Seguidores

COM JESUS É POSSÍVEL SER FELIZ E VENCER TODO DIA

Quantas vezes nos sentimos sem rumo e pensamos não ter com quem contar. Jesus é o nosso melhor amigo.
Quando conhecemos a Jesus e a Ele nos entregamos descobrimos uma vida completamente nova que está
disponível a todas as pessoas.
Este espaço é um convite para conhecer e praticar o que a Palavra de Deus nos ensina durante todos os dias da nossa vida.

sábado, 28 de julho de 2012

COM TODAS AS BÊNÇÃOS

"Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo."  Efésios 1.3


As bênçãos reveladas nessa passagem bíblica nos são entregues em três oportunidades. A primeira delas ocorre quando somos salvos. Ao aceitarmos Jesus como Salvador, recebemos o poder de sermos feitos filhos de Deus. O nosso espírito – a verdadeira pessoa – é recriado em Cristo, e, então, nesse momento, recebemos o perdão de nossos pecados. A nossa “ficha” é zerada como se nunca tivéssemos feito algo de errado.

Poucos entendem a grandeza da salvação. Quem morrer sem ela jamais será admitido no Reino de Deus. Por ser esse um assunto tão sério, todos os salvos deveriam investir tempo e recursos para falar do amor de Deus. O cristão que não evangelizar – não levar o perdido aos pés do Senhor – sofrerá um prejuízo eterno, pois não terá obedecido ao mandamento do Mestre (Mc 16.15). Não deixe que o mesmo aconteça com você!

Por meio da salvação, passamos a ser membros da família de Deus e nos tornamos irmãos de Jesus – Ele, o Filho unigênito, e nós, filhos adotivos. No mesmo ato, somos constituídos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Rm 8.17). A partir de então, somos membros do Corpo do Senhor, transportados da potestade das trevas para o Reino do Filho do amor de Deus (Cl 1.13).

Alcançaremos bênçãos também após a vinda do Senhor: os que estiverem vivos serão transformados, e os que estiverem mortos ressuscitarão. Naquela hora, todos receberão corpos glorificados – não mais sujeitos à matéria –, como aconteceu com Jesus, que, embora os discípulos estivessem reunidos a portas fechadas, apresentou-Se vivo no meio deles (Jo 20.19-23). Esse novo corpo é indestrutível, pois a morte não mais existirá.

Dentre as bênçãos reservadas a nós no porvir, podemos destacar a perfeição moral e mental, a completa restauração da divina imagem em nossa personalidade e a admissão na presença divina para O conhecermos como dEle somos conhecidos (Gl 4.9). O Senhor resume o que nos dará na eternidade, dizendo que será aquilo que o ouvido nunca ouviu, os olhos jamais viram e a mente do homem nunca imaginou (1 Co 2.9).

De todas as maravilhas que podemos desfrutar agora, que só dependem da nossa fé, estão a cura divina, o perdão dos pecados, a paz e o que mais se fizer necessário para um viver perfeito e bom. No entanto, precisamos ouvir a Palavra de Deus e, cientes de que a vitória é nossa, usar a fé para recebermos essas dádivas. Tudo aquilo que aprender pela Palavra lhe será possível se você crer.

O salvo pode ser batizado no Espírito Santo e ter todos os dons concedidos por Ele operando em sua vida, bem como produzir o fruto do mesmo Espírito (Gl 5.22). Ele pode também viver livre de qualquer condenação, pois é a própria justiça de Deus.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

domingo, 22 de julho de 2012

DEIXE O SENHOR PERSUADIR VOCÊ

"Iludiste-me [persuadiste-me], ó SENHOR, e iludido [persuadido] fiquei; mais forte foste do que eu e prevaleceste; sirvo de escárnio todo o dia; cada um deles zomba de mim."   Jeremias 20.7


O profeta Jeremias relutou em obedecer, pois o recado do Senhor era muito forte e vinha de encontro a tudo aquilo que as pessoas do reino de Judá queriam ouvir. Como servos, não podemos escolher o que dizer nem as pessoas que nos devem ouvir, pois temos a obrigação de satisfazer a vontade dEle. Deus sabia que Seu povo – o qual estava dominado pelo pecado – não Lhe daria ouvidos, mas deu ordem para que Suas palavras fossem declaradas.

O Senhor, então, lutou com Jeremias e o persuadiu a Lhe obedecer. Para o profeta, não foi fácil entregar a mensagem a qual anunciava o cativeiro que se aproximava; porém, como homem fiel e obediente, deixou-se convencer e transmitiu o recado, pagando, por isso, um preço bem alto. E você, tem cumprido as ordens divinas?

O apelo de Deus foi mais forte do que o profeta. Isso é o que deve acontecer conosco! Ora, só enxergamos o que está diante de nós, e aquilo que não vemos é o que faz a diferença. Ora, Deus é onisciente e sempre diz o que é melhor para o homem fazer; por isso, Suas palavras devem sempre ser aceitas. Então, se Ele chamá-lo para o ministério, não pense duas vezes se vale ou não a pena obedecer. Seja sábio, pois, uma vez cumprida a ordem, haverá recompensa.

O profeta se chateou porque servia de escárnio todo o dia. Na verdade, é melhor sofrer deboche do que ser condenado; é preferível ser ridicularizado pelos homens a ser possuído por uma falsa alegria que vem de Satanás. Quem serve a Deus acerta em cheio no melhor e, um dia, depois da volta de Jesus, ficará ao Seu lado por toda a eternidade. Os que souberem ser servos entrarão no gozo eterno (Mt 7.21).

Ore para que os desígnios de Deus prevaleçam sempre sobre a sua vontade. Isso porque, fora da presença divina, você cairá em tentação e, então, será fácil julgar certo o que é errado. Lembre-se de que, somente com a ajuda dos Céus, o homem se livra das arapucas do diabo. Por isso, os que se consertarem e cumprirem os mandamentos descobrirão que essa atitude os ajudou a não se sujeitarem à vontade do inimigo.

Se os ímpios zombam de você, não fique triste nem chateado. Preocupe-se quando os perdidos o aplaudirem. Se isso ocorre, é sinal de que você não está bem espiritualmente, porque a luz jamais tem comunhão com as trevas (2 Co 6.14). Quem tem um grande galardão à sua espera pode esperar perseguições, chacotas e outros sofrimentos (Mt 5.10).

Nem todos aceitaram a Palavra pelo ministério de Jeremias. Logo, não se preocupe se o mesmo ocorrer com você. Se, em algumas situações, os ímpios que, infelizmente, estiverem dentro da casa de Deus se levantarem contra você, continue em obediência ao Senhor e você verá a glória dEle.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

sexta-feira, 20 de julho de 2012

BATALHAR PELA FÉ

"Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da comum salvação, tive por necessidade escrever-vos e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos."  Judas 1.3



O Espírito do Senhor deu a Judas o desejo de escrever aos cristãos, e o que está registrado nesse versículo pode mudar sua vida para sempre. Por isso, é bom ficar atento, pois Deus também lhe pode dar um desejo de interceder, abençoar e fazer algo por alguém. Quando a direção divina vem, além de ser imperiosa, ela deve ser recebida como mandamento. Além disso, o Altíssimo não ordenaria que fizéssemos algo que não fosse de total importância.

Então, ao sentir de Deus a necessidade de realizar alguma coisa, aceite isso como mandamento. Alguém pode estar para partir deste mundo e, se você não ouvir e não atender à direção do Senhor, além de rebelde, poderá ser qualificado como responsável pela perdição daquela vida. Jesus sentiu que era preciso passar por Samaria e, lá, no poço de Jacó, evangelizou uma mulher que já havia tido cinco maridos (Jo 4.7-26).

Judas disse que deveria escrever com toda diligência. Isso quer dizer que ele não poderia falar demais nem de menos. É importante não acrescentarmos nada à Palavra de Deus. Quando alguém procura fazer por si o que o Altíssimo lhe ordenou, ele sempre atrapalha a ação divina. É preciso estar dentro da Palavra e não se desviar dela. Quem adicionar ou subtrair algo da revelação terá sérios prejuízos.

