Seguidores

COM JESUS É POSSÍVEL SER FELIZ E VENCER TODO DIA

Quantas vezes nos sentimos sem rumo e pensamos não ter com quem contar. Jesus é o nosso melhor amigo.
Quando conhecemos a Jesus e a Ele nos entregamos descobrimos uma vida completamente nova que está
disponível a todas as pessoas.
Este espaço é um convite para conhecer e praticar o que a Palavra de Deus nos ensina durante todos os dias da nossa vida.


ESCREVAM !!!!!!!!!!!!!!!!!

Estou abrindo espaço para você que deseja orientação através do e-mail: conhecerdeusnapratica@outlook.com;

que será respondido na publicação no blog zelando a identidade da pessoa que será chamada de amiga.

Com isso as pessoas poderão ter minha orientação e de todos que acompanham o blog, recebendo desta forma maior apoio para resolução de seus problemas.

ESCREVAM !!!!!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 11 de agosto de 2015

RELAÇÃO ENTRE PAIS E FILHOS


Conflito entre pais e filhos


Pais e filhos: como solucionar os conflitos no relacionamento?
 
 
 

O melhor caminho para tratar uma relação de conflito entre pai e filho?

Psicóloga: A psicoterapia familiar pode realizada no sentido de abrir os canais de comunicação. Muitas vezes o conflito acontece quando uma das partes, o pai ou o filho, não tem empatia, ou seja consegue perceber o ponto de vista da outra pessoa e sentir como seria estar na posição do outro. Ao aprender a expressar de forma clara seus sentimentos podemos fazer tanto que o outro ceda em favor a nós como também damos a oportunidade de revermos nossa posição.

Rejeição de um pai

Psicóloga: Creio que esta possa ser uma das dores mais difíceis de superar – a rejeição por parte daquele que mais esperamos apoio. Os pais são nossa fonte de alimento e conforto na infância, e ao nos desenvolvermos não esperamos que as pessoas que tinham nossas vidas em suas mãos nos deixem desamparados.

Dicas para alguém que passa por conflito entre pai e filho

Psicóloga: Quando a rejeição por parte dos pais é uma realidade os filhos podem avaliar a possibilidade de alguns passos: tentar fazer os pais entenderem suas posições; entender a posição do pai; perceber onde está o erro, quando for este o caso, e mudar o que precisar ser mudado, corrigir o erro. Em algumas situações talvez a solução para este filho seja aceitar que seu pai não tem para oferecer o que ele precisa. Respeitar a limitação dos pais pode ser uma solução em alguns casos.

Tem como reaver uma relação já desgastada por tantos conflitos e mágoas

Psicóloga: Pode ser possível. Os corações  podem ser tocados pelo amor e  cada uma das partes perceber que o relacionamento entre pais e filhos é algo precioso demais para ser ignorado. Um bom trabalho de integração pode fazer com que cada um reconheça a importância  do outro em sua vida.

Terapia para conflito Pai e filho

Psicóloga: Pai e filho podem fazer terapia juntos, mas é preciso que as duas partes queiram o reencontro. A psicoterapia pressupõe um dose de esforço de cada parte e pode ser muito bem sucedida. Caso uma das partes não se interesse em participar da psicoterapia familiar a parte interessada pode fazer sua terapia individualmente.

*O material deste site é informativo, não substitui a terapia  ou psicoterapia  oferecida por um psicólogo
Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5


criança publicidadeEntrevista cedida para FAPCOM- Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação



Pais que levam suas crianças para trabalhar em publicidade



Reportagem sobre bebês/crianças que trabalham em publicidade, bem como as relações com a família e agência mirins.

As crianças desde bebê já estão em filas de concorrência, disputando oportunidades em testes, campanhas. Até que ponto o "crescimento prematuro" pode prejudicar o desenvolvimento da criança, segundo a psicologia infantil?

Tudo depende de como as mães colocam as situações para as crianças. Se a mãe oferecer a atividade como brincadeiras interessantes a criança poderá lidar bem com a atividade sem prejuízos. Mas observe que isto pode ser aparentemente fácil de fazer mas insisto que é algo que exige muito talento por parte da mãe, paciência e habilidade. Pois uma brincadeira não pode ser imposta, ela é oferecida e a criança precisa sentir prazer em realizar.

A não aprovação em um teste pode desencadear um processo de frustração na criança com consequências na vida adulta

Quando a criança já entende que aquilo que ela não foi escolhida ou que outras crianças foram  preferidas poderá  gerar frustração. Uma pequena dose de frustração pode preparar para a vida, pois nós a experimentaremos em muitas outros momentos da vida, e talvez os pais possam utilizar esta oportunidade para ensinar a criança a lidar com frustrações. Mas em doses elevadas seja pela repetição da reprovação ou pela forma como foi colocada ela pode gerar sentimentos de desistência, desamparo e até depressão.

Quando a mãe praticamente obriga a criança aos testes

conflito pai e filho

 

Quais os prejuízos para a vida adulta, ou até mesmo durante a infância, para uma criança que é submetida ao mercado publicitário, mesmo quando demonstra insatisfação?

Considero que possa ser muito prejudicial à criança. Não é de minha esfera (o aspecto jurídico) mas creio ser até crime obrigar uma criança trabalhar. Uma criança que é forçada a fazer este tipo de coisa poderá não elaborar  a ideia de que sua mãe quis o melhor para ela. Diferente de uma mãe que obriga o filho a tomar um remédio, usar calçados e outras coisas que a criança não quer fazer mas com o tempo as informações vão se apresentando e ela percebe que aquilo era amor.

Uma criança obrigada a passar por testes poderá crescer com sentimento de que sua mãe  não respeitou sua limitação e vontade de ter uma infância cheia de brincadeiras que desenvolvem os aspectos intelectuais, sociais, etc.

Uma criança obrigada a fazer coisas que com o tempo serão percebidas como “inúteis” pois participar de propagandas não é algo fundamental no desenvolvimento, poderá se revoltar contra essa mãe , principalmente se ela mentir (dizer que o papai quer, ou que é isso que toda criança deve fazer, ou que será melhor para ela, etc) para convencer a criança.

*O material deste site é informativo, não substitui a terapia  ou psicoterapia  oferecida por um psicólogo

Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

Nenhum comentário: