Seguidores

COM JESUS É POSSÍVEL SER FELIZ E VENCER TODO DIA

Quantas vezes nos sentimos sem rumo e pensamos não ter com quem contar. Jesus é o nosso melhor amigo.
Quando conhecemos a Jesus e a Ele nos entregamos descobrimos uma vida completamente nova que está
disponível a todas as pessoas.
Este espaço é um convite para conhecer e praticar o que a Palavra de Deus nos ensina durante todos os dias da nossa vida.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

JESUS: A ROCHA DA NOSSA VIDA

Construa sua vida na rocha que é Jesus



Tudo é feito de areia, só o que permanece é o nosso relacionamento com as outras pessoas.

Num dia de verão, estava na praia, observando duas crianças brincando na areia.
 
Elas trabalhavam muito, construindo um castelo de areia, com torres, passarelas e passagens internas.
 
Quando estavam quase acabando, veio uma onda e destruiu tudo, reduzindo o castelo a um monte de areia e espuma.
 
Achei que as crianças cairiam no choro, depois de tanto esforço e cuidado, mas tive uma surpresa.
 
Em vez de chorar, correram para a praia, fugindo da água. Rindo muito, de mãos dadas, começaram a construir outro castelo...
 
Compreendi que havia recebido uma importante lição: Gastamos muito tempo de nossas vidas construindo alguma coisa.

Mas, uma onda poderá vir e destruir o que levamos tanto tempo para construir.
 
Se isso acontecer, somente aquele que tem as mãos de alguém para segurar será capaz de sorrir!
 
Tudo é feito de areia, só o que permanece é o nosso relacionamento com as outras pessoas.
 
 
Pense nisso!


Fonte: www.melodia.com.br

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Não Basta Crer, É Necessário Confiar!

Isaías 49:13-16
Deus nunca se esquece do Seu povo, pois estamos permanentemente gravados em Suas mãos. Nós precisamos “crer” e “confiar” nessas duas verdades.


A DUALIDADE DOS SENTIMENTOS HUMANOS:

- No coração daqueles que crêem em Deus sempre existe uma canção de fé. (Is.49:13)
- Entretanto, ao mesmo tempo em que a fé nas promessas de Deus é celebrada por muitos, é possível encontrar também reclamações. (Is.49:14)
- Percebe-se nas pessoas uma mescla de crença com incredulidade.
- A Bíblia diz: Sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor. (Hb.11:6)


COMO DEUS VISUALIZA O SEU POVO?

- Como uma criança sendo amamentada e totalmente dependente Dele.
- Deus lhes dá duas verdades para que acreditassem. (Is.49:15,16)
- Deus nunca se esquece de Seus filhos.
- O nome de Seu povo está escrito em Suas mãos. O termo “escrito” no hebraico é “esculpido”, indicando permanência.


O QUE DEUS ESPERA QUANDO NOS MOSTRA SUAS VERDADE?

- Ao nos dar verdades, Deus espera de nós uma atitude de “fé”.
- Você pode acreditar em muitas coisas e ao mesmo tempo não confiar nelas.
- Você pode acreditar que um avião pode decolar e já viu isso muitas vezes, mas lhe falta coragem para entrar em uma aeronave. Você crê que Deus o ama, mas pode não estar confiando no seu amor.
- Imagine várias alternativas naturais e espirituais.

DEUS NOS CHAMA PARA CRER E “CONFIAR” NAS SUAS VERDADES:

- A Bíblia diz: Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre. (Sl.125:1 RA)
- Confiar é o próximo passo depois de crer.
- A confiança é o que torna a sua fé completa.
- Carlos Drummond de Andrade disse: “A confiança é um ato de fé, e esta dispensa raciocínio.”

A FÉ OU A CONFIANÇA NÃO TEM A LÓGICA HUMANA COMO BASE.

- Jesus disse: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. (Mt.4:4)
- Jesus está dizendo que o natural não pode satisfazer todas as nossas necessidades e que precisamos do sobrenatural que vem da Palavra que sai da boca de Deus.

NOSSAS PALAVRAS E A PALAVRA DE DEUS.

- Nossas palavras são carregadas com um espírito lógico ou racional, mas a Palavra que sai da boca de Deus, nos traz o Espírito e a vida elevada.
- Jesus disse: O Espírito de Deus é quem dá a vida, mas o ser humano não pode fazer isso. As palavras que eu lhes disse são espírito e vida. (Jo.6:63 NTLH)
- As palavras humanas dão algum consolo, mas a Palavra de Deus dá arranque, força, poder e nos levanta para lutar!
- A Palavra de Deus nos tira da condição caótica em que estamos!

NÓS PRECISAMOS DA PALAVRA E DO ESPÍRITO DE DEUS.

- Lembre-se de Gênesis 1:1-3, e veja como Deus tirou esta terra do caos em que estava.
- Foi por meio do poder do Espírito Santo e da Palavra de Deus que tudo foi feito.
- Eu não conheço a sua escuridão, só você a conhece.
- Só você conhece a profundidade de seus medos, mas há uma coisa que eu conheço: o amor de Deus!
- O poder que Ele tem para levantar pessoas que estão caídas ou destruídas.
- Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. (Jo.11:25 RC) A palavra “crer” aqui significa “estar vivendo com fé ou confiança” Nele”

COMO PODE ALGO MORTO VOLTAR A VIVER?

- Quando Jesus pronuncia Sua Palavra de Espírito e Vida, nem mesmo a morte, a destruição, o medo ou o caos podem detê-la!
- Só você pode! Somente a sua vontade pode deter o que Deus pode fazer por você em Cristo Jesus!

O RESULTADO DA AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO E DA PALAVRA DE DEUS EM NÓS.

- Quando Deus por meio do Seu Espírito e de Sua Palavra restaura algo que estava morto ou destruído, é impossível não haver canções nos céus, alegria na terra e gritos de festa! (Is.49:13)

Fuja do espírito de incredulidade e amargura. (Is.49:14) Creia e dê o próximo passo, confie! Coloque a sua vida nas mãos do SENHOR, confie nele, e ele o ajudará. (Sl.37:5 NTLH)

| Autor: Pr. Walter de Lima Filho | Divulgação: estudosgospel.com.br |
 
 

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O Que Significa a Mulher Ser Submissa ao Marido?

Já vi grandes abusos acontecerem pela falta de entendimento das passagens bíblicas que orientam a respeito da mulher ser submissa ao seu marido. Alguns maridos usam o termo para submeter suas esposas a humilhações como se elas fossem uma espécie de escravas. Já ouvi histórias de maridos “cristãos” que faziam até exigências sexuais às suas esposas – contra a vontade delas – sob a alegação de que elas devem obediência plena a eles segundo está na Bíblia. Existe também o lado das mulheres que simplesmente ignoram a ordem bíblica, ou mesmo preferem nem conhecer seu real significado, torcendo o nariz para essa tal “submissão”, que parece mais algo machista que algum homem colocou na Bíblia.

O fato é que nenhuma ordem bíblica traz mal ao ser humano (é claro que se obedecidas de acordo com seu real significado). Assim, conhecer o real significado dessa expressão e colocá-la em prática será de grande bênção para o casal e para o lar. Vejamos, então, o que significa a mulher ser submissa ao marido:

A orientação do Senhor a respeito da submissão da mulher ao marido está registrada em vários versículos na Bíblia (1Pe 3.1; 1 Pe 3.5; Cl 3.18; Ef 5.22; Ef 5.24). Vou destacar aqui esse verso: “Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas ao seu marido.” (Efésios 5.24).

A comparação feita entre a submissão da igreja a Cristo e a submissão da mulher ao marido é perfeita para explicar o que realmente significa essa submissão. Porventura, seria algo ruim, como igreja, estarmos submissos a Cristo? Não nos sentimos protegidos Nele, não sentimos prazer em fazer a Sua boa e perfeita vontade, em cooperar com Sua missão? Não confiamos na ação Dele e fazemos de tudo para agrada-Lo? Ele não é a nossa direção, nosso líder maior, nosso exemplo? Servir a Cristo não é uma das melhores satisfações que a Sua igreja pode viver? Não é uma bênção, ainda que possa haver tribulações envolvidas?

Pois bem, esse é o exemplo máximo de submissão que deve haver dentro do casamento! O marido, tal qual como Cristo diante de Sua igreja, deve ser o líder do lar. Deve ser amável, atencioso, respeitoso, abençoador, protetor, sustentador, aconselhador, etc, com sua submissa esposa. Essa é a missão que Deus deu ao homem dentro de seu lar, esse é o seu lugar. Qualquer atitude violenta ou não amorosa não cabe aqui. A Bíblia diz aos maridos: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela” (Efésios 5.25). A pergunta que fica é: Qual esposa não se sentirá amavelmente impelida a ser submissa a um marido que a ama como Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela? Esse é o segredo da submissão bem sucedida!

A esposa deve tal qual como a igreja, se submeter à liderança do marido dentro do lar, cumprindo o propósito tão bem especificado em Gênesis 2.18: “Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.”. A esposa deve ser uma amorosa auxiliadora, cooperando com a liderança – e missão – de seu marido para a edificação mutua. Lembrando que esse fato não faz da esposa maior nem menor que seu marido, pois ambos foram feitos à imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27).

Partindo agora para uma pequena análise do termo “submissa” empregado na Bíblia, vemos que a palavra grega usada é “hupotasso” e é formada por duas outras: “hupo”, que significa “sob”, e “tasso”, que significa “colocar em ordem, organizar”. A expressão completa significa algo como “estar sob a liderança de alguém que organiza, de um líder”. Assim, até na aplicação da palavra, o marido é reconhecidamente identificado como o líder dentro do lar e a submissão da esposa uma realidade abençoada para o bom andamento do relacionamento e do lar. O termo não sugere uma relação de obediência cega e à força, mas de boa vontade, voluntariamente e para um bem comum.

O termo “hupotasso” também era usado como um termo militar grego que significava “organizar [divisões de tropa] numa forma militar sob o comando de um líder”. Em um uso não militar, era “uma atitude voluntária de ceder, cooperar, assumir responsabilidade, e levar um carga”.