Segundo o apóstolo, a salvação é comum a todos, o que significa que ninguém tem uma salvação melhor ou inferior. O Altíssimo jamais olhará para uma pessoa e dirá que ela receberá uma salvação mais perfeita, nem dirá a outra que esta receberá uma salvação minguada, inferior. Graças a Deus que ela é igual para todos; por isso, não há preferidos nem preteridos.

A advertência é para que você batalhe pela fé. Não esmoreça diante dos seus problemas, pois a fé que lhe foi dada – a qual veio à tona quando você ouviu a Palavra de Deus – tem o poder necessário para operar milagres. A verdade é que o Senhor olhou para sua vida e, vendo as situações adversas pelas quais você passaria, deu-lhe a medida certa de fé para que você se livrasse de suas dificuldades.

Você já possui a fé para vencer suas lutas. No entanto, se foi derrotado em alguma batalha, foi porque você não sabia dessa verdade. Saiba que o que o incomoda agora pode ser e será desfeito, se usar a certeza que Deus lhe deu. A sua fé tem o poder para dar solução a todos os seus problemas atuais e futuros. Então, levante-se e parta para a peleja e não se deixe vencer pelas ameaças do inimigo. O que ele lhe mostra é falso e não merece crédito. No engano, ele é mestre, mas o que o Senhor diz é a pura verdade. Ordene que o mal saia agora em Nome de Jesus.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

quinta-feira, 19 de julho de 2012

FIM DO MUNDO EM 2012 ????

O fim do mundo em 2012

Os planetas, as estrelas, o calendário maia e, é claro, uma superprodução de Hollywood reavivam a ideia aterrorizante do apocalipse e levantam uma questão: por que continuamos a acreditar em profecias finalistas apesar de todas elas terem fracassado redondamente?


André Petry, de Nova York
Divulgação
APOCALIPSE POPULAR
Uma das cenas da catástrofe planetária no filme 2012: a profecia ganhou as ruas


VEJA TAMBÉM
O escritor Patrick Geryl tem 54 anos, escreveu uma dezena de livros, nunca se casou, não tem filhos e atualmente anda muito ocupado preparando-se para o fim do mundo. Na semana passada, esteve em Sierra Nevada, no sul da Espanha, acompanhando uma equipe de televisão do Canadá, numa vistoria às habitações que estão sendo construídas ali. São ocas de cimento capazes de resistir ao cataclismo que, acredita Geryl, destruirá o planeta Terra no dia 21 de dezembro de 2012. "Queremos um lugar a uns 2 000 metros acima do nível do mar", explica. Ele e seu grupo pretendem levar 5 000 pessoas para um local que resistirá aos horrores do apocalipse. Será o último dia do resto da humanidade, acredita Geryl, um dia para o qual ele se prepara desde a adolescência, quando, aos 14 anos, na histórica cidade belga de Antuérpia, começou a se interessar pelo assunto lendo livros de astronomia. Ao voltar da Espanha, Geryl ocupou-se em relacionar os itens que devem ser levados para o bunker antiapocalipse. Na lista coletiva, havia 348, faltando ainda incluir os medicamentos. Na de uso individual, 86.
Fotos Divulgação
DA BÍBLIA PARA O LABORATÓRIO
Uma das cenas de Apocalypto, filme ambientado no mundo dos maias (à esq.),
e o ator Nicolas Cage, em Presságio: depois da II Guerra, a ideia do apocalipse
passou a ter duas fontes – a religião e a ciência

O ano de 2012 tornou-se o centro de gravidade do fim do mundo por uma confluência de achados proféticos. Primeiro, surgiu a tese de que a Terra será destruída com a volta do planeta Nibiru em 2012. Depois, veio à tona que o calendário dos maias, uma das esplêndidas civilizações da América Central pré-colombiana, acaba em 21 dezembro de 2012, sugerindo que se os maias, tão entendidos em astronomia, encerraram as contas dos dias e das noites nessa data é porque depois dela não haverá mais o que contar. Posteriormente, apareceram os eternos intérpretes de Nostradamus e, em seguida, vieram os especialistas em mirabolâncias geológicas e astronômicas com um vasto cardápio de catástrofes: reversão do campo magnético da Terra, mudança no eixo de rotação do planeta, devastadora tempestade solar e derradeiro alinhamento planetário em que a Terra ficará no centro da Via Láctea – tudo em 2012 ou em 21 de dezembro de 2012.
Divulgação
CONFIANÇA NA CATÁSTROFE
Patrick Geryl, autor de três livros sobre
o fim do mundo em 2012: ele não lida
com outra hipótese

