJA: SUPERLUA ELO MUNDO



 

Alvo de fotógrafos

 

Veja cliques da superlua pelo mundo

 
 

Superlua é alvo de fotógrafos de todo o planeta neste domingo (27)


Por iG São Paulo | - Atualizada às
 
 

Saiba os melhores horários para visualizar superlua e eclipse neste domingo; Coincidência ocorre uma vez a cada 30 anos


O fenômeno da superlua, que ocorre quando a lua parece maior devido à sua proximidade com a terra, ocorre neste domingo (27) e já é o principal alvo das lentes de fotógrafos ao redor do mundo. Confira algumas das imagens:
Foto da superlua registrada na Bielorrússia neste domingo (27). Foto: AP - 27.9.15
Foto da superlua registrada em Portugal neste domingo (27). Foto: AP - 27.9.15
Imagem da superlua registrada no Rio de Janeiro neste domingo (27). Foto: Alessandro Buzas/Futura Press
Imagem da superlua registrada neste domingo (27) na Alemanha. Foto: AP - 27.9.15
Foto da superlua registrada na Espanha neste domingo (27). Foto: AP - 27.9.15
Foto da superlua registrada na Bielorrússia neste domingo (27). Foto: AP - 27.9.15
 


Eclipse

Além da superlua, poderemos assistir também neste domingo (27) à ocorrência de um eclipse lunar total. A coincidência de os dois fenômenos ocorrerem no mesmo dia se dá apenas uma vez a cada 30 anos.

A astrônoma Patricia Spinelli, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast), do Rio de Janeiro, explica como ocorre a coincidência. A superlua acontece porque a órbita da lua, isto é, o caminho que a lua faz ao redor da Terra, não é circular. A órbita é achatada, ou seja, uma elipse.

“E se o caminho é elíptico, isso significa que em algum momento, a lua vai chegar um pouquinho mais perto da Terra”. Ao chegar mais perto, ela permite que se visualize o seu tamanho maior no céu. A superlua ocorre uma vez por ano, como informa Patricia.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Já os eclipses, segundo a astrônoma, têm uma periodicidade de duas vezes por ano. Neste domingo, o eclipse coincidirá com a proximidade da lua em relação à Terra, devido a um fator geométrico. A superlua pode ser vista à noite em qualquer lugar do planeta, quando o satélite da Terra estiver na fase cheia: “Vamos ver a lua maior, por ela estar mais próxima da Terra”.
 
O eclipse só acontece quando a lua entra na sombra da Terra: “Mas, para que esse fenômeno seja observado, é preciso que seja à noite. Se for dia, o observador só conseguirá ver o sol e não o eclipse”.
 
O eclipse lunar total será visto no Brasil porque, quando a lua estiver entrando na sombra da Terra, será noite no país. Patricia Spinelli disse que a ocultação da lua ocorrerá por volta das 23h30 e “esse é o ápice”. O processo completo, porém, começará por volta das 22h, quando a lua passará a entrar na sombra da Terra.

“Ela começa a ficar mais obscurecida, com uma cor mais avermelhada. De repente, vai desaparecer completamente, por volta das 23h30 ou 23h40 e, depois, começa a aparecer de novo”. A lua só volta a ter o tamanho normal em torno de 1h30 da manhã da segunda-feira (28), diz Patrícia Spinelli.

domingo, 27 de setembro de 2015

10 MANDAMENTOS: NOVO RECORDE DE AUDIENCIA




'Os Dez Mandamentos'
bate 'A Regra do Jogo' e
fica em 1º lugar na audiência
 
 
 
Sexta praga do Egito: tumores viram úlceras, na novela 'Os Dez Mandamentos'
 
 
Trama bíblica cravou 20 pontos enquanto o folhetim de João Emanuel Carneiro ficou com 19.6 
                                                                                                                                
A quinta praga do Egito, que mostrou a peste que atacou os animais da região, deixou a novela Os Dez Mandamentos em primeiro lugar de audiência.
 
Enquanto estavam simultaneamente no ar, o folhetim bíblico marcou 20 pontos de média contra 19.6 de A Regra do Jogo.
 
Nos números consolidados, a novela de Vivian de Oliveira ficou com 19.5 pontos.
 
Além da praga, no capítulo exibido, Moisés (Guilherme Winter) foi até o palácio pedir para o faraó libertar sua mãe Henutmire (Vera Zimmerman). Ramsés (Sérgio Marone) se exaltou e o ameaçou com a espada.
 
Nos próximos capítulos de "Os Dez Mandamentos", com o fim da quinta praga, Ramsés diz que já providenciou novos animais.
 
No entanto, Deus fala com Moisés e avisa que uma nova praga está por vir.
 
Desta vez, a população egípcia sofre com tumores que viram úlceras. Uma nuvem cinza surge no céu do Egito, mas acaba se dissipanto e logo depois, Ramsés nota que seu corpo está cheio de feridas.
 
 
O reino de Ramsés já teve as águas do rio Nilo transformadas em sangue, já sofreu com o ataque das rãs que se espalharam por todos os lugares, não parou de se coçar ao ser infestado por piolhos e foi dominado pelas moscas. No total, serão dez pragas que provocarão o caos no Egito.
 
 
 
Fim da quarta praga também superou a audiência de 'A Regra do Jogo'
 
Com a parte final da sequência que marcou a invasão de moscas no Egito, na quarta praga enviada por Deus, a trama bíblica da TV Record superou "A Regra do Jogo", no Rio de Janeiro. Segundo dados do Ibope, entre 21h06 e 21h43, período no qual as duas histórias estiveram no ar simultaneamente, "Os Dez Mandamentos" venceu a trama de João Emanuel Carneiro por 22.6 a 21.3 pontos.
 
 
Na média geral, a novela protagonizada por Guilherme Winter somou 22 pontos de média e teve 24 de pico, além de 33% de share (percentagem de aparelhos ligados na emissora). Já o folhetim estrelado por Alexandre Nero somou 23 pontos.
 
Em São Paulo, "Os Dez Mandamentos", que já vinha com audiência alta, ficou em primeiro lugar por 13 minutos e fechou com 19 pontos. No confronto com a novela das nove da TV Globo, perdeu de 20 a 21.
 
 
     Sexta praga do Egito: tumores viram úlceras, na novela 'Os Dez Mandamentos'
 
Sexta praga do Egito:
tumores viram úlceras,
na novela 'Os Dez Mandamentos'
 
 
 
Primeira praga do Egito: transformação das águas do Nilo
 
Primeira praga do Egito:
transformação das águas do Nilo
 
 
 
A segunda praga do Egito foi o ataque de rãs. Elas se espalharam por toda parte
 
 
A segunda praga do Egito
foi o ataque de rãs.
Elas se espalharam por toda parte
 
 
 
 
Com a terceira praga, o Egito ficou infestado de piolho
 
Com a terceira praga,
o Egito ficou infestado de piolho
 
 
 
 
 
A quarta praga, ataque das moscas, empesteou o Egito
 
 
A quarta praga,
ataque das moscas,
empesteou o Egito
 
 
 
Na quinta praga, os animais dos egípcios morreram todos
 
Na quinta praga,
os animais dos egípcios morreram todos

 

 
 
FONTE:
 
 
MSN ENTRETENIMENTO
 
(Por Victor Tavares)

sábado, 26 de setembro de 2015

VOCE É CASCA ou CONTEUDO ??










Ser casca ou conteúdo: eis a questão!


Ser casca ou conteúdo: eis a questão!
 
 

Com o evento da internet que aproximou as pessoas de uma forma global, as redes sociais tornaram-se veículos da exposição pessoal e do culto às aparências, onde a intimidade, em muitas situações, é revelada de forma caótica ao expor uma realidade carente de valores.

Numa interação onde quase tudo é possível, o fantasioso e o ilusório avançam conquistando mentes e esvaziando um conteúdo resultante de conhecimentos adquiridos a respeito de si mesmo, do outrem e do mundo à sua volta. Essa lacuna elaborativa sobre a experiência vivencial -ou existencial- a partir do eu, cede lugar ao ego desprovido da capacidade de reflexão sobre as lições e possíveis aprendizados que a vida costuma oferecer a todos nós.