Assim, a submissão bíblica da mulher nada tem a ver com inferioridade e nem com o homem ser o “bam-bam-bam” no relacionamento, tratando sua esposa como um objeto. Antes, significa cooperar mutuamente, cada um em seu papel para um bem comum, que é a edificação do lar e de cada um em amor. Dessa forma, deixo um desafio aos casais na aplicação bíblica da submissão:

“Esposas, sede submissas ao próprio marido, como convém no Senhor. Maridos, amai vossa esposa e não a trateis com amargura.” (Colossenses 3.18-19)


Autor: André Sanchez
 
Via: www.estudosgospel.com.br

André Sanchez
Tem 29 anos e é casado há 7 anos com Daniela. Ama escrever e estudar a Bíblia. É membro da Igreja Presbiteriana Bela Jerusalém, onde atua como presbítero, ministro de louvor e professor da Escola Dominical. www.esbocandoideias.com

E-mail: andre@esbocandoideias.com Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

A SUBMISSÃO DA ESPOSA

O Que Significa a Mulher Ser Submissa ao Marido?



Já vi grandes abusos acontecerem pela falta de entendimento das passagens bíblicas que orientam a respeito da mulher ser submissa ao seu marido. Alguns maridos usam o termo para submeter suas esposas a humilhações como se elas fossem uma espécie de escravas. Já ouvi histórias de maridos “cristãos” que faziam até exigências sexuais às suas esposas – contra a vontade delas – sob a alegação de que elas devem obediência plena a eles segundo está na Bíblia. Existe também o lado das mulheres que simplesmente ignoram a ordem bíblica, ou mesmo preferem nem conhecer seu real significado, torcendo o nariz para essa tal “submissão”, que parece mais algo machista que algum homem colocou na Bíblia.

O fato é que nenhuma ordem bíblica traz mal ao ser humano (é claro que se obedecidas de acordo com seu real significado). Assim, conhecer o real significado dessa expressão e colocá-la em prática será de grande bênção para o casal e para o lar. Vejamos, então, o que significa a mulher ser submissa ao marido:

A orientação do Senhor a respeito da submissão da mulher ao marido está registrada em vários versículos na Bíblia (1Pe 3.1; 1 Pe 3.5; Cl 3.18; Ef 5.22; Ef 5.24). Vou destacar aqui esse verso: “Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas ao seu marido.” (Efésios 5.24).

A comparação feita entre a submissão da igreja a Cristo e a submissão da mulher ao marido é perfeita para explicar o que realmente significa essa submissão. Porventura, seria algo ruim, como igreja, estarmos submissos a Cristo? Não nos sentimos protegidos Nele, não sentimos prazer em fazer a Sua boa e perfeita vontade, em cooperar com Sua missão? Não confiamos na ação Dele e fazemos de tudo para agrada-Lo? Ele não é a nossa direção, nosso líder maior, nosso exemplo? Servir a Cristo não é uma das melhores satisfações que a Sua igreja pode viver? Não é uma bênção, ainda que possa haver tribulações envolvidas?
 
Pois bem, esse é o exemplo máximo de submissão que deve haver dentro do casamento! O marido, tal qual como Cristo diante de Sua igreja, deve ser o líder do lar. Deve ser amável, atencioso, respeitoso, abençoador, protetor, sustentador, aconselhador, etc, com sua submissa esposa. Essa é a missão que Deus deu ao homem dentro de seu lar, esse é o seu lugar. Qualquer atitude violenta ou não amorosa não cabe aqui. A Bíblia diz aos maridos: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela” (Efésios 5.25). A pergunta que fica é: Qual esposa não se sentirá amavelmente impelida a ser submissa a um marido que a ama como Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela? Esse é o segredo da submissão bem sucedida!

A esposa deve tal qual como a igreja, se submeter à liderança do marido dentro do lar, cumprindo o propósito tão bem especificado em Gênesis 2.18: “Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.”. A esposa deve ser uma amorosa auxiliadora, cooperando com a liderança – e missão – de seu marido para a edificação mutua. Lembrando que esse fato não faz da esposa maior nem menor que seu marido, pois ambos foram feitos à imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27).

Partindo agora para uma pequena análise do termo “submissa” empregado na Bíblia, vemos que a palavra grega usada é “hupotasso” e é formada por duas outras: “hupo”, que significa “sob”, e “tasso”, que significa “colocar em ordem, organizar”. A expressão completa significa algo como “estar sob a liderança de alguém que organiza, de um líder”. Assim, até na aplicação da palavra, o marido é reconhecidamente identificado como o líder dentro do lar e a submissão da esposa uma realidade abençoada para o bom andamento do relacionamento e do lar. O termo não sugere uma relação de obediência cega e à força, mas de boa vontade, voluntariamente e para um bem comum.

O termo “hupotasso” também era usado como um termo militar grego que significava “organizar [divisões de tropa] numa forma militar sob o comando de um líder”. Em um uso não militar, era “uma atitude voluntária de ceder, cooperar, assumir responsabilidade, e levar um carga”.

Assim, a submissão bíblica da mulher nada tem a ver com inferioridade e nem com o homem ser o “bam-bam-bam” no relacionamento, tratando sua esposa como um objeto. Antes, significa cooperar mutuamente, cada um em seu papel para um bem comum, que é a edificação do lar e de cada um em amor. Dessa forma, deixo um desafio aos casais na aplicação bíblica da submissão:

“Esposas, sede submissas ao próprio marido, como convém no Senhor. Maridos, amai vossa esposa e não a trateis com amargura.” (Colossenses 3.18-19)

Autor: André Sanchez
Via: www.estudosgospel.com.br

André Sanchez
Tem 29 anos e é casado há 7 anos com Daniela. Ama escrever e estudar a Bíblia. É membro da Igreja Presbiteriana Bela Jerusalém, onde atua como presbítero, ministro de louvor e professor da Escola Dominical. www.esbocandoideias.com

E-mail: andre@esbocandoideias.com Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

JOSÉ DO EGITO: OS BASTIDORES


Bastidores de "José do Egito"

Calor de 40 graus e 400 perucas

Calor de 40 graus e 400 perucas


Barba de pelo de lhama, 40ºC, R$ 24 milhões: os bastidores de “José do Egito”

Reportagem do iG Gente acompanhou a gravação da série, que em menos de um mês, já alavancou a audiência do horário na Record

Luisa Girão, iG Rio de Janeiro |


VEJA SELEÇÃO DE 39 FOTOS EM



Conflitos familiares, fotografia de cinema e um elenco que se entregou ao desafio. Esta é a fórmula do sucesso da série “José do Egito”, exibida às quartas-feiras na Record. Com menos de um mês no ar, o produto já é considerado um sucesso da casa: alavancou a audiência do horário no canal, recebeu elogios do público e da crítica e estreou com todas as cotas de patrocínio vendidas.
Segundo Alexandre Avancini, diretor geral da série, este é o projeto mais grandioso da sua carreira. “Estou muito feliz com o resultado. Nunca antes foi visto algo na TV aberta que tenha tamanha proximidade com o cinema. Nós estamos usando as câmeras Arri Alexa que fazem toda a diferença. Estamos com um material que é mais do que HD. São câmeras e lentes de cinema, que dão outra textura para a imagem, algo tridimensional”, explicou ele, que se inspirou no filme “Gladiador” e em séries como “Game of Thrones” e “Downtown Abbey” para criar a atmosfera de José.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
Escrita por Vivian de Oliveira, a minissérie teve um investimento total de R$ 24 milhões na produção, portanto cada um dos 28 capítulos teve um custo médio de R$ 850 mil. A Record construiu duas cidades cenográficas nas instalações da emissora em Vargem Grande, no Rio de Janeiro, que exigiram um investimento de R$ 7 milhões de reais. Uma representa o acampamento de Jacó, que tem 3,9 mil m² e 25 tendas, e outra remete à cidade de Avaris, a capital do Egito na época, construída em uma área de 5,5 mil m². A minissérie ainda contou com locações fora do país, no deserto do Atacama, no Chile, em Israel e no Egito.
 
A reportagem do iG Gente acompanhou gravações de cenas do 19º capítulo da trama, no acampamento de Jacó, onde acontecia a celebração do casamento dos personagens de Diná ( Samara Felippo) e Gibar ( Caetano O’Maihlan). Na cena, dirigida por Hamsa Wood, estavam presentes mais de 100 pessoas – entre elenco, equipe e 77 figurantes. O desafio era otimizar o tempo já que a temperatura atingia mais de 40ºC com sensação térmica de 50ºC na locação.

“Tento preservar ao máximo o elenco, fazendo pausas para eles se hidratarem, evitar ao máximo que eles fiquem no sol e criar uma logística de produção que permitam fazer a cena uma vez só”, diz Hamsa, acrescentando: “Em uma gravação na cidade cenográfica de Avaris, com 600 pessoas, 45 passaram mal. Em janeiro, sofremos com as chuvas excessivas que destruíram cenários e impediram gravações. Agora, é o calor excessivo. Estamos correndo contra o tempo”.




Calor desértico

Devido ao figurino pesado e os apliques de cabelo (barba e megahair) o calor se torna maior. “Quando estávamos gravando no Atacama parecia ser mais fresco do que aqui”, brinca Carla Cabral. Vitor Hugo completa: “Para mim é uma dificuldade válida porque os 15 minutos que ficamos no sol não se comparam ao que eles viviam naquela época. Isso te dá força para superar o calor e respeitar a vida que esses caras tinham”.

Camila Rodrigues, que interpreta Tamar, já tem até um truque. “Eu sempre ando com um kit com água termal, protetor para o rosto e para o corpo, desodorante e biscoitinhos doces e salgados, para o caso da pressão baixar”.

Caio Junqueira está totalmente satisfeito com o projeto, mas confessa que quer que as gravações acabem para poder tirar o megahair e a barba falsa. “É legal a caracterização para entrar no personagem, mas dá muito trabalho. Passo um produto importado para hidratar os fios e uso uma escova especial, com arames, por causa do megahair. Quem diria que eu ia dar dicas de cuidados do cabelo?”, diverte-se o ator.




