Seguidores

COM JESUS É POSSÍVEL SER FELIZ E VENCER TODO DIA

Quantas vezes nos sentimos sem rumo e pensamos não ter com quem contar. Jesus é o nosso melhor amigo.
Quando conhecemos a Jesus e a Ele nos entregamos descobrimos uma vida completamente nova que está
disponível a todas as pessoas.
Este espaço é um convite para conhecer e praticar o que a Palavra de Deus nos ensina durante todos os dias da nossa vida.

domingo, 31 de julho de 2011

O DIABO FOI ANIQUILADO

"E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que, pela morte, aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo."  Hebreus 2.14



A razão pela qual Jesus Se fez carne deve ser entendida por todas as pessoas; assim, aprenderão o quanto custou ao Salvador a obra realizada por Ele na cruz do Calvário. Cristo deixou Sua glória, Suas prerrogativas de Deus, e veio ao nosso mundo para ser um dos nossos. Sua luta contra o diabo para nos tirar do império da maldade foi diferente de qualquer outra batalha, pois Cristo sofreu em Si os nossos males.

Com o pecado cometido por Adão, o homem ficou nas mãos do adversário, e, então, a morte, a natureza de Satanás, veio sobre toda a humanidade – o que significa que já nascemos com uma série de erros. No entanto, o Filho de Deus veio a este mundo, entrando legalmente pela porta, a fim de nos tirar do império das trevas. Ao aceitarmos o que Ele fez por nós, o Pai celeste nos recria em Jesus, e, desse modo, tornamo-nos novas criaturas.

Cristo venceu o diabo não como em uma luta de vale-tudo ou outra qualquer. O Salvador recebeu em Si todas as nossas enfermidades e dores, sendo moído pelas nossas transgressões (Is 53.5). Entenda isto: Deus permitiu que Seu Filho fosse afligido com os nossos pecados para que ficássemos livres deles. O mínimo que podemos fazer para agradecer tamanha obra é nos libertarmos de todos os males pela fé.

O Mestre nos substituiu completamente, por isso não devemos sofrer nada daquilo que sobre Ele foi posto. Ainda no mesmo versículo de Isaías, o profeta afirma que, pelas feridas que o Senhor sofreu, fomos curados. Então, temos de nos comportar como tais e não aceitar mal algum que o inimigo deseja lançar sobre a nossa vida. Se já fomos sarados pelas feridas do Salvador, não precisamos pedir-Lhe a cura.

Jesus aniquilou o diabo, desfazendo o seu terrível império da morte. Creia que isso já foi feito – pois verdadeiramente o foi. É claro que Satanás tentará tirar você da Palavra para, assim, atacá-lo. Porém, todo aquele que se firmar nas Escrituras não fracassará. A Palavra de Deus para sempre será cumprida.

Para ficar bom, o importante é você se ver como uma pessoa liberta, completamente livre de toda ação diabólica. De nada adianta orar e recitar o texto de Isaías se, lá no fundo do seu coração, você não acredita no que a Bíblia declara e, por isso, não faz uso dos seus direitos. Até quando você não dará crédito a Deus?

É você quem decidirá quando o poder divino operará em seu favor. Mas atenção! Cada vez que você adiar a sua libertação, o inimigo se fortalecerá mais em sua vida. Por isso, vá agora ao Senhor Deus, em oração, peça o perdão de seus erros, bem como das tentações em que você caiu, e repreenda o mal, pois o Altíssimo só pode operar em quem se liga a Ele.



Em Cristo, com amor,



R. R. Soares

sexta-feira, 29 de julho de 2011

ATITUDES QUE EDIFICAM UM CASAMENTO.

O que faz uma pessoa prudente?

"Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha" Mateus 7.24

O que faz uma pessoa prudente?

Constrói a sua vida colocando a Palavra de Deus em prática, de acordo com o que dizem as Sagradas Escrituras.

Para que tudo não venha a ruir no seu casamento e para não perder, profetize as bênçãos, ou seja, não se deixe levar pela aparência do mal e fale o que Deus diz, caso contrário estará edificando sobre uma base frágil, a areia e vai perder muito.

Acerte-se com Deus, peça perdão e levante-se na vida, confesse a Ele que até se agradou do pecado, gostou, mas não quer mais andar fora da palavra, que quer ter olhos e sonhos com o seu cônjuge e abandone de vez o erro.

Quando levamos a Palavra a sério e a praticamos o resultado é o florescimento permenente da nossa vida.

"O justo florescerá como a palmeira; crescerá como o cedro no Líbano. Os que estão plantados na casa do SENHOR florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e vigorosos," Salmo 92.12-14

Você vai florescer e dar frutos no seu casamento, eles são garamtidos pela Bíblia até na sua velhice!

É uma união que não se quebra com facilidade e que cresce todos os dias, resultando em bênçãos e felicidade até em idade avançada.

Com as tentações que surgem pelas lacunas que deixamos para o inimigo (muito tempo sem intimidade conjugal com o cônjuge, ressentimentos que podem esfriar o amor, vícios, etc) você até pode acabar balançando, mas não cairá se estiver firme na prática da Palavra de Deus.

Você está plantado na casa de Deus: seu casamento floresce. Não deixe de frequentar a igreja, se houver algum problema não desista de buscar a Deus, em vez disso expulse o inimigo, que vem com o intuito de destruir as uniões e as familias.


As atitudes que nos mantém firmes na presença de Deus são:

- seguir o conselho de Deus (e não dos ímpios)
- trilhar o caminho santo que lhe é orientado quando em contato com a Palavra (e não as idéias do mundo que trazem separação e revanche)
- participar de conversar edificantes (afaste-se de inutilidades, fofocas e desgraças)
- ter prazer na lei de Deus, meditar e praticar sem se contaminar. (Salmo 1.1-2)

Há inúmeros casos em que o inimigo usa o seu próprio esposo para lhe tirar do caminho de Deus, tecendo comentários do tipo:

"meu bem, você é tão inteligente, como foi cair nesse negócio de ir nessa igreja e dar dinheiro para encher o bolso do pastor!"