Com tantas sugestões, a profecia ganhou as ruas. No dia 13 de novembro, terá lugar a estreia mundial de 2012, uma superprodução de Hollywood que conta a saga dos que tentam desesperadamente sobreviver à catástrofe final. No site da Amazon, há 275 livros sobre 2012. Nos Estados Unidos, já existem lojas vendendo produtos para o apocalipse. Os itens mais comercializados são pastilhas purificadoras de água e potes de magnésio, bons para acender o fogo. É sinal de que os compradores estão preocupados com água e fogo, numa volta ao tempo das cavernas. Na Universidade Cornell, que mantém um site sobre curiosidades do público a respeito de astronomia, disparou o número de perguntas sobre 2012. Há os que se divertem, pois não acreditam na profecia. Entre os que acreditam, os sentimentos vão da tensa preocupação, como é o caso de Patrick Geryl, autor de três livros sobre 2012, todos publicados no Brasil, até o pavor incontrolável. O fim do mundo é uma ideia que nos aterroriza – e, nesse formidável paradoxo que somos nós, também pode ser a ideia que mais nos consola. Por isso é que ela existe.
No inventário dos fracassos humanos, talvez não haja aposta tão malsucedida quanto a de marcar data para o fim do mundo. Falhou 100% das vezes, mas continua a se espalhar, resistindo ao tempo, à razão e à ciência. As tentativas de explicar esse fenômeno são uma viagem fascinante pela alma, pela psique, pelo cérebro humano. Uma das explicações está no fato de que o nosso cérebro é uma máquina programada para extrair sentido do mundo. Assim, somos levados a atribuir ordem e significado às coisas, mesmo onde tudo é casual e fortuito. As constelações no céu, por exemplo, são uma criação mental para organizar o caos estelar. Ao enxergarmos as constelações de Órion ou Andrômeda, encontramos ordem e sentido. O dado complicador é que a vida, no céu e na terra, deve muito mais às contingências do acaso do que ao determinismo. O espermatozoide que fecundou o óvulo que gerou Albert Einstein foi um produto do acaso, resultado de uma disputa entre espermatozoides resolvida por milésimos de segundo. Assim como aconteceu, poderia não ter acontecido.
Recuando no tempo, a própria humanidade, analisada do ponto de vista científico, é fruto do acaso. Por um acidente, um peixe pré-histórico desenvolveu barbatanas que, à imitação de pernas ou patas, lhe permitiram enfrentar a gravidade da Terra e, assim, por acaso, viabilizou o desenvolvimento de vertebrados fora da água. Bilhões de anos depois, cá estamos nós, bípedes, inteligentes, comendo sorvete de morango, descobrindo a estrela mais antiga e nos deliciando com Elizabeth Taylor deslumbrante como Cleópatra. Tudo por acaso. A preponderância do aleatório sobre o determinado pode dar a sensação de desesperança, de que somos impotentes diante de todas as coisas. Talvez nisso residam a beleza e a complexidade da vida, mas o fato é que o cérebro está mais interessado em ordem do que em belezas complexas. Por isso, quando não vê significado nas coisas naturais, ele salta para o sobrenatural. "Nascemos com o cérebro desenhado para encontrar sentido no mundo", diz o psicólogo Bruce Hood, da Universidade de Bristol, na Inglaterra, autor de Supersense: Why We Believe in the Unbelievable (Supersentido: Por que Acreditamos no Inacreditável). "Esse desenho às vezes nos leva a acreditar em coisas que vão além de qualquer explicação natural."
O achado de Hood foi descobrir que as crenças talvez não sejam fruto nem da religião nem da cultura, mas uma expressão de como o cérebro humano trabalha. É o que ele chama de "supersentido". É o supersentido que nos leva a bater na madeira, dar valor afetivo a um objeto ou conversar com Deus. A religião seria uma criação mental através da qual o cérebro atende a sua necessidade por sentido. O apocalipse, nesse caso, é uma saída brilhantemente engenhosa. Explica duas questões que atormentam a humanidade desde sempre: o significado da vida e a inevitabilidade da morte. Somos a única espécie com consciência da própria morte e, no entanto, não sabemos o significado da vida. Afinal, por que estamos aqui? A pergunta, em si, revela nossa busca por sentido, devido à nossa dificuldade de conviver com a possibilidade de que, talvez, não estejamos aqui por alguma razão especial. O apocalipse é uma resposta. Está descrito nos seus mínimos e horripilantes detalhes no Livro do Apocalipse, escrito pelo evangelista João, por volta do ano 90 da era cristã, quando estava preso, perseguido pelo Império Romano.
Fotos Corbis/Latinstock e AKG-Images/Electa/Latinstock
PLANOS DIVINOS
O papa Gregório XIII (abaixo) e o afresco de Michelangelo na Capela Sistina retratando
o Juízo Final: expressões do domínio da Igreja Católica sobre o destino e o ciclo do tempo
O começo do fim do mundo, diz João, será anunciado por sinais tenebrosos: um céu negro, uma lua cor de sangue, estrelas desabando sobre a Terra e uma sucessão de desastres varrendo o planeta na forma de terremotos, inundações, incêndios, epidemias. O Anticristo então dominará a Terra por sete anos, ao fim dos quais Jesus Cristo descerá dos céus com um exército de santos e mártires – e vencerá Satã, a besta. Depois de 1 000 anos acorrentado, Satã conseguirá se libertar e forçará Jesus Cristo a travar uma segunda batalha, a terrível batalha do Armagedom. Derrotado Satã, todos nós, vivos e mortos, nos sentaremos no banco dos réus do tribunal divino. Os bons irão para o paraíso celestial. Os maus arderão no fogo eterno. É uma narrativa tão magicamente escatológica que Thomas Jefferson, o terceiro presidente dos Estados Unidos, a chamou de "delírio de um maníaco". Bernard Shaw, o grande teatrólogo irlandês, disse que era o "inventário das visões de um drogado". Delírio ou visões, o Livro do Apocalipse explica tudo. O professor Ralph Piedmont, do Loyola College, em Maryland, especialista em psicologia da religião, afirma: "O Apocalipse de João explica a morte, ao informar que vamos ressuscitar, e dá sentido à vida, ao dizer que é uma provação".
Subsidiariamente, o apocalipse atende a outra necessidade humana, a de acreditar num mundo regido por uma ordem moral. Os historiadores atribuem o surgimento da visão apocalíptica ao persa Zoroastro, ou Zaratustra, que viveu uns 1 000, talvez 1 500 anos antes de Cristo. Ele foi o primeiro a falar de uma batalha cósmica entre o bem e o mal, mais tarde aproveitada pelos profetas Ezequiel, Daniel e, principalmente, João. "Num mundo em que, com frequência, os bons sofrem e os maus prosperam, a promessa de um julgamento moral é um consolo profundo", diz Michael Barkun, professor de ciência política da Universidade de Syracuse, que estuda a relação entre violência e religião. Eis por que o fim do mundo aterroriza mas também pode nos consolar. Nem sempre o apocalipse vem numa embalagem religiosa. A profecia de 2012 começou com base em eventos astronômicos e calendários antigos. Só depois recebeu a adesão de seitas espiritualistas e cristãs, mas originalmente 2012 é, digamos, um fim do mundo pagão. Se não é um fim com prêmio aos bons e punição aos maus, então por que acreditamos em profecias que nunca dão certo?
A explicação começou a surgir nos anos 50, quando o brilhante psicólogo americano Leon Festinger (1919-1989) resolveu testar uma hipótese revolucionária: a de que, diante de uma profecia fracassada, os fiéis não desistem de sua crença, mas, ao contrário, se aferram ainda mais a ela. Festinger e seus colegas se infiltraram numa seita do fim do mundo e descobriram exatamente o que imaginavam. O grupo era formado por quinze pessoas e liderado por uma dona de casa de Michigan, Marion Keech, que fora informada por extraterrestres de que o mundo acabaria com uma inundação no dia 21 de dezembro – olha a data aí de novo – de 1954. Antes da catástrofe final, Marion e seguidores seriam resgatados pela nave-mãe e levados para um lugar seguro. Na data e hora marcadas, eles se reuniram para esperar o resgate, e não apareceu nave nenhuma. Passou uma hora, e nada. Duas horas, e nada. Eles estavam tensos e preocupados, alguns começando a dar sinais de descrença naquilo tudo, até que, quase cinco horas depois, Marion foi novamente contactada pelos extraterrestres com uma novidade redentora: o grupo ali reunido, com o poder de sua crença, espalhara tanta luz que Deus cancelara a destruição do mundo. Os membros reagiram com entusiasmo. Haviam encontrado um meio de acreditar que a profecia, afinal, estava correta.
O caso foi contado no livro When Prophecy Fails (Quando a Profecia Falha) e se tornou um dos fundamentos do que veio a se chamar teoria da dissonância cognitiva. É a inclinação que temos para reduzir o profundo desconforto provocado por duas informações conflitantes – no caso, a crença de que o mundo vai acabar e a evidência incontornável de que o mundo não acabou. Há exemplos mais rotineiros, como o sujeito que sabe que o cigarro pode matar e, no entanto, fuma dois maços por dia. Tem-se uma "dissonância cognitiva", que precisa ser resolvida: ou o sujeito para de fumar ou racionaliza que o cigarro, no fundo, acalma, emagrece, seja o que for. Meio século depois, a tese de Festinger será ainda válida para explicar a crença inabalável em profecias finalistas? "É, ainda, a melhor explicação psicológica", diz Daniel Gilbert, da Universidade Harvard, autor de um trabalho pioneiro sobre como enxergamos o futuro – com lupa, diz ele, sempre dando a sucessos ou fracassos importância muito maior do que efetivamente terão quando (e se) acontecerem.
As profecias do apocalipse são um desastre como previsão do futuro, mas excelentes como alegorias do presente. A coleção de afrescos e pinturas clássicas que retratam o Juízo Final, como a obra-prima de Michelangelo na Capela Sistina, reflete o temor do tribunal divino e o domínio da Igreja Católica de então. Depois da II Guerra, os filmes de Hollywood, grandes difusores da catástrofe final, passaram a enfocar o fim do mundo como resultado de uma guerra nuclear ou de um monstro deformado pela radioatividade. Estavam narrando as aflições dos americanos com a bomba de Hiroshima e Nagasaki e a chegada da corrida armamentista com a União Soviética. É o momento em que o apocalipse começa a ter duas fontes – a religião e a ciência. Nos anos 60, com as profundas transformações varrendo os EUA, da Guerra do Vietnã à revolução sexual, do advento do computador ao movimento dos direitos civis, dos Beatles a Woodstock, o apocalipse mudou de lugar. "O livro da revelação deixou o gueto cristão e entrou no coração da política americana e da cultura popular", escreve Jonathan Kirsch em A History of the End of the World (Uma História do Fim do Mundo), um ótimo inventário do apocalipse.
Fotos Araldo de Luca/Corbis/Latinstock e Masamoto Kuriya/Corbis/Latinstock
CADA ERA TEM O SEU ANTICRISTO
Escultura de Nero, imperador de Roma, corpos de judeus num campo de concentração nazista e o terrorismo islâmico derrubando as torres de Nova York: a ideia do apocalipse é um desastre como previsão do futuro, mas excelente como alegoria do presente