Grávida no set

Interpretando Diná, única irmã de José, Samara Felippo faz a sua estreia na dramaturgia da Record. Grávida de cinco meses, a atriz conta que está recebendo todo o apoio da equipe e está sendo bastante paparicada. “Eles estão tendo muito cuidado comigo. Sempre fico na sombrinha, me levam uma frutinha, me dão água, botam água no pulso para não baixar a pressão. A Andréa Avancini virou quase uma mãe”, diverte-se ela, que no dia desta reportagem sofreu um pouco com enjoos.
Como sua personagem não está grávida, alguns truques estão sendo utilizados. “O figurino ajuda, pois como tem muito pano e minha barriga ainda está pequena, disfarça. Além disso, colocamos o cinto um pouco mais em cima, para dar fluidez”, diz ela, acrescentando: “Mas daqui a pouco não vai ter mais truque para disfarçar. Vamos correr com as minhas cenas, para tentar acabar o mais rápido possível”.




O tempo passa

A caracterização dos personagens da série foi comandada por Vavá Torres. Como há uma passagem de tempo de 60 anos, o profissional usou técnicas de Hollywood para dar efeito de envelhecimento nos atores. Para os hebreus, do acampamento de Jacó, ele adiciona pelos grisalhos às barbas e cabelos – que foram feitos com crepe e pelos de lhama e javali – e pequenas bolsas de silicone foram implantadas abaixo dos olhos.
Já para os personagens do Egito é uma caracterização mais complicada, já que os atores não tem pelos. Por isso, foram criadas quatro próteses de silicone para os sete atores que envelhecem em Ataris. “Conheci esse material em uma feira nos Estados Unidos. É quase uma gelatina, com a diferença que ela mantém a expressão dos atores”, explica Vavá.
Com essa tecnologia, inédita no Brasil, foi diminuída o tempo para a caracterização em relação às máscaras. O tempo médio para as caracterizações de envelhecimento é de 2 horas e meia.




A história de “José do Egito”

A série conta a saga de José, homem íntegro e filho favorito de Jacó, que após ser vendido como escravo pelos irmãos é levado para o Egito, onde é injustiçado, caluniado, preso e humilhado.
No entanto, José recebe o dom de interpretar sonhos. E é assim, prevendo fartura e fome para o Egito, através dos sonhos que atormentam o Faraó, que José se transforma no governador de toda aquela nação. Mais tarde, quando o mundo não tem o que comer, é José quem alimenta os irmãos que tanto o odiaram no passado.




Confira abaixo outras curiosidades e números de “José do Egito”:

- O elenco participou de um workshop com o preparador Sérgio Penna. Durante uma noite, ele proporcionou uma noite em 1700 a.C, ou seja, o elenco acampou na cidade cenográfica de Harã e tiveram de se virar sem nenhum tipo de eletricidade. As mulheres tiveram que fazer a massa do pão para comer e os homens aprenderam como se acende uma fogueira. “Isso nos fez ficar mais próximos”, afirmou Rick Tavares, que interpreta José jovem.

- Grande parte dos 49 atores da minissérie participou das gravações no deserto de Atacama, onde ficaram por quase 20 dias. Da equipe foram 40 profissionais e a Record ainda contou com o apoio de mais 45 profissionais chilenos e uma média de 50 figurantes por dia. Tempestades de areia, altitude de quase cinco mil metros acima do nível do mar, calor de 45 graus e frio abaixo de zero no mesmo dia foram algumas das adversidades que a equipe passou no local.

- Foram confeccionadas mais de 400 perucas para atender ao elenco do núcleo egípcio: 12 para Bianca Rinaldi, oito para Larissa Maciel e oito para Maytê Piragibe. Para o núcleo hebreu, foram feitas 180 perucas.

- O figurino, chefiado por Carol Li, utiliza mais de quatro mil peças, entre roupas e acessórios (incluindo os da figuração). Foram gastos 10.237 metros de tecido ao custo de R$ 370 mil.
- A figurinista Carol Li reconhece que usou muita licença poética e que nem tudo é uma reprodução fiel. “Na época não tinha tanta cor, eles usavam roupas rústicas e em tons pastéis. Mas, como estamos fazendo uma produção para TV, não podemos deixar que os atores usem sacos de batatas”, diverte-se ela.

- Já foram utilizadas cerca de uma tonelada de comida de cena, para representar os banquetes e farturas da época do Egito rico.

- Como os animais eram muito importantes na época, em cada gravação na cidade cenográfica usam-se cerca de 20 animais, como avestruz, águia, cobra, cabra, burro, lagarto e gatos.



FONTE: IG GENTE

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

TESES DO FIM DO MUNDO

 

 

 
 
 
 
 
 

Profecias apocalípticas voltam à tona após renúncia do papa

Teorias atribuídas a São Malaquias e Nostradamus preveem fim do mundo e ruína do catolicismo. Mas será que previsões resistem a uma avaliação racional?

Alessandra Oggioni, especial para o iG São Paulo |

Reprodução
Nostradamus: quadras foram escritas como retrato de seu próprio tempo

Sempre comentadas e cercadas de mistérios, as profecias sobre o fim do mundo ganham força quando ocorre algum fato ou fenômeno de grande repercussão – como o suposto fim do calendário maia em dezembro passado. Na última semana, após o anúncio da renúncia do papa Bento 16, que acontecerá no fim de fevereiro, não tardaram a circular teorias com as piores previsões possíveis, do fim do mundo ao fim do catolicismo. Mas será que alguma delas resiste a uma avaliação racional?


Veja a trajetória do papa Bento 16


Uma das profecias, atribuída a São Malaquias, afirmaria que o próximo papa seria o último antes da destruição de Roma e do fim do catolicismo. A previsão é baseada em um documento que teria sido escrito pelo bispo Malaquias, no século 12, com 112 breves descrições sobre cada um dos papas que a igreja teria, a partir do ano de 1.143. Na interpretação, a divisa 111 refere-se a Bento 16 como o penúltimo a comandar a igreja. Já o lema de número 112 falaria sobre o último pontífice a exercer o cargo, nomeado como “Petrus Romano”, ou Pedro Romano.

O escritor Wilson A. De Mello Franco, autor de mais de 30 livros digitais sobre profecias, acredita que o nome Pedro é uma indicação de que o próximo papa possa ser Peter Turkson, cardeal de Gana, o que levaria a igreja a ter o primeiro pontíficie negro.

AP
Bento renunciou ao cargo durante o carnaval. Nas semanas seguintes, teorias da conspiração encheram as redes sociais

No entanto, para a socióloga Brenda Carranza, pesquisadora na área de sociologia da religião e autora do livro “Catolicismo Midiático” (Ideias & Letras, 2011), a possibilidade de ter um papa negro não se trata de profecia, mas de uma alternativa real. “Existem, sim, africanos que teriam condições de se tornarem papas. O que não tenho tanta certeza é que seja o momento no jogo de forças instituicionais que este critério prevaleça”, analisa.

De qualquer maneira, as profecias são contestadas. O teólogo e filósofo Jung Mo Sung, professor de ciências da religião da Universidade Metodista, diz que é preciso cautela quando se fala no documento atribuído a São Malaquias, pois há dúvidas sobre a autenticidade do conteúdo. “Há uma discussão se o texto é verdadeiro ou se seria uma falsificação feita no século 16”, comenta.


Leia também: religião é importante para crianças?


Para o padre e professor Valeriano da Costa, diretor da Faculdade de Teologia da PUC-São Paulo, a previsão atribuída ao santo não tem comprovação científica, nem bíblica.“Eu não conheço nenhum texto de profecia de São Malaquias e duvido que isso tenha um fundamento verdadeiro”, diz. Segundo Costa, as teorias sobre o fim da humanidade na igreja católica se baseiam apenas em trechos da Bíblia. “A escritura diz que um dia chegará o final dos tempos, mas este dia é insondável”, afirma o religioso.


Nostradamus: adivinho do futuro?

Outra profecia sempre recorrente é a de Nostradamus. Em “As Centúrias”, o médico que viveu no século 16 teria escrito versos agrupados em quatro linhas (chamados de quadras), que conteriam previsões codificadas sobre fatos do futuro. Entre elas, ele teria revelado a Revolução Francesa, a ascensão de Hitler e o fim do fascismo na Itália.

A respeito do futuro da igreja também haveria previsões. No entendimento de Mello Franco, a quadra de número 99 falaria da mudança de sede da igreja, que deixaria Roma e iria possivelmente para Jerusalém.“As quadras de Nostradamus são como a página de um livro recortada em vários pedaços. Existe um código ali que precisa ser montado e que gera interpretações. Não é determinismo”, admite.

Embora muitos acreditem no “acerto” das profecias de Nostradamus, o filósofo Jung Mo Sung diz que ele não pode ser visto como um “adivinho do futuro”, mas, sim, um escritor que fazia uma espécie de crítica do que estava acontecendo na época. Para ele, as quadras são analisadas de diversas maneiras, dependendo do olhar de cada um. “Uma palavra pode ser interpretada de 50 mil jeitos. Pegam-se frases obscuras e começam a criar relações”.

Reprodução
Raio na Basílica no mesmo dia da renúncia: tempestades são comuns nesta época do ano em Roma

O historiador André Chevitarese, professor do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, também ressalta que é preciso considerar o contexto de cada previsão. “Para nós, as profecias podem soar um tanto quanto sem base, lidas ou ditas por pessoas carentes de um referencial científico. No entanto, os profetas têm o seu valor por retratarem o cenário de uma época”, diz.

Desta forma, Chevitarese explica, Nostradamus e outros denominados profetas devem ser encarados como pessoas que faziam o retrato de um período da história.“As ditas profecias de São Malaquias mostram, por exemplo, uma época que a igreja católica tinha um papel decisivo e predominante. Ele defendeu a ideia de que sem um papa o mundo cairia em um abismo violento”.




Sinal dos céus?

Para quem crê em profecias, até mesmo a queda de um raio em cima da Basílica de São Pedro, no Vaticano, algumas horas após o anúncio da renúncia do papa Bento 16, pode ser vista como um sinal sobrenatural.