"amor, porque você vai tanto na igreja? não vê que não está adiantando nada! quando você não era crente, tudo ia bem melhor para você!"

"para que ler tanto a Bíblia, querida? vai acabar ficando bitolada"

Não se contamine com esse assédio maligno, você é de Deus e sabe que quem busca encontra e permanece na Palavra e, inevitavelmente florescerá e dará frutos nesse casamento que era tão gostoso e gratificante, mas que anda tão sem prazer e alegria!

Seu casamento dá frutos no tempo certo e eles crescem, não retrocedem jamais. Tudo prospera no seu matrimônio porque você está plantada no manancial de águas vivas do Senhor!

"Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará." Sl 1.3

Não falo do crescimento incerto e irregular, mas de crescimento seguro no seu casamento até vocês serem bem velhinhos e ainda assim continuarão a crescer e frutificar no tempo certo.

Mesmo que aos olhos humanos seu casamento esteja uma calamidade, ouse crer em tudo o que aprendeu da palavra e pratique-a. Profetize agora mesmo sobre o seu casamento:

"Meu casamento é uma bênção. Meu esposo e eu temos crescimento seguro em nossa união. Mesmo quando formos bem velhinhos, continuaremos progredindo e dando muitos frutos. O entendimento e a experiência que estamos adquirindo na Palavra e no poder de Deus agindo no nosso casamento ainda daremos a outras pessoas. Vamos ajudar a muitos neste assunto, aconselhar com a autoridade de quem viveu e venceu todos estes problemas andando na Palavra de Deus. Ainda vamos orar por muitos casais que estão na mesma situação em que estivemos e eles também vencerão, como já vencemos."

Em Nome de Jesus!


Mônica Gazzarrini


Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1, Volume 2 e Volume 3.

Copyright 2009 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini

QUEM CRÊ NÃO SE CONFUNDE

"Porque o Senhor JEOVÁ me ajuda, pelo que me não confundo; por isso, pus o rosto como um seixo e sei que não serei confundido."  Isaías 50.7


As pessoas que já se converteram precisam entender o que o Evangelho pode fazer por elas. Os que descobrem a verdade conseguem a libertação completa e total, mas as que vivem nos ensinamentos religiosos continuam oprimidas como eram antes de terem entregado a vida ao Senhor. Ora, o nosso Pai só precisa que creiamos no que a Bíblia afirma sobre a Nova Aliança para operar em nossa vida.

Deus jamais rejeitará ajuda a qualquer um dos Seus filhos, porém, se eles não forem ensinados a crer de modo correto, jamais verão a glória divina operando em seu favor. A verdade é que o Criador é Pai e, por isso, deseja agir na vida de Seus filhos para livrá-los de todas as ações malignas. A Palavra de Deus nos fala sobre a importância de crer. Ora, quem segue as instruções do Senhor consegue Suas operações.

Aqueles que são ajudados pelo Altíssimo jamais são confundidos. Ele auxilia a pessoa que crê no que Ele promete; por isso, se ela colocar as divinas palavras em ação, jamais se decepcionará. A Palavra eterna sempre atuará em favor de quem dá a Ela o senhorio de sua vida. Por outro lado, aquele que vive no mundo religioso nunca deixa de ser confundido, pois a cada ataque do diabo, ele sofre o prejuízo.

Firme-se no alvo que o Senhor colocou diante dos seus olhos e não se deixe mover por nada, pois você alcançará o que lhe foi prometido. Deus não é homem para que minta (Nm 23.19), por isso jamais brincaria de lhe oferecer algo que Ele não fosse, de fato, fazer. Deus é verdade e, como tal, Ele fala somente aquilo em que você pode confiar completamente. Os que confiam no Altíssimo descobrem que esse é o caminho de viver bem.

Esteja certo de que, em momento algum, sob nenhuma circunstância, você será confundido. Ao contrário, confundidos serão todos os demônios que se levantarem contra a sua vida, pois o Pai vela por aqueles que são dEle. Quando o inimigo se levantar para atacar um dos Seus, o Senhor também Se levantará para protegê-los. Se você realmente crê no que Deus fala, nunca se deixe levar pela dúvida.

A certeza de que o Todo-Poderoso cumprirá o que prometeu é a garantia de que você conseguirá o que lhe foi dito. Portanto, fique firme na sua fé, não se deixe mover nem para a direita – fanatismo – nem para a esquerda – incredulidade. O Senhor é cumpridor de todas as Suas promessas e Ele deseja realizar-Se em você.

Se a prova é dura, lembre-se do que Deus falou. Ele haverá de cumprir até um til ou um j do que lhe disse. Então, não ouça nenhuma voz que queira enfraquecê-lo, mas fortifique-se na fé, dando glórias ao Senhor e estando certíssimo de que Ele é poderoso para realizar o que prometeu.



Em Cristo, com amor,



R. R. Soares

quinta-feira, 28 de julho de 2011

SEM A DIREÇÃO DE DEUS NÃO DÁ CERTO.

Até quando tomaremos atitudes por nossa própria conta, mas sem a orientação divina?

O povo de Deus tinha uma necessidade em sua jornada pelo deserto, entre a saída do Egito e a terra prometida: comida.

Deus supre todas as nossas necessidades e jamais mudará.

Ele providenciou diariamente a porção de alimento e água para o seu povo durante 40 anos, até chegarem a terra da promessa de Deus.

 "Os israelitas comeram maná durante quarenta anos, até chegarem a uma terra habitável; comeram maná até chegarem às fronteiras de Canaã" Êxodo 16:35 (NVI)

Observemos a colheita de maná.
Uma mesma ordem realizada no tempo que não foi estipulado por Deus resultou em erro e fracasso; enquanto que a obediência trouxe provisão para o tempo de descanso do Seu povo.