Nesta lógica, o narcisismo encontra terreno fértil e progride ao eleger a aparência ou a idolatria do corpo como "top model" da vitrine vital, que esconde em seus bastidores, um eu fragilizado, carente de valores que promovem o self, a essência.

Absolutamente nada contra a vaidade, que quando controlada num patamar consciente, faz bem à autoestima, portanto, à saúde física, mental, sexual e espiritual. O problema está na hipervalorização de si mesmo inserido no contexto vital repleto de situações reveladoras de fragilidades e limitações aptas a emergir à luz da consciência, mas que permanecem nas sombras da inconsciência pela sutil ação do mecanismo de autoboicote.

Quando privilegiamos as aparências, embora nossas "dores" continuem a incomodar internamente, é porque estamos desfocados de nós mesmos, à espera de que a ilusão nos conforte e alivie a sensação de sofrimento. Desconhecemos que a ilusão e o sofrimento são energias psíquicas codependentes e inseparáveis. E quando estamos desfocados dos significados da vida, a dimensão da matéria nos envolve e nos consome, pois encontramo-nos desconectados da essência, ou seja, do simples, belo e verdadeiro que visualizamos ao trilhar o caminho do autoconhecimento.

Neste sentido, após as sessões regressivas de memória, tenho observado como certas pessoas ficam atônitas com as revelações sobre si mesmas. Muitas custam a elaborar que foram atrizes ou atores no palco da vida, isto é, que representaram no culto às aparências e desperdiçaram um tempo precioso por não terem assumido um eu mais verdadeiro, ligado à essência.

O culto às aparências é um exemplo do vazio de valores que pode tornar-se a vida, quando o que mais importa são as disputas que ocorrem nos bastidores da sociedade, que aponta quem é o mais rico, bonito ou charmoso. Situação que promove a alienação a um alto grau de risco para quem se dedica aos jogos da futilidade e da ilusão.

Na busca de valores que cultuam as aparências ou disseminam a competitividade "no quem tem mais" ou "é o mais bem vestido e poderoso da festa", perdemos valioso tempo e fechamos os olhos para o despertar de nossas consciências na procura da felicidade possível.

Portanto, buscar a verdade a partir de si mesmo, é a orientação que flui naturalmente no alvorecer do milênio em curso. Basta, para isso, observarmos o confuso cenário nacional e internacional, onde a violência implícita e explícita chegou a um patamar alto. Realidade que vem despertando consciências no sentido do ser humano tornar-se um agente de mudanças num mundo em constante tranformação.

"O Mito da Caverna", uma metáfora criada por Platão, é parte constituinte do livro VI de "A República" (obra em que o filósofo nos leva a refletir acerca dos princípios éticos, políticos, estéticos e jurídicos que seriam os pilares de uma sociedade ideal). A dicotomia realidade/aparência é o que veremos no texto "O Mito da Caverna e o Conhecimento que Liberta", de Tônia Amanda Paz dos Santos.

O senso comum é uma das formas de conhecimento primário do ser humano. Através de nossas experiências e tradições, buscamos elementos que expliquem a realidade. No entanto, é desejável que esta etapa seja superada, isto é, devemos desejar realizar a passagem gradativa do senso comum para um conhecimento mais racional, organizado e sistematizado, capaz de fornecer respostas cada vez mais elaboradas para os problemas cada vez mais complexos de nossa existência.

Quando nos acomodamos com as respostas prontas oferecidas pelo senso comum, alimentamos a nossa ignorância e acabamos correndo o risco de sermos facilmente iludidos e de nos tornar vítimas daqueles que detém o conhecimento e o utilizam como forma de submeter o outro. É o que acontece com as ideologias, que tem o poder de nos fazer aceitar mesmo falsas verdades que vão ao encontro (contra) aos nossos próprios interesses.