O fato é que o fenômeno meteorológico é comum nesta época do ano em Roma, que costuma ter invernos chuvosos. No dia 11 de fevereiro, uma tempestade caiu na região, e veio acompanhada de raios. “Foi uma absoluta coincidência”, diz Joselia Pegorim, meteorologista do Climatempo. “Normalmente, o que acontece é que descargas elétricas são atraídas por elementos pontiagudos, como o que tinha no alto da cúpula da igreja”, esclarece a especialista.


Veja abaixo o vídeo do momento em que o raio atinge a cúpula da Basílica:
http://delas.ig.com.br/comportamento/2013-02-21/profecias-apocalipticas-voltam-a-tona-apos-renuncia-do-papa.html


Leia também
Conversão religiosa: a escolha de uma nova crença
Você sabe o que é fanatismo religioso?
Os sete mandamentos da tolerância religiosa

FONTE: IG DELAS - COMPORTAMENTO

JOVENS FORA DA IGREJA

10 Razões Pelas Quais Nossos Jovens Deixam a Igreja



Todos nós sabemos quem eles são: as crianças criadas na igreja. Eram as estrelas do grupo de jovens. Talvez tenham cantado na equipe de louvor ou lideraram o culto. E então… eles terminam o ensino médio e saem da igreja. O que aconteceu?

Isso parece acontecer com tanta frequência que eu quis descobrir mais sobre isso, falar com esses jovens e obter algumas respostas honestas. Eu trabalho em uma cidade principalmente universitária, cheia de jovens em seus 20 anos. Grande parte deles foram criados em típicas igrejas evangélicas. Quase todos eles saíram da igreja sem intenção de voltar. Eu gasto algum tempo com eles e é preciso muito pouco para fazê-los desabafar, e eu fico feliz em ouvir. Então, depois de muitas horas gastas em cafeterias e depois de pagar alguns almoços, aqui temos os pensamentos mais comuns obtidos através dezenas de conversas. Espero que alguns deles te façam ficar com raiva. Não com a mensagem, mas com o fracasso do nossa substituição pragmática do evangelho da cruz pelo evangelho da glória americanizado. Isso não é um texto negativo de “paulada na igreja”. Eu amo a igreja, e quero ver o evangelicalismo Americano se voltar ao Evangelho de arrependimento e fé em Cristo para o perdão de pecados; não apenas como algo na página “em que cremos” do nosso website, mas como o cerne do que pregamos dos nossos púlpitos para as nossas crianças, nossos jovens e nossos adultos.

Os fatos
As estatísticas [N.T.: referentes aos Estados Unidos, país do autor] são assustadoras: 70% dos jovens param de frequentar a igreja quando terminam o ensino médio. Quase uma década depois, cerca de metade desses retornam à igreja.

Metade.
Pense um pouco nisso.

Não há uma forma fácil de dizer isso: a igreja evangélica americana perdeu, e está perdendo, a certamente irá continuar perdendo, NOSSOS JOVENS.

Apesar de toda a conversa de “nosso melhor recurso”, “nosso tesouro”, e das multimilionárias imitações do Starbucks que construímos e das bandas de rock que tocam nelas… a igreja está deixando os jovens na mão.

Terrivelmente.

O top 10 de razões pelas quais estamos perdendo nossos jovens:


10. A igreja é “Relevante”

Você não leu errado, eu não disse irrelevante, eu disse RELEVANTE. Nós pegamos a fé histórica, 2 mil anos de fé antiga, a vestimos de xadrez e calças jeans skinny e tentando vender isso como “legal” para nos nossos jovens. Isso não é legal. Isso não é moderno. O que estamos entregando é uma imitação barata do mundo que fomos chamamos para evangelizar.

Como diz o ditado, “Quando o navio está no mar, está tudo bem. Quando o mar entra no navio, aí você tem problemas”.

Não estou me queixando sobre “mundanismo” como um bicho-papão pietista, eu estou falando do fato que nós bocejamos por causa da leitura de um texto bíblico de 5 minutos, mas quase tropeçamos ao correr para bajular uma subcelebridade ou atleta qualquer que faz alguma vaga referência sobre ser cristão.

Nós somos como bajuladores em potencial, apenas esperando que o mundo ache que nós somos legais também, tipo como vocês são, cara!

Nossos jovens conhecem o mundo real e a nossa pose de “olhe como somos legais como você” é facilmente ridicularizada. Em nosso esforço para ser “como eles” nós nos tornamos menos do que realmente somos. O pastor de meia idade tentando parecer que tem 20 e poucos não é relevante. Vista-o com calça jeans skinny e bote na sua mão um café, não faz diferença. Isso não é relevante, é comicamente clichê. No momento em que você tenta ser “autêntico”, você não é mais autêntico!
 
9. Eles nunca frequentaram uma igreja, para começo de conversaDe um berçário com tema de Arca de Noé, para um painel eletrônico de estádio de futebol no acampamento das crianças, das noites de pizza aos shows de rock, muitos jovens evangélicos foram mimados em uma estufa nem-tanto-igreja, mas nem-tanto-mundo. Eles nunca se sentaram em um banco de igreja entre pais de primeira viagem com um bebê agitado e um idoso com um cilindro de oxigênio. Eles não veem o caminho completo do evangelho por todas as fases da vida. Em vez disso, nós silenciamos a mensagem, aumentamos o volume do som e agimos surpresos quando…

8. Eles ficam espertos

Não é que nossos estudantes “ficam mais espertos” quando saem de casa, o que ocorre é que alguém os trata como sendo inteligentes. Em vez do nosso emburrecimento da mensagem, os agnósticos e ateus tratam nossos jovens como inteligentes e desafiam seu intelecto com “pensamentos profundos” de questionamentos e dúvidas. Muitas dessas “dúvidas” tem sido respondidas, em grande profundidade, ao longo dos séculos de nossa fé. No entanto…

7. Nós os enviamos desarmados

Sejamos honestos, a maioria das nossas igrejas está mandando jovens ao mundo vergonhosamente ignorantes de nossa fé. Como não poderia ser assim? Nós abandonamos o ensino básico das escolas dominicais, vendemos a atitude de “menos doutrina, mais atitude” e os incentivamos a começar a busca para encontrar “o plano de Deus para a vida deles”. Sim, eu sei que nossa igreja tem uma página de “em que cremos” no nosso site, mas é isso mesmo que tem sido ensinado e reforçado no púlpito? Eu tenho conhecido líderes de igreja evangélica (“pastores”) que não sabem a diferença entre justificação e santificação. Já conheci membros de conselho de mega-igrejas que não sabiam o que é expiação. Quando escolhemos líderes baseados em suas habilidades de atrair e liderar pessoas ao invés de ensinar a fé com precisão… Bem, nós não ensinamos a fé. Surpreso? E em vez da fé histórica e ortodoxa…

6. Nós damos porcaria como alimento

Você deu o seu melhor para transmitir a fé interior/subjetiva que você “sente”. Você realmente, realmente, quer que eles “sintam” isso também. Mas nunca fomos chamados a evangelizar nossos sentimentos. Você não tem como passar adiante esse tipo de fé subjetiva. Sem nada sólido para basear sua fé, sem nenhum credo histórico para amarrá-los a séculos de história, sem os elementos físicos do pão, vinho e água, a fé deles está em seus sentimentos subjetivos, e quando confrontados por outras formas de se “sentir bem” propostas pela faculdade, a igreja perde para outras coisas com um apelo muito maior à nossa natureza humana. E eles encontram isso na…

5. Comunidade

Você percebeu que essa palavra está por TODO LADO na igreja desde que a igreja seeker-sensitive e outros movimentos de crescimento da igreja entraram em cena? (Há uma razão e uma filosofia motriz por trás desses movimentos que está fora do escopo desse artigo). Quando nossos jovens saem de casa, eles deixam a comunidade de manufatura na qual passaram toda a sua vida. Com a sua fé como algo que eles “fazem” em comunidade, eles logo descobrem que podem experimentar “mudança de vida” e “melhoria de vida” em “comunidade” em vários contextos diferentes.

Misture isso com uma fé pragmática e subjetiva, e a centésima edição de festa com pizza na mega-igreja local não tem como competir contra escolhas mais fáceis e mais naturalmente atraentes de outras “comunidades”. Assim, eles saem da igreja e…

4. Eles encontram sentimentos melhores

Ao invés de uma fé externa, objetiva e histórica, nós estamos dando aos nossos jovens uma fé interna e subjetiva. A igreja evangélica não está ensinando os catecismos ou os fundamentos da fé aos nossos jovens, nós estamos simplesmente incentivando-os a “serem gentis” e “amarem Jesus”. Quando eles saem de casa, percebem que podem ser “espiritualmente realizados” e ter os mesmo princípios subjetivos de auto-aperfeiçoamento (e sentimentos quentinhos) de algum guru de autoajuda, de gastar tempo com amigos ou fazendo trabalho voluntário em algum abrigo. E eles podem ser verdadeiramente autênticos, e eles podem ter essa chance porque…

3. Eles estão cansados de fingir

No melhor do “sua melhor vida agora”, “todo dia é sexta-feira” do mundo evangélico, há um pouco espaço para depressão, conflito ou dúvidas. Deixe esse semblante de chateação, ou saia daqui. Jovens que estão sendo alimentados com uma dieta estável de sermões destinado a remover qualquer coisa (ou qualquer pessoa) que pragmaticamente não obedece ao “Maravilhoso plano de Deus para a sua vida” e são forçados a sorrir e, como uma antiga música os encoraja, a “baterem palmas” para isso o tempo todo. Nossos jovens são espertos, muito mais espertos do que acreditamos. Então eles proclamam uma mensagem que escutei bastante desses jovens “A igreja está cheia de hipócritas”. Por quê? Porque apesar de que nunca lhes tenha sido ensinado sobre a lei ou sobre o evangelho…