Através de Moisés Deus ordenou que ninguém deveria guardar o maná para a manhã seguinte. (Exodo 16:19)
O povo eleito não deu atenção ao que Deus havia instruído e guardaram o maná para a manhã seguinte, mas não deu certo. "aquilo criou bicho e começou a cheirar mal" Êxodo 16:20b (NVI)

Veio a ordem contrária do Eterno ao Seu povo: "no sexto dia recolham o dobro, pois amanhã será dia de descanso consagrado ao Senhor e guardem o que sobrar para a manhã seguinte" Êxodo 16:22 e 23 (NVI)

Eles armazenaram o pão dos céus até o dia seguinte conforme havia sido ordenado pelo Senhor (e não por idéia própria) e não cheirou mal e tampouco criou bicho.

A ordenança contrária que veio para guardar o suprimento no sexto dia, tempo determinado por Deus, garantiu-lhes a conservação do alimento. "E eles guardaram até a manhã seguinte, como Moisés tinha ordenado, e não cheirou mal nem criou bicho." Êxodo 16:24 (NVI)

Moisés disse ao povo que não haveria maná para recolher no sétimo dia, mas, mesmo assim, a teimosia deles os fez ir ao terreno e não encontraram nada. (Êxodo 16:27) Ainda teimavam em fazer como achavam certo e não como Deus lhes indicava, resultado: não encontraram nada. "Então o Senhor disse a Moisés: Até quando vocês se recusarão a obedecer os meus mandamentos e as minhas instruções?" Êxodo 16:28 (NVI)

Da mesma forma hoje vem a nós a palavra de Deus: até quando tomaremos atitudes por nossa própria conta, mas sem a orientação divina?

O suprimento já nos está garantido quando seguimos as instruções do Criador, pois Ele vê mais alto e bem adiante de nós e sempre nos proporciona o melhor. "os meus caminhos são mais altos que os seus caminhos, e os meus pensamentos, mais altos que os seus pensamentos" Isaías 55:9b

Uma mesma atitude fora do tempo que Deus nos prescreve é catastrófica, no mínimo infrutívera e frustrante, atraindo muitas tristezas e dissabores.

Como saber que atitudes tomar?

Para saber o tempo e o modo precisamos pedir a sabedoria de Deus, que está a nossa disposição através das Escrituras e do poder do Espírito Santo. Quando algo salta aos nossos olhos ao lê-la ou nos chama a atenção ao ouvir a pregração é sinal de que o próprio Deus nos está dirigindo para a solução do problema ou rumo àquela oportunidade pela qual estamos insistentemente orando e buscando; rumo ao pleno suprimento das nossas necessidades.

Vida "bichada" é sinônimo de que houve teimosia e relutância da nossa parte em obedecer a Deus em algum ponto.
Hoje é tempo de rever cada uma das áreas da nossa vida e retomar o caminho prescrito pelo Senhor, pois é ali que o nome do Senhor será engrandecido e a sua vida será plena de realizações duradouras.

Em Nome de Jesus.

Mônica Gazzarrini

Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2


Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini. 

quarta-feira, 27 de julho de 2011

SE HÁ REJEIÇÃO AO EVANGELHO, CHORE.

É muito triste saber as conseqüências da rejeição ao Evangelho: a condenação eterna.

"Jesus, porém, voltando-se para elas, disse: Filhas de Jerusalém, não choreis por mim; chorai antes por vós mesmas, e por vossos filhos." Lucas 23:28

Aquelas mulheres que choravam durante o trajeto de crucificação de Jesus O olhavam com tristeza e pesar, mas não estavam compreendendo a real importância redentora do acontecimento: sofrimento, crucificação e ressurreição do Cristo de Deus resgatando toda a humanidade. A concretização do plano de Deus.


Jesus alerta para que não choremos por Ele e sim por nós mesmos e por nossos filhos, pois triste é ir para a eternidade sem ter entregue a vida a Ele!

Busque pela sua própria vida

Busque por você mesmo: ore, queira sinceramente obter o entendimento, a revelação, a sede de caminhar na vontade divina e mude o que não agrada a Deus.

O momento correto de pedir perdão por um pecado é o seguinte ao qual ele foi cometido.

Busque pela vida do seu próximo

Ore e interceda pelos perdidos, fale das Escrituras a eles.

Nunca perca a oportunidade de falar da Palavra de Deus a quem quer que seja: conhecido ou desconhecido, importante ou simples, rico ou pobre, culto ou inculto.

Sabemos que existe rejeição à palavra de Deus, mas isto não é motivo para não plantarmos a boa palavra por onde quer que andemos. A palavra de Deus é uma semente que floresce no tempo certo.

A partir de hoje não perca mais uma oportunidade sequer de falar do amor de Deus para as pessoas!

É muito triste saber as conseqüências da rejeição ao Evangelho: a condenação eterna. "Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado" Marcos 16:16

Mais triste ainda é encontrar pessoas que apostataram da fé, ou seja, conheceram a Jesus e abandonaram Seu caminho pelos mais diversos motivos.

"Porque te esqueceste do Deus da tua salvação, e não te lembraste da rocha da tua fortaleza, portanto farás plantações formosas, e assentarás nelas sarmentos estranhos." Isaías 17:10


Em Nome de Jesus.

Mônica Gazzarrini


Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2

Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini.


terça-feira, 26 de julho de 2011

QUER VER O MILAGRE ACONTECER? NÃO DÊ OUVIDOS À MULTIDÃO.

Não ouça a voz negativa das pessoas ao redor para não perder a visão da palavra de Deus.

"Tampouco apliques o teu coração a todas as palavras que se disserem, para que não venhas a ouvir o teu servo amaldiçoar-te." Eclesiastes 7:21

Não ouça a voz negativa das pessoas ao redor para não perder a visão da palavra de Deus.

Uma grande vitória de Deus pela vida está expressa na cura da filha de Jairo.

O livro de Marcos no capítulo 5:22 e 23 pinta o quadro do desespero numa situação onde Deus foi o último recurso: era tudo ou nada!