Desde os anos 50, cada década tem pelo menos uma dúzia de filmes apocalípticos dignos de nota, de Godzilla a Apocalypto, de O Planeta dos Macacos a Matrix, de O Bebê de Rosemary a Presságio. Eles sempre narram algo do seu tempo. Há estudiosos que acreditam que mesmo o Livro do Apocalipse teria sido uma resposta às perseguições que os cristãos sofriam no Império Romano – e a besta, o Anticristo, o Satã seriam Nero, o imperador que tocou fogo em Roma. Como os apocalipses tomam a forma de sua época, o Anticristo se atualiza. Na II Guerra, era Adolf Hitler. Hoje, é Osama bin Laden. Isso é claro nos EUA, cuja condição de potência acaba por difundir suas neuroses e seus achados para o mundo todo. O apocalipse na cultura? Antes, eram os hippies com sua percepção extrassensorial e drogas alucinógenas. Depois, no ano 2000, foi o tecnoapocalipse, na forma do bug do milênio. O apocalipse na política? Antes, era o Exército Vermelho. Agora, é o terrorismo islâmico. Como disse Eric Hoffer (1902-1983), que passou a vida como estivador e filósofo: "Movimentos de massa podem surgir e se espalhar sem a crença num deus, mas nunca sem a crença num diabo".
Nenhuma das hipóteses do fim do mundo em 2012 mencionadas nesta reportagem faz sentido. O planeta Nibiru nem existe. A civilização maia, cujo auge se deu entre 300 e 900 da era cristã, tinha três calendários: o divino, o civil e o de longa contagem, que termina em 2012. "Mas os maias nunca afirmaram que isso era o fim do mundo", diz David Stuart, da Universidade do Texas, considerado um dos maiores especialistas em epigrafia maia. Uma mudança no eixo de rotação da Terra é impossível. "Nunca aconteceu e nunca acontecerá", garante David Morrison, cientista da Nasa, agência espacial americana. Reversão do campo magnético da Terra? Acontece de vez em quando, de 400 000 em 400 000 anos, e não causa nenhum mal à vida na Terra. Tempestade solar? Também acontece e em nada nos afeta. Derradeiro alinhamento planetário em que a Terra ficará no centro da galáxia? Não haverá nenhum alinhamento planetário em 2012, e, bem, quem souber onde fica "o centro" da nossa galáxia ganha uma viagem interplanetária. Mas Patrick Geryl, que se prepara para o fim do mundo, está certo de que tudo termina em 2012. E se não terminar? Geryl pensa, olha para o alto e responde: "Não existe essa hipótese". Ele e seu grupo encontrarão uma boa explicação quando o dia raiar em 22 de dezembro de 2012. Afinal, é preciso se preparar para um novo fim do mundo.
Nota de rodapé

Os dez dias que sumiram

O calendário maia, dizem os apocalípticos, prevê o fim do mundo para o dia 21 de dezembro de 2012. Calendários, no entanto, são excelentes instrumentos para orientar sobre o compromisso da próxima quarta-feira, mas são um embuste para prever o futuro. As diversas civilizações – não só os maias, mas os egípcios, os chineses – criaram os próprios calendários, uns com base no Sol, outros com base na Lua, uns mais longos, outros mais curtos, mas todos sempre foram expressão da inclinação humana de atribuir ordem ao caos. Com o calendário, criamos a sensação de ordenar os dias, os meses e os anos num sistema cronológico racional e matematicamente preciso. Só que a natureza não é assim. Num delicioso livro lançado às vésperas do ano 2000, O Milênio em Questão, no qual se baseia este texto, o grande paleontólogo americano Stephen Jay Gould (1941-2002) escreveu: "A natureza, aparentemente, pode fazer um esplêndido hexágono, mas não um ano com um belo número par de dias ou rotações lunares". E, com o humor que lhe era peculiar, acrescentou: "A natureza se recusa teimosamente a trabalhar com relações numéricas simples justamente naquilo em que sua regularidade seria mais útil para nós".
Ou seja: os ciclos naturais dos dias, meses e anos não são redondos, pares perfeitos. São frações, números quebrados, e aí começa um problemão. Um ano – tempo que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol – não dura 365 dias. Dura 365 dias e algumas horas. Para facilitar a conta, arbitramos que um ano dura 365 dias e seis horas, ou um quarto de dia. Mas, como não podemos ter um quarto de dia, a cada quatro anos temos o ano bissexto, com 366 dias, o que recoloca nosso calendário em sintonia com o ano solar. Porém, a natureza, na sua magistral indiferença para com nossos números inteiros, na realidade não faz um ano de 365 dias e seis horas. São 365 dias e 5 horas, 48 minutos e 45,97 segundos! Isso quer dizer que o acréscimo do 366° dia cobre o descompasso ocorrido em cada quatro anos, mas imprecisamente. Como o tal descompasso não era de exatas 24 horas – era de 23 horas, 15 minutos e 3,88 segundos –, o ajuste feito pelo ano bissexto ainda nos deixa com um pequeno atraso em relação à natureza: um atraso de 44 minutos e 56,12 segundos a cada quatro anos. É pequeno, mas aumenta com o tempo. Em vinte anos, o atraso soma quase quatro horas. É tolerável. Em 100 anos, passa de dezoito horas. Começa a complicar. À medida que vai avançando, passa a embaralhar as estações do ano, a época certa para plantar, para colher, para pescar. Vira um, digamos, apocalipse.
Em 1582, o calendário da época, que vinha desde os tempos do Império Romano, já acumulava um atraso de dez dias em relação ao ano solar. Era demais, inadmissível. O papa Gregório XIII convocou então uma comissão de matemáticos para dar uma solução ao problema. Chegou-se a uma saída formidável. Com seu poder incontrastável sobre o destino da humanidade e do universo, o papa decretou o sumiço dos dez dias. Simples assim. Riscou fora. A humanidade foi dormir em 4 de outubro e acordou em 15 de outubro. O período de 5 a 14 de outubro de 1582 não existiu, jogando algumas dúvidas para as calendas gregas. O que aconteceu com quem fazia aniversário no período suprimido? E quem tinha conta para pagar num dia que sumiu? Pagou juros? Queixou-se ao papa? Resolvida a diferença de dez dias, a comissão achou outras soluções criativas. Para evitar que o descompasso dos anos bissextos voltasse a se alargar a longo prazo, estabeleceu que a cada século múltiplo de 100 – 1800, 1900, 2000, por exemplo – não haveria ano bissexto. Excelente. Mas a retirada do 366° dia seria provisoriamente excelente porque criaria um desequilíbrio lá adiante. Então, inventou-se outra compensação: de quatro em quatro séculos, o ano bissexto volta.
Parece confuso, mas é assim que funciona até hoje: de 100 em 100 anos, cai o ano bissexto; de 400 em 400, reinstala-se o ano bissexto. Com esses avanços e recuos, somas e diminuições, nosso calendário consegue dançar num movimento parecido com o balé irregular dos ciclos naturais. (Não é idêntico porque o calendário gregoriano ainda se distancia do ano solar em 25,96 segundos. É irrisório, leva mais ou menos 2 800 anos para chegar a um dia inteiro, mas perfeito é que não é.) Diante de tantos ajustes, a velha e boa folhinha de parede é um medidor preciso para o compromisso de quarta-feira, mas, com suas imprecisões em relação aos eventos astronômicos, não é exatamente boa para embasar previsões futuras.
Para fugir das confusões do ano solar, há quem prefira as previsões com base no mês lunar – tempo que a Lua leva para dar uma volta completa em torno da Terra. Na verdade, não resolve nada. Apenas se troca de problema. Para facilitar nossos cálculos, arbitramos que a Lua leva 29 dias e meio para dar a volta na Terra. Mas, na realidade, a Lua leva, precisamente, 29,53 dias – de novo, a caprichosa fração da natureza. Assim, se um ano tem doze meses e cada mês corresponde a uma lunação, a conclusão matemática é que um ano tem doze lunações. Era para ser, mas não é. As doze lunações, indiferentes à ordem humana, não levam 365 dias para se realizar, mas somente 354 dias, uma debochada diferença de onze dias em relação ao ano solar...! Por isso, é preciso que... Bem, diga-se apenas que é preciso recorrer à inventividade humana para conciliar o calendário e o universo. Fica claro que qualquer profecia anunciada com base em calendários, solares ou lunares, maias ou gregorianos, é mais ou menos uma brincadeira, pois nossas fórmulas numéricas, tão regulares e ordenadas, não traduzem a exata natureza dos eventos astronômicos, tão caóticos e irregulares. É quase como querer tirar a raiz quadrada do mar.