Por outro lado, quando temos a coragem de sair da zona de conforto, representada pela caverna, com todas as suas sombras, isto é, com todas as percepções que fazemos da realidade, podemos nos sentir perplexos diante da constatação de nossa própria ignorância. Por isso, a busca pelo conhecimento é, antes de tudo, uma atitude corajosa, afinal, quantos já não foram julgados e condenados por se negarem a sair de sua própria caverna?

Portanto, o desenvolvimento do pensamento crítico permite que adquiramos maior autonomia sobre decisões e atitudes tão necessárias em nossa interação com o mundo em que vivemos, ou seja, tornar-nos seres capazes de pensar por si próprios e não meros expectadores da vida.
 

por Flávio Bastos   

  Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico.
Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.  
    E-mail: flaviolgb@terra.com.br


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

FENOMENO RARO É BÊNÇÃO DE DEUS ??


Raro fenômeno é tido como prova 
 da 'benção de Deus' 
 
Espectro de Brocken registrado nos EUA
 
 
Viajantes registram ilusão de ótica rara que
 cria auréola em torno das pessoas
 
=    Veja fotos! »
 
 

Viajantes registram ilusão de ótica rara que cria auréola em torno das pessoas

O espectro de Brocken é um fenômeno raro que deixa alpinistas do mundo todo atônitos.

 

Trata-se de uma ilusão de ótica da sombra do observador lançada acima da altura das nuvens, oposta ao Sol, criando uma incrível auréola colorida em torno das pessoas ou de objetos.

 

A origem do nome é devido ao pico mais alto da cordilheira Harz, na Alemanha.

 

As fotos, por sua vez, foram registradas por Radka e Chris Chapin em Washington, nos EUA.

 

Eles contaram sua história para a ABC News.

 

 

Espectro de Brocken registrado nos EUA

 

O que eles viram na verdade se chama 'Espectro de Brocken', uma ilusão de ótica. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)

 

 

Espectro de Brocken registrado nos EUA

 

O que eles viram na verdade se chama 'Espectro de Brocken', uma ilusão de ótica. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)



Espectro de Brocken registrado nos EUA

O fenômeno é visto em regiões altas, acima de algumas núvens. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)

 
 
Espectro de Brocken registrado nos EUA
 
 
A sombra pode ser em gotas de água mais densas também, causando distorções na percepção da profundidade. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)
 
 
Espectro de Brocken registrado nos EUA
 
 
Se um dia você testemunhar esse fenômeno, lembre-se de que não se trata de uma manifestação divina. É você mesmo. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)
 
 
Espectro de Brocken registrado nos EUA
 
Essas fotos foram registradas no Mount Rainer National Park, na montanha Tamanos, nos EUA. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)
 
 
Espectro de Brocken registrado nos EUA
 
 
Com a luz do sol sobre as partículas de água, o resultado é um arco-íris em torno do observador. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)
 
 
Espectro de Brocken registrado nos EUA
 
. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)
Com a luz do sol sobre as partículas de água, o resultado é um arco-íris em torno do observador. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)




Mas tudo não passa de uma ilusão de ótica. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)





Espectro de Brocken registrado nos EUA


O nome da ilusão se deu por causa do pico Brocken, nas montanhas Harz, na Alemanha. (Foto: Reprodução/Radka Chapin)




Espectro de Brocken registrado nos EUA


É possível também ver o fenômeno de dentro do avião. (Foto: Reprodução)

BURACOS NEGROS & APOCALIPSE ??


 

Colisão entre buracos negros

pode causar apocalipse

 

 

CC/Wikipedia                   

Encontro de par de buracos negros supermaciços
deverá decretar o fim da galáxia de Virgem
 
=    Saiba porque os cientistas estão atentos à descoberta »
 
 
 
Em uma região bastante distante do nosso planeta Terra, dois buracos negros estão prestes a se chocar no que poderia ser um apocalipse; o fim da galáxia de Virgem.
 
De acordo com astrônomos da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, esse “fim do mundo” inclusive pode ter acontecido e ainda não sabemos.
 