O desespero não ajuda em nada, a ansiedade também não, chorar muito menos.

Ainda que seja um fato terrível e até considerado impossível. Se sua vida financeira e profissional está em estado terminal, Jesus é claro: "Não temas, crê somente." Marcos 5:36b

Jesus não se apavorou em tempo algum. Inclusive no caminho teve suas vestes tocadas pela mulher com fluxo de sangue cuja fé curou.

Se você quer ajudar alguém a primeira providência é manter a calma.

Numa multidão, como relata o versículo 24, existe uma infinidade de pessoas: murmuradores, incrédulos, escarnecedores, os que tem fé, os determinados, os lamentadores, os que se sentem mal com o aperto, os piadistas, etc, todos eles te apertam e te atrapalham.

Jairo estava em processo de oração e ainda não havia visto nada ocorrer a sua filha. Estava à espera de um milagre e de uma resposta em Deus.

Neste momento é importante não ouvir o alarido da multidão, senão não verá o milagre.

Vemos que há um fator que fortaleceu a fé de Jairo: ele presenciou o milagre da cura ocorrido com a mulher que teve o fluxo de sangue estancado. (versículos 25 a 33)

Em seu coração deve ter surgido a esperança: "se abençoou outra pessoa, vai me abençoar também!"

Na luta pela vida da filha surgiu primeiro a oposição força da multidão que se apertava ao redor de Jesus e em seguida a segunda dificuldade, a má notícia: "A tua filha está morta; para que enfadas mais o Mestre?" Marcos 5:35

Saiba que no caminho da sua vitória surgirão oposições e lutas várias vezes. Você ora, espera a resposta e lá vem a má notícia! Ou então não vê mudança alguma.

O que fazer? Não temer a má notícia e manter seus olhos em Jesus. "E Jesus, tendo ouvido estas palavras, disse ao principal da sinagoga: Não temas, crê somente."
Marcos 5:36

A pressão exercida pelo inferno para roubar a sua bênção é forte, mas mesmo com as oposições, não desista da sua oração! O justo vive pela fé! "E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê." Marcos 9:23

Sentiu que a tribulação não passa, separe-se para a oração e de todas as fontes que lhe trazem desânimo e desesperança. "E (Jesus) não permitiu que alguém o seguisse (jairo), a não ser Pedro, Tiago, e João, irmão de Tiago."

Para não ser corrompido pelas más influências convem ter um particular com Jesus. Quanto mais você se afastar das más conversações e dos maus costumes melhor será a qualidade e eficácia das suas orações.

Ao chegarem a casa de Jairo o povo já estava em alvoroço, chorando e pranteando. (v.38).

Nas lutas as pessoas que estão no natural se desesperam, ao contrário de Jesus que sempre nos renova o ânimo. "Por que vos alvoroçais e chorais? A menina não está morta, mas dorme." (v.39)

Os incrédulos de plantão riram de Jesus e novamente Ele seguiu apenas as pessoas de fé. (v.40)

A sua bênção vai acontecer se você continuar ouvindo a Jesus. E como o Senhor Jesus falou, assim ocorreu com a filha de Jairo: "Menina, a ti te digo, levanta-te. E logo a menina se levantou, e andava" (v.41b e 42a)

Aplique o seu coração a ouvir somente a Jesus e nEle crer.

Se você está em processo de oração, Jesus lhe ajuda a superar o desânimo, tristeza, frieza e não retroceder até receber sua resposta.

Deixe a opinião da multidão de lado, ouça e confie somente em Jesus e verá o seu milagre acontecer.

O que restará para a "turma do contra" é um grande espanto com o seu sucesso.

"E logo a menina se levantou, e andava, pois já tinha doze anos; e assombraram-se com grande espanto." (v. 42)

Em Nome de Jesus.


Mônica Gazzarrini


Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2

Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini.




segunda-feira, 25 de julho de 2011

QUANTO VOCÊ ESTÁ DISPOSTO PARA TER SUA VIDA MUDADA ?

Existe um segredo para o povo de Deus ter sua vida mudada.

Só querer não trás poder.

Existe um segredo para o povo de Deus ter sua vida mudada.

Está escrito em João 2:5b “Fazei tudo quanto ele (Jesus) vos disser.”

Na igreja temos paz e respeito, mas será que estamos realmente dispostos a fazer tudo o que o Mestre nos mandar? É pesado, parece difícil?

No mundo empresarial muitas são as manobras para não se sair mal. Não é permitido perder em nome do lucro.

Em nome do Senhor essa regra não vale: Melhor é perder o mundo para ganhar das mãos do Senhor. “Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará.” Marcos 8:35

O subterfúgio para não obedecer e, consequentemente, não ter a vida guiada pelo Santo Espírito de Deus, fazendo tudo o que Jesus mandar é de que os seus mandamentos são muito pesados.

Isto não é verdade: “Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados.” 1 João 5:3. Só ficamos dessa forma quando não queremos abrir mão dos nossos planos.

Os “jovens ricos” contemporâneos estão por aí (passagem citada em Mateus 19:16 a 23), achando que o que Jesus lhes pede é demasiado pesado! Não querem abrir mão e não aceitam fazem tudo o que Jesus lhes diz.

Nascer e continuar a sua vida como homem natural e sem Jesus é garantia para ir para o inferno, mesmo que tenha sido um bom homem, honesto, trabalhador e sem vícios.

O batismo tampouco não é suficiente, precisamos nascer de novo em Cristo e estarmos dispostos a andar em novidade de vida!

Sim, a salvação é pela graça, mas ir para o céu não é uma tarefa fácil, porque precisamos estar dispostos a sermos úteis ao nosso Senhor, fazendo tudo o que a Palavra nos manda obedecer e praticar.