SALVAÇÃO DE IDÓLATRAS

Missionario, uma pessoa católica praticante, podera ser salva? mesmo nao fazendo o certo sobre a santa ceia, e orando repetidamente, e adorando idolos? Fico meio confuso pq a biblia demonstra alguns tipos de salvaçao...Jesus disse que se crer sera salvo..dps em outras passagens diz certos tipos de pessoas que nao serão salvas...pode me dar uma luz sobre esse assunto?



Não existe esse negócio de tipos de salvação.

Quem não crer, dizem as Escrituras, JÁ está condenado (Jo 3.18).

Crer, como o próprio Senhor Jesus ensinou, significa obedecer à Palavra (Mt 7.21ss; Jo 14.21).

Não há como alguém ser salvo, sendo idólatra (e isso vale não só para imagens, mas também para coisas, como dinheiro, por exemplo - Ef 5.5; Cl 3.5).

Para mais dados sobre idolatria, busque as muitas respostas já dadas nesta coluna sobre o assunto.


FONTE: MISSIONÁRIO R.R. SOARES - RESPONDE

O INIMIGO CAIRÁ DIANTE DE VOCÊ


"Eis que poderão vir a juntar-se, mas não será por mim; quem se ajuntar contra ti, cairá por amor de ti."   Isaías 54.15


Quando você aceitou Jesus, foi religado ao Senhor; por isso, ninguém tem condições de tirá-lo dessa posição. Ora, o cristão está nas mãos de Jesus; logo, a menos que se lance aos pés do inimigo, este jamais poderá tê-lo novamente. Saiba que o Evangelho é o poder de Deus e nele você descobre que tudo o que o Senhor é, tem e pode fazer está à sua disposição.

Os poderes do Inferno poderão juntar-se contra você, mas não conseguirão tocar nem na ponta das suas vestes. Qualquer ajuntamento do reino do mal que investir contra sua vida não terá tido aprovação divina; logo, não se sujeite à tentação, julgando ser ela um meio de o Senhor repreendê-lo. Deus irá exortá-lo pela Sua Palavra, e não por meio do maligno.

Muitas vezes, o diabo tem sido bem-sucedido pelo desconhecimento que algumas pessoas têm da Palavra. No entanto, quem estiver firmado na Rocha nunca se deixará influenciar pelo erro. Tal indivíduo entende que o adversário, ao descobrir que uma pessoa não conhece seus direitos, virá como se fosse um enviado do Altíssimo com a missão de lhe dar uma “repreensão divina”. Diante dessa investida, fique firme no que Deus fala e não dê espaço ao diabo.

Nenhuma confederação maligna será formada pelo Senhor; então, não se abale quando tudo se levantar contra você. Se os filhos de Deus não abrirem as portas para o diabo, nenhuma das armas do mal prosperará. Em hipótese alguma, o Senhor muda (Hb 13.8). Se, em alguma situação, tudo estiver demonstrando que o Altíssimo permitiu que o diabo o tocasse, lembre-se de que o Pai declarou que isso não tem origem nEle.

Nesse versículo de Isaías 54, Deus promete que quem se ajuntar contra sua vida cairá por amor a você. Isso quer dizer que o próprio Deus entrará em ação e fará com que o inimigo e todos os seus espíritos perturbadores sejam destruídos diante dos seus olhos. Então, não há por que temer, se o Pai declara que agirá dessa maneira. Veja agora o que o inimigo tem feito ou ameaçado fazer em sua vida e ponha-o a correr.

Apesar de vivermos após o Calvário, há muitos filhos de Deus que temem as ameaças do mentiroso. Veja o que ele tem dito que lhe faria e, em vez de temer suas investidas, ria dele e veja que ele não aguentará mais ficar perto de você, pois o Senhor, o qual está ao seu lado, fará o inimigo cair. Sua fé opera a justiça divina.

Seja firme e destemido, pois você é discípulo de quem tem todo o poder no Céu e na Terra. O Senhor prometeu não permitir que nem um fio de cabelo seu caia por terra (Lc 21.18). Na verdade, o único que irá cair será o inimigo que se tem levantado contra sua vida. Alegre-se porque agora é a hora de fazer valer seus direitos em Cristo e ver o mal sucumbir diante de você!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

quarta-feira, 18 de julho de 2012

ASSIM VOCÊ FOI ESTABELECIDO

"Com justiça serás confirmada e estarás longe da opressão, porque já não temerás; e também do espanto, porque não chegará a ti."    Isaías 54.14



Deus não Se fez de cego quando estendeu o cetro em seu favor. Ele já havia pagado o preço da sua redenção quando o escolheu. Por isso, o que fez por você tem de ser respeitado. A Bíblia declara que o Altíssimo não o comprou com prata ou ouro nem com qualquer valor monetário, mas com o precioso sangue de Seu Filho (1 Pe 1.18,19). Então, não aceite as mentiras do diabo de que sua salvação não foi feita de modo certo.

Talvez você tenha andado por caminhos maus e, por isso, esteja distante do Senhor. Porém, sua eleição continua firme. Jamais dê ouvidos ao que o inimigo lhe diz, pois tudo o que ele fala não merece crédito. O Todo-Poderoso declara, nesse texto de Isaías, que confirmou sua salvação com justiça – a obra que Jesus fez na cruz do Calvário. Qualquer pessoa que sinta o chamado de Deus para pertencer ao Seu povo deve crer que foi estabelecida com a morte de Cristo.

Quando Deus salva uma pessoa, ela é perdoada de toda transgressão. Entretanto, ela deve agir como Zaqueu, que, ao ter o Mestre em sua casa, resolveu acertar-se com quem ele havia defraudado. Jesus disse que o ato daquele cobrador de impostos demonstrava que a salvação havia-se instalado naquela casa. Quem encobrir sua transgressão não prosperará, e, quase sempre, o transgressor tem de mentir para que seu pecado se mantenha oculto.

Quando alguém é salvo, consegue livrar-se da opressão. Antes, por mais que ele se esforçasse, o poder opressor se fazia presente em sua vida. Pobre de quem não obtém o favor do Senhor, pois os “torturadores”  demônios  não o deixarão em paz. A obra que Deus faz naquele que se arrepende é mais ampla do que ele possa imaginar. Além disso, com a confirmação de que foi aceito pelo Senhor, o poder maligno não mais poderá atingi-lo.

O salvo não deve temer as investidas do inimigo, pois sua vida está livre do poder do diabo. Por isso, ele pode desfrutar da paz e segurança de que usufruem aos filhos de Deus. O cristão que tem medo de enfrentar o demônio ainda não passou pela porta estreita nem pelo caminho apertado (Mt 7.14). Por outro lado, quem está em comunhão com o Senhor é intrépido como o filho do leão.

A salvação nos separa para sempre do poder infernal. Seria uma tragédia se Satanás pudesse invadir a vida dos servos do Altíssimo. O mesmo não acontece com aqueles que não são salvos, pois, por não serem recriados em Cristo, não são envolvidos pelo poder do Senhor, que é um fogo consumidor (Hb 12.29), e, assim, o inimigo consegue tocar neles.