2. Eles conhecem a verdade

Eles não conseguem fazer isso. Eles sabem disso. Todo aquele moralismo de “seja gentil” que eles foram ensinados? A Bíblia tem uma palavra para isso: Lei. E é disso que nós os alimentados, diretamente, desde que os deixamos no berçário da Arca de Noé: Faça/ Não Faça. Quando eles ficam mais velhos começa o “Crianças de Deus fazem/ não fazem”, e quando adultos, “faça isso ou aquilo para ter uma vida melhor”. O evangelho aparece brevemente como algum “faça isso” para “ser salvo”. Mas a dieta deles é a Lei, e a escritura nos diz que a lei nos condena. Então, sabe aquela sorridente declaração de fé “ame a Deus e ame as pessoas”? Sim, você acabou de condenar os jovens com isso. Legal, né? Ou eles pensam que são “pessoas boas”, já que não “fazem” nenhuma das coisas que a sua denominação ensina que não pode fazer (beber, fumar, dançar, assistir filmes adultos), ou eles percebem que eles não atingem as próprias palavras de Jesus sobre o que é necessário. Não há descanso nessa lei, apenas um trabalho árduo que eles sabem que não estão aptos a cumprir. Então, de qualquer forma, eles abandonam a igreja porque…

1. Eles não precisam dela

Nossos jovens são espertos. Eles entenderam a mensagem que nós ensinamos, inconscientemente. Se a igreja é simplesmente um lugar para aprender ensinamentos de vida que os leva para uma vida melhor em comunidade… você não precisa de um Jesus crucificado para isso. Por que eles deveriam acordar cedo no domingo para ver uma imitação barata do entretenimento que eles viram na noite anterior? O pastor de meia idade tentando desesperadamente ser “relevante” para eles, seria engraçado se não fosse trágico. Como nós descartamos o evangelho, nossos estudantes nunca são atingidos pelo impacto da lei, dos seus pecados diante de Deus, e da sua necessidade desesperada da obra expiatória de Cristo. Certamente, ISSO é relevante, ISSO é autentico, e ISSO é algo que o mundo não pode oferecer.

Nós trocamos um evangelho histórico, objetivo e fiel baseado na graça de Deus dada a nós por um evangelho moderno, subjetivo e pragmático baseado em atingir nossos objetivos ao seguir estratégias de vida. Ao invés de sermos fiéis à tola simplicidade do evangelho da cruz, temos estabelecido como objetivos o “sucesso” de uma multidão crescente alcançada com esse evangelho de glória. Esse novo evangelho não salva ninguém. Nossos jovens podem marcar todos os itens de uma lista de autoajuda ou simplesmente um espiritualismo auto concebido… e eles podem fazer isso com mais sucesso pragmaticamente e em uma comunidade mais relevante. Eles saem porque, lhes dada a escolha, com a mensagem que ensinamos a eles, é a escolha mais inteligente.

Nossos jovens saem porque nós não conseguimos entregar-lhes a fé “que uma vez por todas foi entregue” à igreja. Eu gostaria que não fosse óbvio assim, mas quando eu apresento a lei e o evangelho para esses jovens, a resposta é a mesma de sempre: “eu nunca ouvi sobre isso”. Eu não sou contra entreter os jovens, nem mesmo painéis eletrônicos ou festas com pizza (apesar de que provavelmente eu seja contra caras de meia idade vestindo uma calça justa para ser “relevante”). É apenas que aquela coisa, a PRINCIPAL coisa que nos foi incumbida? Nós estamos falhando. Nós falhamos com Deus e falhamos com nossos jovens. Não deixe outro jovem sair pela porta sem ser confrontado com todo o peso da lei, e com toda a liberdade do evangelho.
 

 
| Autor: Marc Yoder | | Tradutor: Marianna Brandão | | Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

PRISÕES DO DIABO E CHAVES DE DEUS

As Sete Prisões do Diabo e as Três Chaves de Deus



Texto: Salmos 142.7 - João 9.12

Introdução

Há momentos em nossas vidas que as adversidades e a tribulação são maiores que as nossas forças. Este Salmo foi escrito quando Davi se escondia de Saul nas cavernas de Adulão. Essas cavernas eram consideradas por Davi como verdadeiras prisões, devidos os dez anos que ele passou confinado dentro delas. Quantas vezes, Davi deve ter pensado, que a sua esperança já estava no limite? Quantas vezes Davi não sentiu medo, solidão, desespero, ou quem sabe desanimado? Às vezes, entramos em uma profunda depressão da qual é praticamente impossível sairmos sozinhos.

Nestes momentos, podemos recorrer ao Senhor como Davi fez. Ele expressou os seus mais íntimos sentimentos para Deus quando estava se sentindo atormentado. É nessas horas que precisamos da providencia de Deus, para que Ele faça o que não conseguimos fazer: nos livrar das aflições, colocando sobre nós uma coluna de nuvem de dia e uma coluna de fogo de noite. Como então, não clamarmos por esse extraordinário socorro pedindo para Deus nos ajudar?.

Amados, alguma vez você já se sentiu sozinho, achando que ninguém está se importando com o que está acontecendo em sua volta?. Pois é, este salmo quando foi escrito, o salmista por certo, deveria estar se sentindo assim. Cheio de amargura, fraqueza, solidão, exausto, ou quem sabe, envolto numa situação desesperadora, sentindo suas forças quase no fim!. Todavia, podemos perceber que a esperança de Davi permanecia no Senhor como seu refúgio, e sua única saída!. O crente em sofrimento, não deve ficar em silêncio, mas clamar a Deus, pois Ele tem a promessa para nos consolar e socorrer em tempos de necessidade!.

As pessoas em desespero contam seus dramas, expõe os seus problemas, mas não pensam e não priorizam a oração em sua vida!. Compram livros de auto- ajuda, fazem terapias, participam de campanhas, mas não lêem a bíblia e só vão à igreja quando se sentem angustiado!. Nos cultos, pulam, dançam, sapateiam, falam línguas, mas quando chegam em casa tudo volta ao que era antes!. Os seu olhos espirituais já não acreditam que existe cura para as suas feridas, libertação ou solução para os seus problemas. Afinal, a Bíblia fala ou não de um Deus que ouve e atende o clamor da súplica dos aflitos (Sl.116.1)?.

Amados, é comum encontrarmos nas igrejas pessoas azedas, explosivas, grossas, malcriadas, que usam o direito de se irar para ofender, encolerizar, agredir e abusar dos outros. A maioria não só fica nervosa, mas extrapola, passa o limite, perde o equilíbrio e o bom senso. Parte delas, até parecem um balão de festa infantil. Nem precisam de muita provocação para explodir, basta uma pequena alfinetada para que isso aconteça!.

A palavra de Deus nos revela Sete Prisões que o inimigo intentará para derrotar o crente. Em contrapartida, a Bíblia também diz que há Três Remédios de Deus para curar e nos libertar dessas prisões. Vamos avivar o nosso espírito de sabedoria, abrir nossos olhos espirituais, para que nosso coração seja iluminado e com isso, possamos sair fortalecidos, encorajados, animados e curados como verdadeiros vencedores de Cristo!.

A PRIMEIRA PRISÃO - A AMARGURA Hb.12.15

A amargura é um sentimento que demonstra a falta de um espírito de reconciliação e ressentimentos intensos, e que podem ser verificada pelas nossas atitudes. A pessoa amargurada na igreja, não pode entrar na presença de Deus nem em oração!. E para sabermos se estamos amargurados ou não, é só observarmos as nossas diversas posturas. E quais são? É só verificamos se estamos maquinando maneiras de nos vingarmos na primeira oportunidade, se há recordação dos mais íntimos detalhes de um eventual dano que nos fizeram há muito tempo; se nos ofendemos por pouca coisa, ou se queremos justificar o nosso erro dizendo todo tempo : “EU SEMPRE TENHO RAZÃO”.

O sinal mais forte de quem está amargurado, é quando lemos a Bíblia, e consciente ou “quase inconsciente”, só gostamos de aplicar a Palavra para as outras pessoas, e nunca para nós!. O amargurado nunca se considera que está errado!!.

A SEGUNDA PRISÃO - A INVEJA Pv.24.1

A inveja é considerada como um gigante que aflige a alma de maneira tão terrível que pode levar o homem à prática de ações danosas tanto no corpo como na alma. A inveja é um misto de ódio, desgosto, pesar e ciúmes pelo bem e felicidade de outrem. O invejoso sente um violento desejo de possuir o bem alheio.

Em I Tm. 6.4 - O apóstolo Paulo aconselhou Timóteo a ficar longe daqueles que queriam ganhar dinheiro com a pregação e daqueles que transformavam o ensino do evangelho em disputas que causavam contendas na igreja. Eles inventavam novidades que não os levariam a uma vida santa e piedosa. Paulo então alerta Timóteo que as pessoas soberbas, são cheias de presunção e “deliram acerca de questões e contendas de palavras”, provocando invejas, maldades, e questionamentos levianos.

A TERCEIRA PRISÃO – O CIÚME I Co.3.3-4

É necessário distinguir os diferentes tipos de ciúme e sua natureza, de acordo com quem o sente. Esse inimigo da alma atormenta as pessoas fazendo-as viver em temores, iras, inseguranças e complexos. O ciúme pode até ter um sentido positivo quando podemos defini-lo como “o cuidado vigilante e afetuoso em uma relação de compromisso e fidelidade mútua”. É somente nesses casos!!.O ciúme tem um lado negativo muito forte. Provoca um sentimento de inferioridade, deixando a pessoa se sentindo abandonada ou trocada por outra. Sentem-se inseguras em relação às pessoas, considerando-se inferior.

Não esquece as feridas de outrora e das más experiências vividas no passado. Cria nas pessoas um sentimento de desconfiança e temor. O ciúme causa a falta de perdão, e quando não perdoamos a quem nos engana, temos sempre a tendência de pensar o pior sobre esta pessoa!. Na igreja primitiva, o ciúme causou alguns transtornos. Paulo impactava o povo com suas pregações, mas acabou despertando ciúmes nos religiosos (At.5.17; 13-45; 17.5). Não podemos deixar brotar em nosso coração esse tipo de sentimento perverso!.