Não adianta ficar olhando para as circunstâncias como fez Naamã. (2 Reis 5:1 a 14) Ele faria tudo para ficar curado da lepra, mas indignou-se por que teria de mergulhar num rio que achava pior do que os que existiam em sua terra. Queria a cura, mas que fosse do jeito que ele imaginava e quase perdeu a bênção!
A partir de agora não reclame mais, nem fique imaginando que será do jeito que você quer, faça o que Deus manda!

Quer ver sua vida mudar mesmo? Faça tudo aquilo que Deus fala ao seu coração quando em contato com a Palavra.

Deixe de lado o que não foi diretriz do Senhor. Será que não estamos agindo como Naamã: dispostos a fazer o que queremos e não o que Deus quer de nós??

A alegria do homem natural só pode ser substituída com vantagem eterna pela alegria do Senhor na nossa vida.

Deus quis a maior preciosidade de Abraão, seu filho Isaque em sacrifício, para ver o que havia em seu coração, se realmente o faria pelo seu Deus, ou seja, abriria mão do seu maior presente. Na atitude do patriarca ficou claro que nada era mais importante do que Deus e ele seguiu as Suas ordens até o fim. Homem de fé, pai da fé!

E você (e eu também) está disposto a abrir mão dos seus tesouros particulares (projetos, planos, idéias e ideais) para fazer o que Jesus lhe fala?

Quer de fato ver a festa do Senhor na sua vida: faça tudo o que Ele lhe disser!

Em Nome de Jesus.


Mônica Gazzarrini


Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2

Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini.




QUANDO O HOMEM DE DEUS TREME

"Então, Daniel, cujo nome era Beltessazar, esteve atônito quase uma hora, e os seus pensamentos o turbavam; falou, pois, o rei e disse: Beltessazar, não te espante o sonho, nem a sua interpretação. Respondeu Beltessazar e disse: Senhor meu, o sonho seja contra os que te têm ódio, e a sua interpretação, para os teus inimigos"  Daniel 4.19



Há coisas que Deus anuncia que fazem tremer até os que conhecem a sua posição em Cristo. O profeta Daniel, ao entender o que foi revelado ao rei Nabucodonosor, ficou atônito. Que os filhos do Altíssimo se preparem, pois o Senhor não brincou com o que colocou em Sua Palavra: a humanidade irá desesperar-se com o que está programado para acontecer antes da volta de Jesus.

Quando lemos a respeito dos dez grupos que não herdarão o Reino de Deus (1 Co 6.10), isso nos faz pensar no que estamos fazendo para livrar até irmãos nossos que caíram nesse erro. O Dia do Juízo será de dor, sofrimento e desespero para muitos. Um expressivo número de pessoas acredita que Deus entenderá por que elas erraram e que Ele ão irá condená-las, mas esse pensamento não passa de puro engano, pois o juízo será sem misericórdia!

Existem pessoas que também ficarão desesperadas ao receberem a condenação por seus maus atos. Ao serem separadas eternamente do Senhor, nada mais lhes poderá ser feito. Dentre elas, há muitos considerados servos de Deus, os quais, por uma questão que julgam de menos importância, acham-se no direito de praticar o que a Palavra proíbe. No entanto, nós, que sabemos disso, o que estamos fazendo por eles agora? O que temos feito pelos parentes que ainda não se converteram? Temos alcançado os que só pensam nas coisas materiais e desprezam os avisos do Criador?

Ora, não é errado lutar para conseguir bens materiais; o problema é fazer disso a sua religião. Ainda que fosse com sacrifício, deveríamos buscá-los. Ao aceitarmos Jesus Cristo como Salvador, o manto da salvação também foi estendido sobre eles, pois as Escrituras declaram que você e a sua casa servirão ao Senhor (At 16.31).

Abra seus olhos e passe a fazer a vontade divina na mesma proporção que você recebeu a direção do Senhor, pois a quem muito for dado muito mais lhe será pedido (Lc 12.48). Não podemos economizar tempo nem recursos financeiros para levar a quem quer que seja o Evangelho. Será muito triste ver um dos nossos – ou mesmo um estranho –, que poderíamos ter levado à salvação, marchar para o abismo sem fundo, do qual jamais sairá.

Voltando ao que está programado para acontecer, lembre-se de que a Bíblia anuncia tempos difíceis para a humanidade. As catástrofes aumentarão, guerras e rumores de guerras surgirão com mais intensidade (Mc 13.7), e, quando todos pensarem que o homem alcançou a tão sonhada paz e está em segurança, sobrevirá repentina destruição (1 Ts 5.3). Portanto, não se afaste do que tem aprendido na Palavra de Deus; assim, você estará apto para escapar dos males que virão sobre a humanidade.



Em Cristo, com amor,



R. R. Soares

domingo, 24 de julho de 2011

PROPONHA-SE A SER UMA BÊNÇÃO NAS MÃOS DE DEUS

O coração perfeito para com Deus faz com que Ele se mostre forte para conosco nas orações e determinações, colocando poder de Deus em ação que é totalmente capaz de mudar qualquer situação.

"Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com ele" 2 Crônicas 16:9a

O coração perfeito para com Deus faz com que Ele se mostre forte para conosco nas orações e determinações, colocando poder de Deus em ação que é totalmente capaz de mudar qualquer situação.

Algumas atitudes espirituais impedem que andemos com o coração perfeito para com Deus: dúvida de que a oração funcionou, não querer obedecer à Deus, decidir outras coisas que estão fora da Palavra.

Quando você acha que a Palavra não é suficiente certamente não está tendo um coração perfeito para com Deus.

Um exemplo descrito nas Sagradas Escrituras, foi o Rei Asa.

"E Abias dormiu com seus pais, e o sepultaram na cidade de Davi, e Asa, seu filho, reinou em seu lugar; nos seus dias esteve a terra em paz dez anos. E Asa fez o que era bom e reto aos olhos do SENHOR seu Deus. Porque tirou os altares dos deuses estranhos, e os altos; e quebrou as imagens, e cortou os bosques. E mandou a Judá que buscasse ao SENHOR Deus de seus pais, e que observasse a lei e o mandamento. Também tirou de todas as cidades de Judá os altos e as imagens; e sob ele o reino esteve em paz." 2 Crônicas 14:1 a 5

Ele começou seu reinado brilhantemente e Deus concedeu quietude a Asa, mas não manteve o coração perfeito para com Deus.