Se o diabo tem conseguido assustá-lo, e você teme o dia de amanhã ou, se, no fundo do coração, tem sido atingido por alguma ameaça dele, reconcilie-se com Deus. Já para os salvos a situação é diferente, pois um abismo os separa do poder do mal.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

terça-feira, 17 de julho de 2012

DISCÍPULOS DO SENHOR

"E todos os teus filhos serão discípulos do SENHOR; e a paz de teus filhos será abundante."  Isaías 54.13

Sua escolha e os dons que Deus lhe concedeu são irrevogáveis. Nem Ele pode cancelá-los, a menos que você se dê ao inimigo. A eleição de uma pessoa pelo Senhor ocorre pelo amor que Ele tem por ela. Porém, os que foram chamados pelo Altíssimo devem vigiar, pois o diabo fará tudo para tirá-los de sua posição em Cristo. No entanto, o maligno só conseguirá isso se encontrar uma brecha para agir. Diante dessa possibilidade, é necessário ser fiel ao Senhor para não se perder.

Todo salvo foi chamado para ser discípulo de Jesus, por isso não despreze um só dos que fazem parte do grupo de Deus. O Pai celestial jamais deixará de atender, proteger e fazer o que for necessário para guardar os Seus filhos. Assim, quem toca em alguém que pertence a Ele, em outras palavras, toca na “menina dos olhos” do nosso Salvador (Sl 17.8); então, é bom ter respeito por quem é salvo.

Infelizmente, alguns servos do Altíssimo deixam-se levar pela rebeldia. O certo, então, é jamais dar atenção ao que o inimigo mostra, pois é mentira. Conforme Jesus declarou, o diabo é mentiroso e pai da mentira (Jo 8.44), e sua missão é matar, roubar e destruir os salvos (Jo 10.10a). O triste é que, mesmo assim, alguns têm certa apreciação por ele. Contudo, saiba que quem dá atenção ao maligno faz a pior coisa de sua vida, pois deixa de participar da bênção de ser discípulo do Mestre.

Não há nada mais gratificante do que fazermos parte do Corpo de Cristo, visto que, uma vez aceitos como membros de Sua Igreja, desfrutamos da paz de modo abundante. Enquanto estivermos em comunhão com os Céus, nada nos poderá atingir. Mesmo vivendo em meio a pessoas fofoqueiras, por exemplo, as quais inventam mentiras a respeito dos outros, ficamos sempre em paz, pois somos ensinados por quem sabe e tem poder sobre todas as coisas.

Os discípulos de Cristo são conhecidos por serem alegres, bem-humorados, sérios no trato e fiéis em todos os sentidos. Quem declara ser de Jesus e vive em depressão, ou sob qualquer outro ataque do diabo, precisa fazer urgentemente um exame para avaliar se, de fato, permanece nEle, pois esse estado caído não pode ser comum aos filhos de Deus. Pelo contrário, o salvo é membro do Corpo que tem Jesus como Cabeça, a parte que decide.

Outro fato importante é que o poder de Deus está sobre os discípulos do Mestre. Quando assumimos nossa posição nEle, os anjos celestiais atuam sob as nossas ordens, como faziam sob as ordens de Jesus. O cristão que conhece seus direitos é íntegro, alguém em quem se pode confiar e jamais se deixa levar pelo inimigo.

Não permita que os seus direitos sejam negados. Por estar na “escola do Senhor Jesus”, o Espírito Santo é seu Professor; portanto, creia no que Deus ensinou nas Escrituras e coloque essas instruções em ação. É importante que sua atitude diante das provações seja firme e positiva. Deus espera que você aja como verdadeiro servo dEle.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

segunda-feira, 16 de julho de 2012

ESFRIAMENTO ESPIRITUAL E CHAMADO MISSIONÁRIO

A paz missionário, eu gostaria de um conselho. Namoro a quase tres anos e no inicio do nosso relacionamento meu namorado estava numa unção transbordante...mas agora ele esta frio ...mas eu continuo a mesma...eu já orei,já conversei com ele e agora faço um jejum...mas tenho medo que ele continue assim (porque a busca por Deus depende d'Ele) e eu me case em jugo desigual...não sei...estou confusa...Além disso, eu tenho um chamado para missoes e ele diz que nao sabe se tem (pois ele é tímido e nunca pregou na vida)...Me ajude, por favor!

O jugo desigual só existe quando um cristão se casa com alguém que não teme ao Senhor, o que não me parece ser o caso.

Agora, isso não significa que você pode se casar assim mesmo, pois a afinidade espiritual é muito importante.

O esfriamento dele é uma coisa que precisa ser enfrentada com a fé e orações, como você vem fazendo.

Quando ele perceber que o relacionamento com você depende da definição dele em relação à vida com Deus, vai reagir e aí você poderá avaliar com propriedade o que ele quer mesmo da vida, isto é, se ele a ama de verdade, se um dia teve mesmo a unção de que você fala, ou se foi apenas um meio de impressioná-la, para tê-la como namorada.

Uma das coisas mais belas da fé é justamente poder-se voltar para o Senhor quando a pessoa dEle se afasta. Essa volta é sempre muito abençoada e nunca é difícil, basta a pessoa querer.

Portanto, interceda, faça sua parte e observe como ele vai reagir, para você tomar suas decisões.

Acima de tudo, mantenha a paz do Senhor como guia no seu coração (Cl 3.15).

FONTE:  MISSIONÁRIO R.R. SOARES - RESPONDE

VERDADEIRO CONSOLO

"Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, posto não serem deuses? Todavia, o meu povo trocou a sua glória pelo que é de nenhum proveito. Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-vos! Ficai verdadeiramente desolados, diz o SENHOR. Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas." Jeremias 2.11-13

Muitas vezes, nem mesmo entre os perdidos – aqueles que são dominados por falsos deuses e, por isso, vivem em completo abandono e sofrimento – ouve-se falar que tenham feito o que muita gente, a qual teve o privilégio de conhecer o verdadeiro Deus, vive fazendo: trocando o Senhor pelas mentiras de Satanás. Existem pessoas que começam bem, mas, depois, a carne fala mais alto, e elas se entregam ao pecado e à vaidade.

Como pode alguém trocar o Manancial de águas vivas pelas cisternas rotas que não retêm água alguma? Olhe para trás e lembre-se do que o Senhor fez por você depois da sua conversão. O diabo é inimigo do povo de Deus e sempre tenta os salvos com as mais diversas ofertas. Veja se você não caiu nos “contos” do maligno e, se, hoje, está firme na fé ou perdido no erro.

Trocar a glória de Deus pelo que não tem proveito é errar duplamente. Sem a glória divina você não é nada, mesmo que prospere, receba títulos ou consiga um grupo de amigos ou familiares que o induzam a ser o que Deus não o chamou para ser. Veja bem: o mundo passará, e só permanecerá para sempre aquele que, de fato, fizer a vontade do Pai. A ordem divina é não amar o mundo nem o que nele há (1 Jo 2.15).

As cisternas que o homem cava são rotas, pois não conseguem segurar os sonhos dele; no entanto, o Manancial de águas vivas pode purificá-lo. Então, volte ao primeiro amor e não deixe que a morte – a natureza de Satanás – domine você. Seja aquilo que Deus o chamou para ser e busque ter o que Ele deseja conceder-lhe. O anátema nunca deve ficar em suas mãos. Volte a ser dependente de Deus, como no princípio.

O poder celestial está espantado, horrorizado e desolado com a insensatez de muitos filhos de Deus. Os anjos do Senhor estão assim por não poder mais operar em favor dessas pessoas, pois eles sabem o que o diabo fará com quem se afasta do Senhor. Além disso, os seres celestiais têm conhecimento de que, por causa do pecado delas, eles nada poderão fazer. Não deixe o Céu ficar triste com o que você tem feito; volte à comunhão com o Altíssimo agora.

Se tem deixado a carne ganhar domínio sobre a sua vida de fé, é sinal de que você voltou ao chiqueiro de onde havia saído. Não despreze o Manancial de águas vivas, pois nEle está aquilo de que você precisa para não se perder eternamente. Não faça mais maldade. As águas do Manancial têm poder para curar, purificar e levá-lo de volta aos braços do Deus Todo-Poderoso. Ele é o seu verdadeiro Consolo!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

domingo, 15 de julho de 2012

DÍZIMOS E OFERTAS SÃO BÍBLICOS?

Nem sempre temos a mesma concordância em tudo, é diferente em algumas revelações (na visão espiritual).