A QUARTA PRISÃO – A INCREDULIDADE Hb. 11-6

A incredulidade é um pecado que nos priva de bênçãos e fere o coração de Deus. Ser incrédulo equivale a desconfiarmos do próprio Deus. De que o incrédulo desconfia? Da vontade de Deus não acreditando que a vontade de Deus seja perfeita e agradável. Desconfia da proteção e sustento de Deus, da disciplina do Senhor achando que não é útil para ele. Desconfia do amor de Deus, pois sabemos que quando cremos em Seu amor por nós, se dissipam as dúvidas e os temores (I Jo.4.16-19).

O incrédulo por ser desconfiado, destrói facilmente as relações pessoais. Vê nas outras pessoas, verdadeiros inimigos potenciais. E quase todas as suas ações são acompanhadas de denúncias e acusações. A desconfiança é diferente da prudência. Em Hb. 3.19 diz assim – “E não puderam entrar por causa da incredulidade”. Veja o contraste em Hb. 4.3 – “Nós porém, que cremos entramos no descanso”.

Se olharmos e analisarmos as dificuldades dessa vida com nossos próprios olhos, mediante nossas forças ou sem confiarmos no Senhor, sempre virão os temores e as ansiedades. A incredulidade é ofensa para Deus e nos faz perder as bênçãos que Ele tem para nós. Então, se tivermos fé, teremos também a paz e o descanso!.

A QUINTA PRISÃO – A AVAREZA Mt.6.24-33

Podemos defini-la como o desejo desmedido de acumular riquezas; é um desejo intenso de ter mais, uma fome excessiva de possuir que nunca satisfaz. Não é necessário que alguém seja rico para ser avarento; há pessoas que tem pouco, porém seu coração está cheio de avareza, desejo e cobiça. O desejo de Deus é que sejamos prósperos em todas as coisas. Em III Jo.1.2 nos mostra que o Senhor deseja abençoar-nos para que vivamos tranqüilos, porém o que Ele decididamente não quer é que nosso coração esteja posto nas riquezas e nos desejos deste mundo.

O avarento é seduzido e enganado pelas riquezas deste mundo, sem perceber o quão passageiro é o desfrute dessas coisas. Igual ao jovem rico (Mc.1.17-31). Ele não estava disposto a renunciar a tudo para seguir Jesus. O avarento não tem a real consciência do tempo desta vida, e da inutilidade de acumular riquezas neste mundo. O Senhor Jesus ilustra esta verdade com uma parábola que se encontra em Lc.12.13-21 e Mt. 6.19-20.

A SEXTA PRISÃO – O AMOR AO PODER Jo. 13.1-15

Uma das maiores propostas do mundo é nos fazer viver conforme a sua vanglória: a vaidade da vida!. Os que não conhecem a Deus, se consideram pessoas “importantes” só porque exerce algum tipo poder, e com isso gostam de se sentirem honradas, famosas, dignas, respeitadas e reconhecidas. Porem, aqueles que pertencem ao reino de Deus, devem ser diferentes. Este texto nos mostra um ensino não muito confortável para os líderes que consideram difícil servir as pessoas que tem posições inferiores às deles.

O homem sem Cristo ama exercer autoridade sobre seus semelhantes (Mt.20.25-26). O homem natural gosta de dominar seu próximo e se dispor dele; isso alimenta seu orgulho e o faz sentir-se poderoso. Os que amam o poder e a glória, como era o caso dos escribas e fariseus, gostam de desfrutar de honras, méritos, homenagens e reconhecimentos. E você, como trata aqueles que trabalham ou vivem sob seu comando?

Amados, o servo de Deus pode até ser desprezado neste mundo, porém no caminho de Deus, é ele que vai ser exaltado!. Deus não quer que sejamos chefes ou capatazes. Deus exalta o servo desprezado, o que não olha para as coisas deste mundo: como o poder, o status, os privilégios do dinheiro, a celebridade, a riqueza e o brilho da fama. Deus exalta aquele que renuncia todas as glória vãs para ser servo de seus irmãos.

A SÉTIMA PRISÃO – O PECADO Sl.32.3-4

Pecar é praticar todos os tipos de atos, palavras ou pensamentos que transgridam as leis de Deus. É tudo aquilo que fazemos ou deixamos de fazer, pensamos ou falamos, e que não estão em perfeita harmonia com o andar de Jesus. O pecado tem uma natureza destrutiva, pois além de dominar o ser humano, acaba nos afastando daquele que é a Fonte da Vida e da Bênção. O pecado tanto é um ato como também é uma condição. É um ato quando praticado por alguém (Ez.18.20ª); é uma condição quando se trata de o homem ser descendente de Adão (Rm.5.12). O pecado submete o ser humano a situações tão humilhantes, que chega a levar a pessoa a se tornar um escravo do mal!. A pessoa é enganada de tal forma, que acaba gostando daquilo que pratica. Mesmo reconhecendo o seu erro, não possui forças para se libertar (Rm.6.16).

Irmãos, Deus não condena ninguém, mas sabemos que o pecado traz para o homem a condenação (Jo.12.48). É comum hoje em dia as pessoas se desculparem de suas faltas dizendo: “ninguém é perfeito”. Infelizmente, são poucas as pessoas que percebem a gravidade da situação que se encontram. Deus revelou à humanidade a forma pela qual devemos viver, mas são bem poucos os que lhe obedecem!.

Para aqueles que permanecem em Cristo até o fim, não haverá condenação, diz a bíblia (Rm.8.1). Você quer se livrar do pecado? Então ouça isto: Deus quer que o homem se arrependa – isto é, que sinta tristeza pelo pecado cometido (At.2.38). Que confesse o pecado - Isto é, admitir o seu erro, a sua culpa, contando para Deus as faltas cometidas e pedir perdão (Rm.10.9-10). Que deixe o pecado – isto é, não continuar na prática do erro (Sl.32.1 – Pv. 28.13).

AS TRÊS CHAVES DE DEUS

– “Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes” (Mt.9.12).

Jesus está interessado em salvar todos os pecadores, os que ferem e os que se encontram feridos por outros. Jesus conhecendo a seriedade de nosso estado, veio para destronar as ações do diabo, compartilhando as Boas Novas com os pobres, os imorais, os solitários, os excluídos, os ricos, os populares, os poderosos, os doentes os depressivos, e todos aqueles que estão com a alma aprisionada pelas coisas desse mundo.. Diante disso, Jesus oferece especialmente para nós, as Três Chaves para a nossa cura e a nossa libertação das garras do diabo. Vejamos então:

A PRIMEIRA CHAVE – O PODER DA PALAVRA DE DEUS - Sl.107.20

Amados, o maior poder que há no mundo não é o poder das bombas e mísseis, não é o poder dos militares, não é o poder dos aviões supersônicos, não é o poder dos gigantescos tanques de guerra, nem mesmo o poder dos enormes navios porta-aviões, nem ainda o poder dos políticos, ou qualquer outra potência mundial!. O maior poder que há no mundo é o poder da palavra de Deus, o único e verdadeiro Deus, e depois D’ELE não existe outro!. A Palavra de Deus tem poder e autoridade para mudar, transformar, salvar, restaurar e curar as pessoas que crêem nela como sua única regra de fé.

A Palavra de Deus é fogo que queima, purifica, é martelo que quebra o pecado e o orgulho humano. É espada que corta, arranca toda culpa e ressentimento do coração do homem. A Palavra de Deus penetra como uma poderosa sonda no mais íntimo do nosso ser, para introduzir o remédio da cura da alma, o perdão dos pecados e juntamente trazer o alimento espiritual para crescer, amadurecer e moldar o caráter cristão na vida daqueles que receberam a Cristo. Assim como a sonda médica extrai líquidos retidos no organismo do enfermo, assim é a Palavra de Deus extrai qualquer pensamento, palavras ou ações que não estão em sintonia com Deus e sua Palavra, levando-nos a uma relação pessoal e mais íntima com o nosso Criador.

A SEGUNDA CHAVE – O SANGUE DE JESUS – Ap.12.1

O derradeiro golpe atingiu Satanás quando Jesus derramou o seu sangue pelos nossos pecados. A vitória foi conquistada através de sacrifícios – a morte de Cristo em nosso lugar. A Terra recebeu o sangue de vários homens santo, porém nada aconteceu. Mas quando Jesus derramou o seu precioso sangue, ou seja, a sua própria vida, Cristo abriu para nós uma fonte de autoridade capaz de pagar, quitar os nossos problemas espirituais, mesmo os mais críticos e cruéis. Foi o amor que levou Cristo a morrer por nós, e esse amor é o mesmo que enviou o Espírito Santo para viver em nós e nos guiar todos os dias. Isso significa que a sua obra é contínua para a nossa santificação e purificação dos nossos pecados.
 
Quando entregamos e nos comprometemos nossa vida a Cristo, pode ter certeza que terá uma reserva de poder para usar todos os dias quando tiver de enfrentar desafios, lutas, perigos, dificuldades e provações. Podemos enfentar o diabo sem temê-lo ou fugir dele, mas servir lealmente a Cristo que é o único que poderá nos trazer a vitória (Rm.8.34-39).

A TERCEIRA CHAVE – A PRESENÇA DO ESPÍRITO SANTO

Amados, podemos ver nitidamente a distinção entre os dois estilos de vida dos que seguem a Jesus: os que tem a presença do Espírito Santo, e os que não têm a presença do Espírito Santo. Os que não tem, são os crentes medrosos, receosos, acanhados, fracos e temerosos. Ao contrário dos que tem a presença do Espírito Santo, são os crentes que frutificam, são os ousados, os destemidos, os corajosos e os atrevidos.

Como vasos de Deus, não podemos permanecer vazios, inúteis e fracos. Precisamos estar cheios do Espírito Santo para cumprirmos o ideal do Senhor que é nos levar a amar e a glorificarmos a Deus mais do que antes, e a termos uma maior e intensa comunhão com Cristo. A presença do Espírito Santo nos ajuda a abandonar o pecado, e a não seguir a vontade da carne. Dá a direção certa, aumenta o nosso repúdio às diversões pecaminosas e prazeres ímpios. Refreia nossos desejos pelas buscas egoístas e honrarias terrenas, além de nos livrar de todo o engano do diabo!.