"E edificou cidades fortificadas em Judá; porque a terra estava quieta, e não havia guerra contra ele naqueles anos; porquanto o SENHOR lhe dera repouso." 2 Crônicas 14:6

O desencontro ocorre quando não estamos inteiramente entregues e confiantes nas mãos do Senhor.

Assim como Deus enviou o recado para o Rei, Ele procede da mesma forma conosco usando a Palavra e também a pregação dos homens de Deus.

"Então veio o Espírito de Deus sobre Azarias, filho de Odede. E saiu ao encontro de Asa, e disse-lhe: Ouvi-me, Asa, e todo o Judá e Benjamim: O SENHOR está convosco, enquanto vós estais com ele, e, se o buscardes, o achareis; porém, se o deixardes, vos deixará." 2 Crônicas 15:1

As mensagens de Deus são para você (e para mim): se parar de buscar a Deus Ele vai te deixar!

Porque se afastou? Não pare para ouvir a Deus somente quando algo vai mal!

Asa não deu a mínima para o mensageiro de Deus. Desviou o seu coração que inicialmente era tão fiel e sincero para com o Pai.

Não tardou para que o adversário armasse uma armadilha para Asa.

"No trigésimo sexto ano do reinado de Asa, Baasa, rei de Israel, subiu contra Judá e edificou a Ramá, para não deixar ninguém sair, nem chegar a Asa, rei de Judá." 2 Crônicas 16:1

No versículo 3 vemos a luta entre o inimigo e o povo de Deus.

Asa não abriu os olhos e ofereceu aliança ao inimigo: tirou tesouros da casa do Senhor para dar ao inimigo, selando assim um pacto com ele.

"Então Asa tirou a prata e o ouro dos tesouros da casa do SENHOR, e da casa do rei; e enviou servos a Ben-Hadade, rei da Síria, que habitava em Damasco, dizendo: Acordo há entre mim e ti, como houve entre meu pai e o teu; eis que te envio prata e ouro; vai, pois, e anula o teu acordo com Baasa, rei de Israel, para que se retire de sobre mim." 2 Crônicas 16:2 e 3.

Não toque no tesouro que Deus te deu. Não dê seu corpo à prostituição, não use a sua chamada ministerial para ganhar dinheiro e sim para fazer a obra de Deus.

Onde você tem oferecido o seu tesouro divino?

Qual é o seu tesouro? dom de cantar? pregar? falar com os irmãos? Você tem usado seus tesouros para outros serviços? Pode acaber se perdendo!

Não faça como o rei, que foi arrancando o ouro de Deus para fazer mal uso em outro lugar, dando-o nas mãos do inimigo.

Qual é o seu ouro? cuide bem dele. É o seu marido? Cuide dele, ore por ele.

Deus lhe chamou para pregador mas você escolheu ser político? Deus lhe deu facilidades para pregar o Evangelho, use-as para essa finalidade.

O coração imperfeito tras atitudes loucas, que só trazem guerras, tempestades e tribulações. "procedeste loucamente porque desde agora haverá guerras contra ti." 2 Crônicas 16:9b

Mesmo doenta e à beira da morte, Asa buscou outra ajuda, em vez da mão de Deus!

O coração imperfeito busca outros meios para resolver os problemas, atropela a ordem das coisas e perde.

"Asa caiu doente de seus pés, a sua doença era em extremo grave; contudo, na sua enfermidade, não buscou ao SENHOR, mas antes os médicos. E Asa dormiu com seus pais; e morreu no ano quarenta e um do seu reinado." 2 Crônicas 16:12 e 13

O fim do homem de coração imperfeito para com Deus é a morte, separação divina.

Passe a dar ouvidos ao Senhor, evite os problemas, volte a busca a Deus como no começo da sua conversão, como no primeiro amor.

Em Nome de Jesus.



Mônica Gazzarrini.

Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2

Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini.




sábado, 23 de julho de 2011

PERÍODO INTERBÍBLICO - O POVO JUDEU

O SURGIMENTO DAS SINAGOGAS

A sinagoga veio em conseqüência da suspensão do serviço do templo em 586AC. Era o local para a adoração e instrução. Era uma das mais importantes instituições na época de Cristo.


A sinagoga era dividida em duas partes. Numa parte ficava a arca com o livro da lei. Diante desta seção estava o lugar para os adoradores. No centro do auditório ficava o palco onde o leitor lia as Escrituras em pé e sentava-se para ensinar. Assentos foram colocados em volta do palco - os homens dum lado e as mulheres do outro.

Os líderes principais da sinagoga eram: o chefe da sinagoga com poderes de excomungação, superintendência dos cultos e presidência sobre o colégio dos anciãos. O Shaliach que oficiou nos cultos lendo as orações e a Lei. O Chazzan que cuidou da sinagoga como zelador, abriu as portas, preparou a sala e auditório, manteve a ordem e açoitou os condenados. O Methurgeman ou Targoman que traduziu as escrituras lidas em hebraico para o aramaico. Daí surgiram os Targuns. O Blatanim eram dez homens que assistiram todas as reuniões da congregação e levantavam as esmolas.

O Culto na sinagoga: Oração e o hino (incluindo o Shema, Dt:6:4-9) sem instrumentos. O Chazzan trazia a arca da lei. O Shaliach se levantava e lia a porção marcada num ciclo já previsto. O Methurgoman ou Targoman traduzia o trecho para o aramaico. Em seguida havia a palavra de exortação dum ancião sentado. A lei novamente era levada para a arca e orações eram feitas.