Para expandir o Evangelho ao mundo de hoje com tanta tecnologia, precisamos de muitas pessoas contribuindo para que as pregações possam chegar a lugares remotos. (sustento da Casa do Senhor)


Levamos o Evangelho gratuitamente, porque temos quem nas sustentam, mas concordamos com quem vivw do Evangelho, porque é Bíblico.


Apóstolo Paulo- 1Coríntios- 9:14- Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o Evangelho, que vivam do Evangelho.

Jesus mesmo disse para sair de dois em dois e que não levassem bolsa e nem alforje… Sacola de couro carregada a tiracolo e usada para levar alimentos e objetos necessários e a bolsa de dinheiro para uma viagem (Lucas-10.4,7). E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa.

Como poderá o missionário sobreviver hoje? É muito difícil achar a quem hospede!… As Igrejas tem que sustentá-los. Mas como? Se todos concordarem em não dizimarem e nem ofertarem?

Isso era comum nas Igrejas primitivas de Atos- 4:32 á 37-v/34- Não havia, pois, entre eles necessitado algum. Porque? Todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o valor do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos. v/35 E repartia-se a cada um, segundo a necessidade que cada um tinha.

Como você vê isso hoje? Alguém venderia tudo e daria para os apóstolos? Mas a Bíblia diz que sim!!! Jesus disse que viriam tempos difíceis de suportar a sã Palavra de Deus.

Romanos-10:15 – E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o Evangelho da Paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas!

Digno é o obreiro de seu salário!!! Palavras de Jesus… Lucas- 10:7. A mulher que derramou aos pés de Jesus o perfume no valor de um ano de trabalho. Mas achou um que a condenou como um desperdício, Judas, o traidor de Jesus…


Faço-lhe uma pergunta: Para que Jesus tinha tesoureiro?

Porque muitos depositavam aos pés de Jesus ofertas para seu ministério, já eram acostumados ao visitarem um profeta e sacerdote, não ir de mãos vazias, dar a Deus o que é de Deus. E Jesus não veio abolir a Lei. Veio cumprir a Lei.( Mateus- 5:17,18)- Ele mesmo disse ao apóstolo, dai a Cezar o que é de Cezar e a Deus o que é de Deus. Estava dizendo de obrigações dos que pagavam tributos. Todos deveriam pagar “Impostos” e também pagar “Dízimos” o que é de Deus. (Mateus- 22:19 a 21; -Marcos- 12:15 a 17; – Lucas- 20:24). “Contribuição obrigatória em dinheiro que os governos exigem de pessoas ou instituições e que usam para o bem público.” (1Rs- 12). Assim da mesma forma os tributos no altar do templo para o bem das almas. (Mateus-17:24-27; – 22:15-21; Romanos-13:7).

A “Graça” e a misericórdia na cruz do calvário foi para pagar o sacrifício de pecado para todos terem vida eterna após a morte física, não foi para deixar de pagar os impostos e atributos, nem do bem público e nem de Deus- Palavra do próprio Jesus- dar a Deus o que é de Deus. Mas em vários textos do Evangelho diz sobre as ofertas e sobre o sustento dos que pregavam o Evangelho que continuaram no Novo Testamento.

O sustento- ”Salários” do mensageiro da “Palavra de Deus” no Templo e, para permanecer com as portas abertas para suprir todas as suas necessidades. Água, luz, telefone, materiais de ensino, produtos de limpeza, conduções para visitas e trabalhos e viagens missionárias enviados pela Igreja etc.

Se não temos nas igrejas dízimos e ofertas a Deus, como haverá sustento da Sua Palavra?

Jesus curou um leproso e mandou levar a oferta de ação de graça ao sacerdote como era de costume na Lei que Moisés havia deixado como testemunho. Mateus- 8: 4.

Deixo para meditar estas poucas palavras que não são minhas, mas do Senhor Jesus.

As pessoas que aceitam ir após Jesus Cristo para testemunhar o Evangelho ao mundo, Deus promete dar o melhor dessa terra. Para irem após Cristo, devem negar a si mesmos, devem pagar o preço nas perseguições das contradições, injúrias e críticas dos homens do mundo por causa do testemunho da Palavra do Evangelho de Cristo. A vida como mensageiro, pregador de Cristo padece por amor às almas sem questionar a Deus, como um bom dispenseiro do Senhor. (1Coríntios- 9)

É necessário analisar que a vida cristã é dinâmica e não estática, pois servimos ao Deus vivo! Devolver o dízimo e participar de experiências maravilhosas com Ele, cada pessoa, passa a ter consigo vitórias gloriosas, pois o Deus de milagres e multiplicação, atua de forma que não entendemos para que sejamos abençoados. Ser dizimista consciente, implica em não fazer troca com Deus e sim, por fé, semear na vida dos irmãos com as contribuições.

Ser dizimista e ofertante na casa do Senhor é dever de cada cristão pela generosidade. Reconhecendo Deus como o Senhor de sua vida, o Dono de tudo!

É preciso lançar a semente, acreditar na colheita e se preparar para a safra. É necessário crer que o resultado virá e será excelente. “O segredo é amar o dever e fazer dele um prazer.

Fique na paz!!


O DÍZIMO: O QUE A BÍBLIA DIZ ???

Antes de começar a gastar, devemos honrar a Deus dando-Lhe o que Lhe pertence primeiro. A Bíblia diz em Provérbios 3:9 “Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda.”

                                       fonte da figura acima: idagospel.com

                        fonte da figura acima: pulpitocaboverdiano.blogspot.com



Que parte do nosso salário pertence a Deus? A Bíblia diz em Levítico 27:30 “Também todos os dízimos da terra, quer dos cereais, quer do fruto das árvores, pertencem ao senhor; santos são ao Senhor.”

Dar o dízimo é uma forma de aprender que Deus ocupa o primeiro lugar na nossa vida. A Bíblia diz em Deuterenômio 14:22-23 “Certamente darás os dízimos de todo o produto da tua semente que cada ano se recolher do campo. E, perante o Senhor teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor teu Deus por todos os dias.”

Como era o dízimo usado em Israel? A Bíblia diz em Números 18:21 “Eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que prestam, o serviço da tenda da revelação.”

Cristo aprovou o dízimo. A Bíblia diz em Mateus 23:23 “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas.”

Que diz Paulo sobre como o ministério do evangelho será sustentado? A Bíblia diz em 1 Coríntios 9:13-14 “Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que servem ao altar, participam do altar? 4Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho.”

Em que princípio se basea a devolução do dízimo? A Bíblia diz em Salmos 24:1 “Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam.”

De donde vêm as riquezas? A Bíblia diz em Deuterenômio 8:18 “Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, porque ele é o que te dá força para adquirires riquezas; a fim de confirmar o seu pacto, que jurou a teus pais, como hoje se vê.”

Além do dízimo que mais devemos trazer ao Seu santuário? A Bíblia diz em Salmos 96:8 “Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome; trazei oferendas, e entrai nos seus átrios.”
Deus diz que quando não damos dízimos e ofertas, estamos roubando-Lhe. A Bíblia diz em Malaquias 3:8 “Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas.”

Como sugere Deus que provemos as bencãos que Ele prometeu? A Bíblia diz em Malaquias 3:10 “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.”

Dá com alegria como quem quer agradar a Deus. A Bíblia diz em 2 Coríntios 9:7 “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria.”