E ele é muito importante para entendermos o funcionamento e as interações do cosmo.
 
 
 
Ilustração de um quasar no centro de uma galáxia. (CC/Wikipédia)Ilustração de um quasar no centro de uma galáxia. (CC/Wikipédia)


No artigo publicado na revista Nature e replicado pelo jornal americano The New York Times, é dito que os dois buracos negros monstruosos (chamados de buracos negros supermaciços) estavam, no fim do ano passado, a 20 anos-luz de distancia. Hoje, estão a uma semana-luz e até já podem ter se chocado, dependendo do ponto de vista.

O impacto aconteceria em 100 mil anos – uma eternidade para nós, humanos, mas praticamente nada para o universo.

A energia liberada seria igual a de 100 milhões de supernovas (cada uma é considerada uma explosão de pelo menos 10 astros de massas próximas à do Sol), uma verdadeira série de “tsunamis gravitacionais” pelo espaço-tempo.

Previstos por Albert Einstein em sua teoria geral da relatividade, os buracos negros supermaciços estão em todas as galáxias, no centro delas, e são formados por imensas nuvens de gás e aglomerados de milhões de estrelas que entraram em colapso quando o universo era mais jovem e denso.
Quando em atividade, formam explosões gigantescas chamadas de quasares, distribuindo enormes ondas gravitacionais pelo espaço.


Concepção artística de um buraco negro supermaciço. (CC/Wikipédia)Concepção artística de um buraco negro supermaciço. (CC/Wikipédia)


Ao todo, vinte pares desses buracos já foram descobertos, e a mesma equipe monitora outros 90 objetos quem também podem ser.

“A detecção dessas ondas gravitacionais permite sondar os segredos da gravidade e testar a teoria de Einstein no ambiente mais extremo de nosso universo – os buracos negros”, explica Daniel D’Orazio, um dos autores da pesquisa.

“Assistir esse processo atingir seu ápice pode nos dizer se os buracos negros e as galáxias crescem no mesmo ritmo, e em última análise uma propriedade fundamental do espaço-tempo: sua habilidade de carregar vibrações chamadas ondas gravitacionais, produzidas no último, mais violento estágio da fusão”, completou o astrônomo Zoltan Haiman.

Desta forma, os pesquisadores esperam, a partir de agora, entender melhor como funciona a atração entre os corpos. “A detecção de ondas gravitacionais é uma prova direta desta região e, portanto, dos segredos da gravidade”, concliu D’Orazio. “E chegar lá é o ‘Santo Graal’ do nosso campo de estudo.”
 
 

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

FRIO NA BARRIGA

Foto: Thinkstock
 
 
O frio na barriga é uma das formas que
o nosso corpo encontra de extravasar o nervosismo
 
    Pode acontecer antes de encontrarmos alguém »
 
 

Por que sentimos frio na barriga?

 
 

Quem está prestes a encontrar alguém que mexe com seu coração, a começar uma entrevista de emprego ou a fazer uma prova muito importante sabe que o nervosismo se mostra de uma só forma: o frio na barriga.

Nossas emoções e nossos pensamentos não acontecem apenas na nossa cabeça - o que sentimos pode influenciar outras áreas do corpo, provocando produção de secreções e hormônios, alteração na imunidade e até inflamações em alguns órgãos.
No entanto, o frio na barriga causado por nervoso não é grave.  
Quando nos vemos em situações estressantes, o corpo todo já está em estado de alerta. 
Como reação ao nervosismo do momento, as reações que sentimos são: intensa liberação de adrenalina, menor circulação de sangue na região do abdômen, maior quantidade de ácido no estômago e uma contração dele. Tudo isso resulta no “frio na barriga”.  
O stress também costuma dar outras sensações bem famosas, como as palpitações do coração, a insônia e as mãos suadas.


Leia mais: 
Existe alguma maneira natural de lidar com a ansiedade?
Ansiedade e estresse: entenda esses males para se livrar deles


fonte:

Yahoo Vida e Estilo

YAHOO VIDA & ESTILO
 
 

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

SUAS ATITUDES NAS ORAÇÕES


As suas atitudes são de

um pedinte espiritual?