Conclusão

Amados, essa mensagem nasceu para aquelas pessoas que precisam de esperanças, de uma fonte de força e de coragem. São irmãos que se sentem prisioneiros, com a alma doente, aflita, minguada, encarcerada, e por alguma razão não sabem como sair dessa prisão. São para as pessoas que estão com suas almas encarceradas, e com as suas vidas dominado pelas ações do diabo. Infelizmente, são pessoas que estão com suas vidas arrasadas, com a família despencando ladeira abaixo, derrota em cima de derrota, e se tornando verdeira palmatória do diabo!.

Amados, o diabo está desesperadamente tentando recrutar o maior número possível de forças inimigas para aumentar seu exército. Fuja, escape, afaste-se, evite todas essas armadilhas e os laços que ele tem preparando para o povo de Deus. Fica o alerta!.

Que a sua vida seja cada vez mais enriquecida das bênçãos do Senhor.
Em Nome de Jesus Cristo!.
 

 
| Autor: Joaquim de Souza Guimas | Divulgação: estudosgospel.Com.BR |

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Morre, aos 89 anos, o Missionário T. L. Osborn


Evangelista escreveu o livro “Curai enfermos e expulsai demônios”, considerado por R. R. Soares como um marco em sua vida ministerial




Morreu, na última quinta-feira (14), aos 89 anos, o evangelista norte-americano Thomas Lee Osborn.
 
T. L. Osborn, como era conhecido, também foi missionário, maestro, pianista, autor, editor, linguista, desenhista e administrador, e “não sentia dores nem estava doente”, conforme nota publicada por sua filha, Dra. LaDonna Osborn, que também anunciou a morte do pai no Twitter, em seu perfil oficial @DrLaDonnaOsborn.
 
O ministério de T. L. Osborn foi marcado pela ênfase dada à cura e libertação.
 
Autor de dezenas de livros, como “Os fundamentos da cura divina” e “Salvação e cura em nome de Jesus”, escreveu também “Curai enfermos e expulsai demônios”, citado pelo Missionário R. R. Soares como aquele que o ensinou a doutrina da determinação.


T. L. Osborn no Programa Show da Fé
 
 
Biografia
 
Thomas Lee Osborn nasceu em 23 de dezembro de 1923 em Pocasset, Oklahoma (EUA). Depois de entregar sua vida a Jesus, aos 12 anos, dedicou-se a ajudar pessoas a encontrar a salvação em Cristo. Conheceu sua esposa, Dr. Daisy Osborn, aos 17 anos. Casou-se aos 19.
 
T. L. Osborn é conhecido por seu ministério de cura e libertação em massa, iniciado em 1949. É considerando o primeiro evangelista a visitar nações não cristãs para proclamar Cristo. Em mais de 60 anos de ministério, ele e sua esposa pregaram a milhões de pessoas em mais de 90 países.
 
Chegaram a reunir multidões com até 300 mil presentes, que testemunharam o poder de Deus através de milagres de cura e libertação.
 
T. L. Osborn também escreveu o livro “Curai enfermos e expulsai demônios”, um bestseller desde seu lançamento, em 1951, que teve mais de um milhão de cópias impressas apenas em Inglês e foi traduzido para dezenas de línguas. Outras obras do autor, como “O melhor da vida” e “Você é o melhor de Deus” trazem mensagens de paz e se tornaram leitura básica em Escolas Bíblicas e material de referência para pastores e líderes.
 
Vídeos de T. L Osborn (The Osborn DocuMiracle, em inglês) foram traduzidos para mais de 70 línguas e é exibido em milhares de vilas e cidades em 115 países.
 


Íntegra da nota publicada por Dra. LaDonna Osborn

Meu amado pai, Dr. T. L. Osborn, conhecido ao redor do mundo como “O Pai do Evangelho”, foi para seu descanso eterno na quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013.
 
Ele não sentia dores nem estava doente.
 
O Senhor apenas levou seu fôlego.
 
Meu pai estava envolto em amor, e sua família estava ao seu lado enquanto ele atravessava o véu para a eternidade.
 
Agora, ele está na presença de Jesus, a Quem serviu fielmente por 77 anos.
 
Nós só podemos imaginar uma alegre reunião entre ele, sua amada Daisy, três de seus filhos, uma neta e tantos outros cristãos que estão com o Redentor devido ao trabalho de meu pai durante mais de 65 anos, em cada canto da Terra.
 
Ele estava em seu 90º ano de vida, tendo celebrado o 89º aniversário em 23 de dezembro de 2012.
 
A jornada terrestre do Dr. T. L. Osborn acabou; sua missão está cumprida. Ele escutou as palavras de seu Mestre: “Bem está, servo bom e fiel. (…) entra no gozo do teu senhor” (Mateus 25.21).
 
Alegre-se comigo e minha família e participe conosco – se possível – do grande Memorial Internacional de Celebração que acontecerá na quarta-feira, 06 de março, às 14h.
 
Qualquer informação adicional pode ser encontrada em www.osgorn.org
 
 
Texto e tradução: Maria Luisa Rocha

FONTE: ONGRACE.COM

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Uma Vírgula pode mudar todo o sentido!

Publicado na campanha dos 100 anos do ABI (Associação Brasileira de Imprensa).

Vírgula pode ser uma pausa... Ou não.
Não, espere.
Não espere.

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.

Não, queremos saber.

A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!

SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.
* Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...
* Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM.

Uma vírgula muda tudo.
ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.
ABI (Associação Brasileira de Imprensa)

CUIDADO COM AS SUAS ATITUDES

"O que escarnece do pobre insulta ao que o criou; o que se alegra da calamidade não ficará impune." Provérbios 17.5
 
 
Uma vez, ao comentar com certo pregador sobre uma igreja onde eu havia recebido a cura da minha visão, ele escarneceu dela, dizendo: “Ah! Aquela cocheira de animais”. Ele se referiu desse modo porque aquele templo era de madeira, feita por pessoas não profissionais, e, por isso, não tinha aparência bonita. Fiquei muito triste com tal comentário; então, por educação, apenas disse em meu coração: “Pois é, parece uma cocheira, mas foi lá que fui curado”.
 
Na época, eu era membro da igreja desse pregador – cujo templo era bonito e moderno –, e ele era médico. Eu estava com 22 anos, trabalhava vendendo roupas de porta em porta. No momento em que ouvi aquelas palavras, veio ao meu coração o desejo de mostrar-lhe que eu não havia gostado do que ouvi, mas a prudência me ajudou a evitar ser áspero com o anjo da igreja. Na noite da minha cura, eu voltara de um culto na nossa congregação, quando resolvi entrar naquela “cocheira”.
 
O Senhor proíbe que escarneçamos dos humildes, principalmente dos que são chamados para fazer a vontade dEle. A palavra pobre, nesse versículo, diz respeito ao necessitado, que pode ser alguém com falta de bens materiais ou da Palavra de Deus. Ora, quem não tem a luz dos Céus é cheio de problemas, toma atitudes indevidas muitas vezes e, por estar no caminho do mal, não tem noção do certo e do errado.
 
Os problemáticos precisam de misericórdia, que gastemos o nosso precioso tempo em oração para que possam ser libertos do império das trevas. Se deixarmos o diabo nos usar para envergonhá-los, estaremos insultando o Criador. Por que esse prazer mórbido de escarnecer de alguém? Ora, qualquer pessoa que não tem a graça divina pode ser usada pelo inimigo do modo mais sujo, mas os que insultarem o Senhor não ficarão sem castigo!
 
Outra atitude perigosa é alegrar-se com a calamidade de alguém, mesmo que ele seja uma pessoa que detesta você e o prejudica. A calamidade é uma obra de Satanás para envergonhar, machucar e matar alguém. O Senhor deseja que todos venham ao pleno conhecimento da Verdade para que possam ser salvos. Por isso, sempre ajude quem estiver em dificuldade, pois, desse modo, você estará dando condições a essa pessoa de não ser tragada pelo adversário.
 
Você agradará ao Senhor ao aproveitar as oportunidades para anunciar as Boas-Novas. Nessas horas, todos dão ouvidos à Verdade. Ao ajudar os necessitados, você será lembrado diante do Pai como um filho obediente, pois Ele nos ordenou que sejamos misericordiosos com quem sofre alguma calamidade (Mt 5.7; 1 Pe 3.8). Assim, o coração do Senhor se alegrará com a sua obediência.
 
 
Em Cristo, com amor,
 
R. R. Soares

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Pequenos Sinais de um Grande Reavivamento

2 Crônicas 7:14

Introdução: Um grande avivamento não necessita de grandes sinais, um avivamento pessoal pode ser o inicio de um grande avivamento comunitário. Pequenos sinais individuais como: o choro durante o louvor ou durante o sermão; a reverência na casa de Deus; a vontade de ser o primeiro a chegar e o ultimo à sair da Casa de Deus, não pelos outros mas sim pela vontade de estar na casa do Senhor e muitos outros, é um sinal mais evidente da manifestação do avivamento pelo Espirito Santo como: falar em línguas, profetizar, revelar etc. Convido à fazermos um auto exame para sabermos se temos ou não sinais de avivamento em nossa vidas. I Co 11:28, Leia II Co 13:5.

I – REVERENCIA NA CASA DE DEUS

Ao nos apresentarmos a um Juiz, temos a obrigação de estar com vestes formais e em hipótese alguma deixar o celular tocar nem no vibra-call, imagine atender o celular durante uma audiência. Em uma entrevista para emprego é a mesma coisa, também devemos seguir um código de ética, que dependo do caso, podemos perder o emprego por motivos banais, pequenos. Esta regra também se aplica quando estamos diante do Santíssimo, na Casa do Criador dos Céus e da Terra e de tudo que neles há - Isaías 6:3-5, Apocalipse 5, nós nunca, nunca devemos ser relapsos, se entrarmos na casa de Deus de qualquer maneira, estaremos assim mostrando nossa insensibilidade ao Espirito Santo, pois ficaremos brincando no celular, tablet, notebook durante o “culto” e após o culto dizemos que a Igreja estava fria, ora, é óbvio que estava frio, pois não houve culto à Deus. Eclesiastes 5:1, Cultuamos a forma que as pessoas louvam ou pregam, a maneira que se vestem e como fazem a obra de Deus, mas esquecemos de cultuar o dono da obra. Conversas paralelas, negócios profissionais são sinônimos de falta de zelo e de avivamento. O culto à Deus exige ordem e decência I Co 14:40. “Quando você for ao santuário de Deus seja reverente” Eclesiastes 5.1.