Deus diz que o que damos deve reflectir com honestidade o que recebemos. A Bíblia diz em Deuterenômio 16:17 “Cada qual oferecerá conforme puder, conforme a bênção que o Senhor teu Deus lhe houver dado.”
FONTE DESTE ARTIGO: JESUS VOLTARÁ

DETERMINAÇÃO

Missionário, após ler seu livro \" Como tomar posse da benção \" ( por várias vezes ), aprendi sobre a determinação. Tive a oportunidade também de ler mais dois livros ( não de sua autoria mas o senhor também ja deve ter lido ), são eles : \" Conversando com DEUS ( neale donald walsch) e O Segredo ( The Secret ). Existe algumas incoerências entres os livros; Conversando com DEUS por exemplo fala-se sobre vidas passadas ( coisa que eu não acredito ). Mas tirando algumas incoerências cheguei a uma conclusão: Todos os três livros nos ensinam a mesma coisa: A FÉ ABSOLUTA, que por meio dela, podemos conseguir qualquer coisa, e se passamos por uma situação dificil é porque deixamos o mal ( diabo ou pensamento negativo ) agir sobre sobre nossas vidas. Se acreditarmos , determinarmos com fé algo de bom aconteça em nossa vida, este algo irá acontecer, pois diz em Mt 21:22 \" E tudo quanto pedirdes ( determinar ) em oração, crendo recebereis. Gostaria de saber a opinião do Missionario se ambos os livros ( Conversando com DEUS e O Segredo ) realmente tem alguma coerência com o livro Como tomar posse da Benção.


O que posso afirmar com absoluta convicção é que a Determinação só é válida e só "funciona" quando determinamos o que a Palavra de Deus diz ser nosso direito.

A fé bíblica não é igual à fé como se entende no mundo, isto é, algo equivalente ao pensamento positivo ou a correntes de bons pensamentos etc.

A fé bíblica só é genuinamente bíblica quando está calcada nos ensinamentos e nas promessas da Palavra de Deus (Rm 10.17; Hb 11).


Enviado por: Georgito Motta do Nascimento - Minas Gerais


FONTE: MISSIONÁRIO R.R. SOARES - RESPONDE

FÉ PARA A CURA DOS SENTIMENTOS

Missionário, entendo perfeitamente quando ouço o senhor dizer que não é pecado algum procurarmos um médico em busca de uma cura quando não temos fé o suficiente para alcançá-la através de Jesus. Mas gostaria de saber por que somente para a saúde há uma segunda opção de busca? E quando a fé não é suficiente para que um marido volte para casa depois de anos, por exemplo? Gostaria de entender melhor isso porque não acho justo aquele que não tem fé o bastante para a cura ter um médico para ajudá-lo e aquele que luta por um casamento completamente destruído ter que batalhar pra ter fé e não consegue tê-la e, assim, corre o risco de não alcançar a cura sentimental. Muito obrigada e fique na paz do Senhor.

Minha irmã, não confunda as coisas.
A saúde, tanto física, quanto emocional, é promessa de Deus para os que O temem.
Se a pessoa não alcança fé suficiente para obtê-las, pode -- e deve -- buscar a ajuda dos especialistas.
Agora, saúde emocional significa que a pessoa está bem, em paz, mesmo que o marido não tenha voltado.
Sua fé (ou o doutor) vai curá-la das feridas sentimentais, mas não vai, necessariamente, trazer seu marido de volta para você, até porque isso não depende só de você nem só do Senhor Deus, mas do seu marido também, não é?
Lembre-se que o Senhor não violenta ninguém, Ele bate à porta pacientemente, esperando ser convidado para entrar (Ap 3.20).
No entanto, você pode -- e deve -- cercar seu marido com sua fé, orando por ele, como ensina 2Timóteo 2.24-26, pois sem a influência do maligno, seu marido pode reconhecer seu valor e desejar voltar para você.
Portanto, faça sua parte e lute espiritualmente por ele, enquanto houver esperança.

FONTE: MISSIONÁRIO R.R. SOARES - RESPONDE

DEUS CONHECE VOCÊ?

"O SENHOR é bom, uma fortaleza no dia da angústia, e conhece os que confiam nele."  Naum 1.7


Quem é o nosso Deus? Ele Se declara bom em tudo. Ele é bom em curar, libertar e fazer qualquer obra, mas a maldade do homem, por não ouvir a Palavra, impede o Senhor de agir. Talvez, você esteja cometendo os piores erros; porém, se der ouvidos ao que o Pai fala, Ele Se mostrará capacitado e poderoso em ajudar, limpar e transformar você em alguém de bem. Ele é bom!

A capacidade do Senhor é muito mais poderosa do que a maldade do coração do ser humano. Se Deus tiver condições de tratar a sua vida, Ele fará com que você se torne uma verdadeira bênção. Infelizmente, o inimigo tem cegado até as pessoas mais usadas no Evangelho, fazendo com que andem na carne em vez de andarem em Espírito. Com isso, o que vemos em todas as partes são pessoas fracassadas.

Como dói ver cristãos em desonestidade, em adultério e outros erros. O filho de Deus não sabe o quanto perde ao dar ouvidos ao diabo. A cada passo que se aproxima do pecado, ele se afasta de Deus. O pior é que, por causa da sua estupidez, o poder do Senhor não pode operar em sua vida, e o demônio age em todo o seu ser. A felicidade que o diabo mostra é falsa. Se você cair em engano, suas orações não serão mais respondidas.

O Senhor, que é bom, pode perfeitamente trazê-lo à vida, mas desde que haja arrependimento. Por isso, confesse a Deus seus pecados e também a quem você roubou, traiu ou fez qualquer maldade; com isso, não haverá impedimento para o Senhor operar. No entanto, se esconder seu erro, no Dia do Juízo, você verá tarde demais o que o impediu de desfrutar da vida abundante. Dispa-se da maldade que o diabo o vestiu.

Se permitir, o Senhor será bom com você. Ele será uma fortaleza no dia da angústia, na ocasião do ataque do inimigo. A sua restauração – que pode custar-lhe algum sofrimento, pois você subtraiu, traiu ou prejudicou alguém – será perfeita. Tudo o que o Pai faz é com esmero e amor. Não se deixe mais enganar pelo maligno, pois, ainda que o choro dure a noite inteira, a alegria vem pela manhã (Sl 30.5).

A sua felicidade depende da sua ação na Palavra. Iludem-se aqueles que pensam estar enganando o Altíssimo. Afinal, Deus vê o coração das pessoas e não a máscara de santas que algumas colocam. O Pai conhece os que confiam nEle e Lhe servem. Você pode ter sido até agora um perdido “santo”, um verdadeiro enganador, mas consagre-se ao Senhor.

Por fim, a Escritura ensina que Deus não Se deixa zombar e afirma: Tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gl 6.7). Por isso, é melhor tê-lO como sua fortaleza, pois, no dia da angústia, Ele agirá em seu favor. Saiba que o Altíssimo guarda aqueles que permitem que Ele seja Deus na vida deles. Dessa forma, Ele é glorificado e tem prazer no sucesso de Seus filhos.

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

sábado, 14 de julho de 2012

20ª Marcha para Jesus

20ª Marcha para Jesus terá 10 trio elétricos

Prevista para ter início às 10h, a 20ª Marcha para Jesus deve receber 5 milhões de pessoas, segundo expectativa...


20ª Marcha para Jesus terá 10 trio elétricos
"Trio-elétrico na concentração da marcha"


Prevista para ter início às 10h, a 20ª Marcha para Jesus deve receber 5 milhões de pessoas, segundo expectativa dos organizadores do evento.

Os caminhões trio elétricos já se posicionaram para acompanhar os fieis que seguirão em caminhada até a Praça Heróis da Força Expedicionária Brasileira, próxima ao Campo de Marte, na Zona Norte da capital.

Dezenas de caravanas já chegaram à região da Praça da Luz e se preparam para o evento.

Embora algumas ruas da região estejam interditadas, por enquanto, a situação é tranquila nas intermediações das Avenidas Tiradentes, Santos Dumont e a Praça Campo de Bagatelle.

Organizado pela Igreja Renascer, o evento terá 10 trio elétricos e terá shows a partir das 14h.

A Marcha Para Jesus provocou interdições neste sábado em cinco pontos da zona norte.

Os bloqueios vão até a madrugada de domingo.

A principal recomendação para os motoristas é evitar a região.

A marcha vai percorrer as Avenidas Tiradentes e Santos Dumont e a Praça Campo de Bagatelle.

Os shows na Praça Heróis da Força Expedicionária Brasileira e na Avenida Santos Dumont acontecerão das 14h às 20h30.

fonte: ESTADÃO - MSN