As suas atitudes são de um pedinte espiritual?


O motivo pelo qual as pessoas não atingem resultados excelentes para suas preces é que já começam uma oração focada naquilo que elas não têm, no seu sofrimento e naquilo que não gostam.

Você fica pedindo, pedindo “
Deus, me ajuda aqui, Deus me ajuda ali, Deus me ajuda acolá”?
 
Se você estiver fazendo isso, não vai alcançar seus objetivos.
 
Hoje eu sei o problema que é ser um pedinte espiritual, porque eu também era assim, e tudo que eu queria fazer era difícil, era pesado, tudo dava errado.





Atitudes de um Pedinte Espiritual
 

A minha vida começou a mudar com uma prática muito simples. Naquela época, eu trabalhava numa empresa que tinha mais de 400 funcionários e sempre que alguém chegava para mim e reclamava da vida, de dor de cabeça, reclamava de qualquer coisa, o que eu fazia? Eu dizia “Fulano, eu não tenho uma religião específica, mas eu participo de um grupo de oração. Todos os dias eu anotava 15, 20, 30 nomes. E o meu grupo de oração quem era?

Era eu e os seres de luz nos quais eu acredito e confio. E aquela prática foi transformando meus dias, tudo se tornou mais fácil, eu comecei a receber dos outros aquilo que eu nem pedia. A partir disto, eu fui entendendo que tinha uma relação de equilíbrio energético entre o que a gente pede e o que a gente recebe, daí vem a importância de iniciar as suas orações agradecendo, emanando o sentimento de gratidão.

E essa informação eu confirmei anos depois quando, no desenvolvimento da minha mediunidade, das minhas possibilidades psíquicas e espirituais, eu comecei a ter encontros fora do corpo durante o sono, onde entidades espirituais me falaram a importância do equilíbrio energético da vida. Isso tudo foi compilado em doze anos de pesquisa e faz parte do programa online avançado O Chamado da Luz, que tem algumas práticas que são essenciais para você fazer os treinamentos espirituais despertos e os treinamentos espirituais durante o sono.



Rezar para as outras pessoas
 

É preciso olhar um pouco mais para a situação do mundo para abrir o seu fluxo de energia. Não é uma questão só de ser bonzinho, não é só uma questão de fazer o bem, é uma questão de abrir a sua energia.

Quando você só pensa em você e nos seus próprios problemas, você fecha a sua energia e isso tranca tudo. Por favor, não seja um pedinte espiritual. Qual é o exercício? Comece a rezar mais para as outras pessoas.

Dica: Se você já segue O Chamado da Luz, é só você entrar lá no site e baixar a Conexão de 4 Etapas e somar com tudo mais que você sabe focando um pouco nos outros.

Mas jamais comece uma oração com lamentação, porque deste modo sua vida não progredirá.
Agora eu quero saber a sua opinião, deixe aqui no seu comentário seus relatos e os seus resultados.
E se você lembrou de algumas pessoas que acha que devem ouvir isso, mande para elas ou compartilhe nas suas redes sociais.

Um grande abraço e até a próxima!


por Bruno J. Gimenes - sintonia@luzdaserra.com.br


terça-feira, 22 de setembro de 2015

PERGUNTE-SE




importante que você pode
fazer a si mesmo


IN PEACE



Qual é a sua história de vida?


Eu não me refiro aquela onde você cresceu, estudou, conseguiu o seu primeiro emprego, etc.

O que eu quero dizer é: qual é a sua HISTÓRIA?

Qual a narrativa construída através dos acontecimentos da sua vida?

Você sabia que esta é a pergunta mais importante que você pode fazer a si mesmo?

De acordo com o fascinante campo da “psicologia narrativa”, as histórias que contamos sobre nós mesmos são a chave do nosso bem-estar. Se você já interpretou os acontecimentos da sua vida como indicação da sua falta de sorte ou imprudência é difícil olhar o futuro com otimismo.

Por outro lado, se você reconhece que cometeu erros e enfrentou dificuldades, mas busca (ou já teve certa) redenção, você percebe que tem maior controle sobre a sua vida.

Pense naquela vez que te demitiram, por exemplo. Será que era mais uma prova de que sua carreira não estava indo a lugar nenhum? Ou será que foi a melhor coisa que já te aconteceu, te deixando livre para encontrar um trabalho mais conveniente?

E o seu divórcio? Será que é um sinal de que você não tem sorte no amor ou será que foi uma mudança difícil para um romance mais esperançoso?

A ideia é não se iludir pensando que coisas ruins na verdade são coisas boas. Ao contrário, é encontrar sentido no desenrolar dos acontecimentos. É reconhecer que tudo muda constantemente. Na sua vida você vai passar do triunfo ao desgosto ao tédio e tudo de novo, às vezes em um único dia.

O que você faz com tantas emoções, tantas coisas acontecendo?



Os fatos importam menos do que a narrativa.

Era uma vez uma francesa de 18 anos, chamada Sophie Serrano, que deu à luz uma menina que sofria de icterícia neonatal.

O bebê passou os seus primeiros dias em uma incubadora sob luz artificial e foi entregue à sua mãe quatro dias depois. Sem saber, Sophie recebera outro bebê, também de 4 dias e com icterícia. A enfermeira as trocou por acidente.

Sophie chamou a sua filha de Manon. Mas à medida que ela crescia, ficava evidente que ela não parecia nem um pouco com seus pais. Ela tinha a pele mais escura, cabelos crespos e os vizinhos logo começaram a comentar sobre sua origem.

Mas Sophie nunca hesitou. A enfermeira tinha explicado que a luz artificial usada para tratar a icterícia poderia afetar a cor dos cabelos. Sophie amou mais ainda Manon. Ela conhecia a sua história de vida: seus choros, seus murmúrios e suas primeiras palavras.

Foi só quando o marido de Sophie a acusou de dar à luz um bebê de outro homem que ela foi fazer o teste de paternidade e descobriu que o seu marido estava (meio que) certo. O bebê, agora com 10 anos, não era dele e também não era dela. A filha deles pertencia a um outro casal que tinha criado a filha biológica deles em uma cidade a várias milhas de distância.

É uma fascinante e típica história de "troca de bebês". Mas justamente aqui essa história toma um rumo inesperado.

Um encontro foi marcado para as duas mães e suas filhas. Sophie viu que sua filha biológica parecia fisicamente com ela de uma forma que Manon jamais pareceria.

Mas ela não sentia nenhuma conexão com essa outra menina. Foi Manon que ela amamentou, foram os pesadelos dela que ela acalmou e foram as suas histórias que ela conheceu. Esta outra filha era parecida com Sophie - mas o que isso significa no fim, se ela não conhecia as suas histórias? A outra mãe se sentia da mesma maneira.

"Não é o sangue que faz uma família", disse Ms. Serrano ao The New York Times (onde li esta história). "O que faz uma família é o que construímos juntos, o que dizemos um ao outro."
Nossas histórias são tudo. Elas são o centro do amor e sua expressão.
E então, qual é a sua história? Você está contando a história certa? Você está contando para as pessoas certas?


 Aqui estão três conjuntos de pessoas que você pode escolher para contar as suas histórias:


1. "Declare-se" aos seus colegas de trabalho.

 Doug Conant, o muito admirado ex-CEO da Campbell Soup e fundador da Conant Leadership (e uma das pessoas que mais gosto), é um introvertido que não sente muita vontade de ficar falando por falar e mostrar quem ele é.
Por isso ele marca reuniões intituladas "Declare Yourself" (Declare-se), com cada um de seus subordinados diretos. O objetivo destas reuniões é contar aos seus empregados a sua história: como ele gostava de trabalhar, a sua filosofia de gestão e falar sobre as coisas e pessoas que mais importam para ele.
(Nós da Quiet Revolution, aqui no Huffington Post, temos parceria com a Conant Leadership para desenvolver uma ferramenta chamada "Declare Yourself" para que você possa usar com seus colegas. Fique de olho.)