II – A CHAMA DO ESPIRITO SANTO

Alguns acham que os dons espirituais, entusiasmo, santidade, orações em alto som, preletores com boa performance, culto de libertação, reunião de oração, ou uma série de estudos sobre avivamento seria a chave correta para uma Igreja ser avivada, porém o avivamento provem unicamente de Deus para nossas vidas e não há como agendar isto por nós, podemos buscá-lo como verdadeiros adoradores João 4:23. Se deixarmos a chama do primeiro amor se esfriar é porque provavelmente deixamos de olhar para o alto, Apocalipse 2:4, para o Noivo, e passamos a olhar para o homem, então a decepção toma conta do coração, neste momento é hora de clamarmos por Ele, Mc 12:30, João 11:41. Devemos lembrar de onde Deus nos tirou e tudo que Ele nos deu, saibamos que se as vezes somos frustrados pelos nicolaítas... Nosso Pai Celeste deseja que nosso coração seja limpo e arrependido. Um coração quebrantado e contrito Deus jamais desprezará, Salmos 51:17, “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra” 2 Crônicas 7:14, Se arrependermos do rancor, da mágoa e perdoarmos nosso próximo e a nós mesmos, com certeza iremos experimentar novamente o fogo do Espirito Santo ardendo em nossos corações.

III – OS SINAISSinais de um avivamento ou reavivamento são notórios até no rosto do novo convertido, um brilho diferente parece tomar conta do seu ser, Romanos 1:6. Em Marcos 16:15-18 vemos que o sinal missionário é o primeiro que Jesus destaca e os milagres seguem àqueles que transmitem a mensagem do evangelho as vidas, o que faz do amor pelas almas um outro sinal de avivamento. O amor é o maior sinal na vida do cristão I João 4:8;16. Choro e Alegria são sinais espirituais que humanamente se limitam à nossa compreensão, pois podemos chorar quando estamos alegres e sorrir diante da tribulação, por isto muitos seguram o choro na casa de Deus, estão quase explodindo por dentro do poder de Deus mas com medo de serem mau compreendidos, não deixam o Espirito Santo manifestar. Há quando tempo não choramos com aquele hino cantado ou com aquela mensagem pregada? Podemos sorrir na adversidade porque temo fé e sabemos que somos mais que vencedores. O cristão que murmura corre o risco de perder a benção de Deus, nossa boca fala aquilo que nossa mente está cheia, e nossa mente se abastece daquilo que ouve pela nossa boca, virando assim um circulo vicioso que nos leva a perder nossa salvação e comprometer a salvação de quem nos ouve.

Conclusão: Que sinais temos em nossa vida? Quais são os frutos que estamos produzindo? Sera que não podemos melhorar e apresentarmos o melhor para Deus? Estamos vendo muitos defeitos nos homens ou nossos olhos só veem a Jesus?



| Autor: Pr. William Modesto de Almeida | Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

O Que Significa Quaresma Para O Evangélico?


Pergunta: Qual o Significado, o que Significa Quaresma para os Evangélicos?
O Que Significa Quaresma Para O Evangélico? | Noticia Evangélica Gospel

 

Resposta: Quaresma é o período de jejum e arrependimento tradicionalmente observado pelos católicos e algumas denominações protestantes, em preparação para a páscoa. A duração do jejum da quaresma foi estabelecida no século IV, como de 40 dias. Durante este período, os participantes comem muito pouco, ou simplesmente deixam de comer algum tipo de comida ou deixam de praticar alguma ação habitual. A quarta-feira de cinzas e a quaresma iniciaram como uma forma de os católicos lembrarem-se do arrependimento de seus pecados, de forma parecida com as pessoas no Velho Testamento, que se arrependeram em panos de saco, cinzas e jejum (Ester 4:1-3; Jeremias 6:26; Daniel 9:3; Mateus 11:21).
 
Contudo, através dos séculos, valores muito mais “sacramentais” foram se desenvolvendo. Muitos católicos entendem que, deixar de fazer algo na quaresma é uma maneira de ganhar a bênção de Deus. A Bíblia não ensina que tais atos alcancem qualquer mérito junto a Deus (Isaías 64:6). De fato, o Novo Testamento nos ensina que nossos atos de jejum e arrependimento devem ser praticados de forma que não atraiam atenções sobre nós: “E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente” (Mateus 6:16-18).
 
O jejum é algo bom quando feito sob a ótica bíblica. É bom e agradável a Deus quando abandonamos hábitos e práticas pecaminosas. Não há absolutamente nada errado em guardar um tempo no qual vamos nos concentrar apenas na morte e ressurreição de Jesus. Entretanto, estas “práticas” são coisas que devemos fazer todos os dias do ano, não apenas nos 40 dias entre a quarta-feira de cinzas e a páscoa. Se você se sente movido por Deus para observar a quaresma, seja livre para fazê-lo. Mas certifique-se de que irá se concentrar em seu arrependimento dos pecados e consagração a Deus, não em tentar ganhar de Deus favor ou aumentar o Seu amor por você!
 
 
Fonte: Estudos Gospel | Divulgação: Midia Gospel

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Quanto vale a sua religião?

“Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, e a sua religião é vã. A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo” (Tiago 1;26e27).

É possível que Tiago tivesse em sua mente a maneira religiosa com que os escribas e fariseus viviam, uma vez que o Senhor Jesus muitas vezes Se insurgiu, contra eles, pois eles amavam ser chamados de mestres ou rabis, e quando nas esquinas das praças, punham-se em pé, com as mãos erguidas para o céu, faziam largas orações para serem glorificados pelos homens. Em outras ocasiões visitavam as viúvas, usando os mesmos métodos; porém a sua intenção era de apropriar-se dos bens delas. Quanto valia essa religião? Tiago diz que ela era vã e que Deus a abomina. O mundo nosso está cheio de religiosos desta ou de outra marca. Mas que é religião? Segundo alguém definiu, ela nasceu de uma palavra latina, “religare”, que quer dizer religar o que foi rompido ou desligado. Quando Deus criou o homem, este estava em plena comunhão com Ele. Mas pela desobediência ele foi desligado Dele.
A religião verdadeira é vida do homem com Deus. Diante disto conclui-se que os escribas e fariseus não tinham essa vida, como muitos ainda em nossos dias. A mensagem de João Batista era que, quem tivesse mantimento ou vestimenta, repartisse com os que não tinham (Lc 3; 7 a 20). Então o valor da religião está no fato de proporcionar vida ao homem; comunhão íntima e perfeita com Deus, fugindo cada vez mais da prática do pecado. Será que isto pode ser encontrado na pessoa dos religiosos, especialmente dos que ostentam cara comprida ou ar de piedade? Não devemos confundir religião com seita. A religião verdadeira produz vida naqueles que ouvem as palavras do pregador, levando-o à conversão a Deus. Enquanto que a ceita, nada disto proporciona. Aliás, esta é a função da religião. Quanto cobram certas denominações religiosas dos seus fiéis? Começam pedindo mil reais; depois vão diminuindo até chegar aos dez reais. Isto está dentro das palavras do apóstolo Paulo que diz que “Estão mercadejando a palavra de Deus”. O Senhor Jesus disse certa vez, em João 5;39:
“Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam. E não quereis vir a Mim para terdes a vida eterna”.

A missão do pregador que prega a verdade é levar o homem a Deus, ensinando-lhe a verdade sobre a salvação, que é a mensagem das escrituras sagradas. Você meu querido mensageiro da palavra, como se dirige aos seus ouvintes, está transmitindo-lhes a vida? Aquele que o ouve, chega a experimentar uma nova vida? O seu coração é aquecido com a palavra de Deus? Se você é membro de uma igreja, percebe que está havendo transformações, como por exemplo, o bêbado é transformado, ou abandona o vicio do álcool? O ladrão deixa de roubar ou continua roubando? O adúltero abandona a prática da imoralidade? O mentiroso passa a ser honesto em suas palavras? O jovem fornicário abandona a prostituição? O trapaceiro abandona esse tipo de vida, ou continua nela? O criminoso continua no crime? Se as respostas forem negativas, você vai desculpar a minha franqueza em lhe dizer, que este tipo de religião não é de Deus; por isso lhe digo que ela não vale nada; não vale um centavo. Mas se tudo isto é positivo em sua vida dou-lhe os meus parabéns! A sua religião é boa e verdadeira.
Caso contrário recomendo-lhe o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, pois só Ele pode fazer as mudanças, uma vez que Ele mesmo disse:
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará... Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” ( João 8;32e36).
Quem possui a verdadeira religião, esse está salvo, liberto de todo o pecado. Porém se não está salvo não é liberto, mas é escravo do pecado; uma vez que o apóstolo Paulo diz:
“E se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; e eis que tudo se fez novo” (II Cor 5;17).
Então prezado ouvinte, quanto vale a sua religião? Você estando nela, não tem a certeza da vida eterna? Se morrer nela para onde irá, para o céu ou para o inferno? Se você não sabe, então é melhor abandonar esse tipo de religião, pois em Cristo só existem certezas e não dúvidas. Concluindo, abandone essa religião que na verdade não é a que Cristo ensinou; mas faça isso hoje mesmo; ou melhor, dizendo, agora mesmo, neste instante e passe a sentir o gosto, o prazer de uma vida com Jesus. Que Deus seja louvado por isso, e o abençoe.



Autor: Pr Timofei Diacov
fonte: http://www.estudosgospel.com.br/estudos/diversos/quanto-vale-a-sua-religiao.html