OS GRUPOS RELIGIOSOS JUDEUS

Quando, seguindo-se à conquista de Alexandre, o helenismo mudou a mentalidade do Oriente Médio, alguns judeus se apegaram ainda mais tenazmente do que antes à fé de seus pais, ao passo que outros se dispuseram a adaptar seu pensamento às novas idéias que emanavam da Grécia. Por fim, o choque entre o helenismo e o judaísmo deu origem a diversas seitas judaicas.



Os Fariseus

Os fariseus eram os descendentes espirituais dos judeus piedosos que haviam lutado contra os helenistas no tempo dos Macabeus. O nome fariseu, “separatista”, foi provavelmente dado a eles por seus inimigos, para indicar que eram não-conformistas. Pode, todavia, ter sido usado com escárnio porque sua severidade os separava de seus compatriotas judeus, tanto quanto de seus vizinhos pagãos. A lealdade à verdade às vezes produz orgulho e ate mesmo hipocrisia, e foram essas perversões do antigo ideal farisaico que Jesus denunciou. Paulo se considerava um membro deste grupo ortodoxo do judaísmo de sua época. (Fp 3:5).

O nome é dado a um grupo de judeus devotos à Torá, surgidos no século II a.C. Opositores dos saduceus, criam uma Lei Oral, em conjunto com a Lei escrita, e foram os criadores da instituição da sinagoga. Com a destruição de Jerusalém em 70 d.C. e a queda do poder dos saduceus, cresceu sua influência dentro da comunidade judaica e se tornaram os precursores do judaísmo rabínico.

Sua oposição ferrenha ao Cristianismo rendeu-lhes através dos tempos uma figura de fanáticos e hipócritas que apenas manipulam as leis para seu interesse. Esse comportamento deu origem à ofensa "fariseu", comumente dado às pessoas dentro e fora do Cristianismo, que são julgados como religiosos aparentes.



Os Saduceus

O partido dos saduceus, provavelmente denominado assim por causa de Sadoc, o sumo sacerdote escolhido por Salomão (I Rs 2:35), negava autoridade à tradição e olhava com suspeita para qualquer revelação posterior à Lei de Moisés. Eles negavam a doutrina da ressurreição, e não criam na existência de anjos ou espíritos (At 23:3). Eram, em sua maioria, gente de posses e posição, e cooperavam de bom grado com os helenistas da época. Ao tempo do N.T. controlavam o sacerdócio e o ritual do templo. A sinagoga, por outro lado, era a cidadela dos fariseus. Os Saduceus compreendem a designação da segunda escola filosófica dos judeus, ao lado dos fariseus.

Também para esta seita ou partido é difícil determinar a origem. Sabemos que existiu nos últimos dois séculos do Segundo Templo, em completa discórdia com os fariseus. Como citamos, o nome parece proceder de Sadoc, hierarca da família sacerdotal dos filhos de Sadoc, que segundo o programa ideal da constituição de Ezequiel devia ser a única família a exercer o sacerdócio na nova Judéia. De modo que, dizer saduceus era como dizer "pertencentes ao partido da estirpe sacerdotal dominante". Diferiam dos fariseus por não aceitarem a tradição oral. Na realidade, parece que a controvérsia entre eles foi uma continuação dessa hostilidade que havia começado no templo dos macabeus, entre os helenizantes e os ortodoxos. Com efeito, os saduceus, pertencendo à classe dominadora, tendo a miúdo contato com ambientes helenizados, estavam inclinados a algumas modificações ou helenizações. O conflito entre estes dois partidos foi o desastre dos últimos anos da Jerusalém judia.

Suas doutrinas são quase desconhecidas, não havendo ficado nada de seus escritos. A Bíblia afirma que eles não criam na ressurreição, tendo até tentado enlaçar Jesus com uma pergunta ardilosa sobre esse conceito. Com muita probabilidade, ainda que rechaçando a tradição farisaica, possuíram uma doutrina relativa à interpretação e à aplicação da lei bíblica. O único que nos oferece alguns dados sobre suas doutrinas é Flávio Josefo que, por ser fariseu e por haver escrito para o público greco-romano, não é digno de muita confiança.

Parece provável que as divergências entre saduceus e fariseus foram mais que dogmáticas, foram jurídicas e rituais. Com a queda de Jerusalém, a seita dos saduceus extinguiu-se. Ficaram porém suas marcas em todas as tendências anti-rabínicas dos primeiros séculos (d.C.) e da época medieval.



Os Essênios

O essenismo foi uma reação ascética ao externalismo dos fariseus e ao mundanismo dos saduceus. Os essênios se retiravam da sociedade e viviam em ascetismo e celibato. Davam atenção à leitura e estudo das Escrituras, à oração e às lavagens cerimoniais. Suas posses eram comuns e eram conhecidos por sua laboriosidade e piedade. Tanto a guerra quanto a escravidão era contrárias a seus princípios.

O mosteiro em Qumran, próximo às cavernas em que os Manuscritos do Mar Morto foram encontrados, é considerado por muitos estudiosos como um centro essênio de estudo no deserto da Judéia. Os rolos indicam que os membros da comunidade haviam abandonado as influências corruptas das cidades judaicas para prepararem, no deserto, “o caminho do Senhor”. Tinham fé no Messias que viria e consideravam-se o verdadeiro Israel para quem Ele viria.

Os Essênios constituíam um grupo ou seita judaica ascética que teve sua existência por volta de 150 a.C. até 70 d.C. Estavam relacionados com outros grupos religiosos-políticos, como os saduceus. O nome essênio provém do termo sírio "Asaya", e do aramaico Essaya, todos com o significado de médico.