2. Compartilhe as suas histórias com a sua família.

 Há algumas semanas eu contei ao meu filho de 7 anos uma história infantil que eu estou escrevendo. Eu mencionei que estava trabalhando nesta história há meses. "Como é que você nunca me contou antes?", meu filho queria saber. Ele estava naturalmente chocado, talvez até um pouco chateado que eu tivesse guardado os detalhes da trama para mim." Eu pensei que talvez você não fosse se interessar", eu disse sinceramente a ele.
Ele é obcecado por futebol e hóquei no gelo e a minha história é de meninas, de viagem no tempo e timidez. Mas o que o incomodou foi eu ter uma história que eu tinha escolhido não contar pra ele. De agora em diante, prefiro errar ao compartilhar meus sonhos, mesmo que não tenha nada a ver com bolas de futebol e tacos de hóquei.


3. Conte a sua história para você mesmo – e tenha certeza de contar direito.

 Se você tem problemas em construir uma narrativa sincera e ao mesmo tempo positiva este exercício pode ajudá-lo. Basta perguntar a si mesmo estas três coisas:
• Você consegue pensar em um momento na parte inicial da sua vida em que você se sentia forte e feliz? Se você teve uma infância difícil ou outros desafios que impediram a identificação deste ponto de partida, tente pensar quando você ainda estava no útero.
• Qual foi o desafio, ou desafios, que aconteceu e ameaçou a sua força e paz?
• Você pode dar um significado a esses desafios? Você não precisa do clássico final feliz desde que você tenha encontrado um significado. E não se preocupe se você ainda não chegou lá. Apenas pense no resultado que você gostaria de ver um dia. E lembre-se das palavras do mitólogo Joseph Campbell: "Onde você tropeçar é onde o seu tesouro está."
Quer compartilhar a sua história? Adoraria ouvi-la!

Este artigo foi publicado originalmente no QuietRev.com. Você pode encontrar mais insights da Quiet Revolution no trabalho, na vida e como parente que é introvertido em QuietRev.com. Siga Quiet Revolution no Facebook e Twitter.
(Tradução: Simone Palma)



FONTE:

The Huffington Post  |  De

Publicado: Atualizado:

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

ENCONTRO COM A FELICIDADE


Por que temos que amar primeiro
 a nós mesmos para
amar os outros?


Por que temos que amar primeiro a nós mesmos para amar os outros?



 
Quem não cresceu escutando
contos de fadas que
terminavam com a famosa frase:
E viveram felizes para sempre...?


A felicidade era uma promessa
garantida para a moça que
achasse seu príncipe encantado.



leia: Por que temos que amar primeiro a nós mesmos para amar os outros?


fonte:


contato@vidadeclaraluz.com.br
São Paulo (SP)
Bel Cesar, psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990.Trabalha com a técnica de EMDR, um método de Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares, especialmente empregado no tratamento de transtorno de estresse pós-traumático, quadros de ansiedade, depressão e síndrome do pânico. Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. Em 1987, organizou a primeira vinda de Lama Gangchen Rimpoche ao Brasil. Presidiu o Centro de Dharma da Paz por 16 anos. Desde 2004, em parceria com Peter Webb, desenvolve atividades de Ecopsicologia no Sítio Vida de Clara Luz, em Itapevi, São Paulo e administra aulas sobre a psicologia budista na Sede Vida de Clara Luz em São Paulo - www.vidadeclaraluz.com.br Desde 2002, colabora com o site www.somostodosum.com.br na sessão Espiritualidade - Morte e luz. Elaborou o livro "Oráculo I Lung Ten", compilando 108 predições de Lama Gangchen Rimpoche e outros mestres tibetanos. É também autora dos livros "Viagem Interior ao Tibete" e "Morrer não se improvisa", "O livro das Emoções" e "Mania de Sofrer" e recentemente "O sutil desequilíbrio do estresse", todos pela Editora Gaia. É conselheira da Fundação Lama Gangchen para a Cultura de Paz www.flgculturadepaz.org.br