Durante o domínio da Dinastia Hasmonéa, os essênios foram perseguidos. Retiraram-se por isso para o deserto, vivendo em comunidade e em estrito cumprimento da lei mosaica, bem como da dos Profetas. Na Bíblia não há menção sobre eles. Sabemos a seu respeito por Flávio Josefo (historiador oficial judeu) e por Fílon de Alexandria (filósofo judeu). Flávio Josefo relata a divisão dos judeus do Segundo Templo em três grupos principais: Saduceus, Fariseus e Essênios. Os Essênios eram um grupo de separatistas, a partir do qual alguns membros formaram uma comunidade monástica ascética que se isolou no deserto. Acredita-se que a crise que desencadeou esse isolamento do judaísmo ocorreu quando os príncipes Macabeus no poder, Jonathan e Simão, usurparam o ofício do Sumo Sacerdote, consternando os judeus conservadores. Alguns não podiam tolerar a situação e denunciaram os novos governantes. Josefo refere, na ocasião, a existência de cerca de 4000 membros do grupo, espalhados por aldeias e povoações rurais.



Adotaram uma série de condutas morais que os diferenciavam dos demais judeus:

A comida era sujeita à rígidas regras de purificação;

Aboliam a propriedade privada;

Contrários ao casamento;

Eram vegetarianos;

Tomavam banho antes das refeições;

Vestiam-se sempre de branco.

Não tinham amos nem escravos. A hierarquia estabelecia-se de acordo com graus de pureza espiritual dos irmãos, os sacerdotes que ocupassem o topo da ordem.

Dentre as comunidades, tornou-se conhecida a de Qumran, pelos manuscritos em pergaminhos que levam seu nome, também chamados Pergaminhos do Mar Morto ou Manuscritos do Mar Morto. Segundo Christian Ginsburg (historiador orientalista), os essênios foram os precursores do Cristianismo, pois a maior parte dos ensinamentos de Jesus, o idealismo ético, a pureza espiritual, remetem ao ideal essênio de vida espiritual. A prática da banhar-se com freqüência, segundo alguns historiadores, estaria na origem do ritual cristão do Batismo, que era ministrado por São João Batista, às margens do Rio Jordão, próximo a Qumram.



Os Escribas

Os escribas não eram, estritamente falando, uma seita, mas sim, membros de uma profissão. Eram, em primeiro lugar, copista da Lei. Vieram a ser considerados autoridades quanto às Escrituras, e por isso exerciam uma função de ensino. Sua linha de pensamento era semelhante à dos fariseus, com os quais aparecem freqüentemente associados no N.T.

O escriba ou escrivão era a pessoa na Antiguidade que dominava a escrita e a usava para, a mando do regente, redigir as normas do povo daquela região ou de uma determinada religião.

Nos livros sagrados para os cristãos e judeus, o termo escriba refere-se aos chamados doutores e mestres (Mt 22:35 e Lc 5:17), ou seja, homens especializados no estudo e na explicação da lei ou Torá. Embora o termo apareça pela primeira vez no livro de Esdras, sabe-se que tinham grande influência e eram muito considerados pelo povo, tendo existido escribas partidários de diferentes correntes, tais como os fariseus (a maioria), saduceus e essênios.

A classe começa a atuar ainda nos tempos do Antigo testamento, em que a figura do profeta perde o seu valor. Já no Novo testamento, é possível verificar que a maioria dos escribas se opõe aos ensinamentos de Jesus (Mc 14:1 e Lc 22:1), que os critica duramente por causa do seu proceder legalista e hipócrita (Mt 23:1-36 / Lc 11:45-52 / 10:46-47), comparando-o à dos fariseus, a corrente de escribas que representava a maioria.

Após o desaparecimento do templo de Jerusalém no ano 70, seguido do desaparecimento da figura do sacerdócio judaico, sua influência passaria a ser ainda maior.

Alguns escribas ficariam famosos, tais como Hillel e Sammai (pouco antes de Jesus Cristo), tendo sido ambos líderes de tendências opostas na interpretação da lei, liberal o primeiro e rigoroso o segundo.

Gamaliel, discípulo de Hillel, foi mestre de Paulo (At 22:3), tendo existido também outros escribas simpatizantes com os cristãos. (At 5:34).



Os Herodianos

Os herodianos criam que os melhores interesses do judaísmo estavam na cooperação com os romanos. Seu nome foi tirado de Herodes, o Grande, que procurou romanizar a Palestina em sua época. Os herodianos eram mais um partido político que uma seita religiosa.

A opressão política romana, simbolizada por Herodes, e as reações religiosas expressas nas reações sectárias dentro do judaísmo pré-cristão forneceram o referencial histórico no qual Jesus veio ao mundo. Frustrações e conflitos prepararam Israel para o advento do Messias de Deus, que veio na “plenitude do tempo” (Gl 4.4).



Fontes pesquisadas:

Fonte: Charles F. Pfeiffer - “From Malachi to Matthew” - www.verdade-viva.net/didaticos/103-interbiblico.html

www.nbz.com.br/igrejavirtual/

sexta-feira, 22 de julho de 2011

AS DIVISÕES DO PERÍODO INTERBÍBLICO (PARTE 4 DE 4)

Período Romano (63 – 5 AC)


Roma

Marco Antônio apoiou a causa de Hircano. Depois do assassinato de Júlio Cesar e da morte de Antípater (pai de Herodes), que por vinte anos fora o verdadeiro governante da Judéia, Antígono, o segundo filho de Aristóbulo, tentou apossar-se do trono. Por algum tempo chegou a reinar em Jerusalém, mas Herodes, filho de Antípater, regressou de Roma e tornou-se rei dos judeus com apoio de Roma. Seu casamento com Mariamne, neta de Hircano, ofereceu um elo com os governantes Macabeus.

Herodes foi um dos mais cruéis governantes de todos os tempos. Assassinou o venerável Hircano (31 a.C.) e mandou matar sua própria esposa Mariamne e seus dois filhos. No seu leito de morte, ordenou a execução de Antípater, seu filho com outra esposa. Nas Escrituras, Herodes é conhecido como o rei que ordenou a morte dos meninos em Belém por temer o Rival que nascera para ser Rei dos Judeus.

O General Pompeu subjuga a Palestina (63AC) e o período do Novo Testamento fica sob o domínio do Império Romano.

Imperadores ligados às narrações do Novo Testamento: Augusto (27AC-14DC), sob quem ocorreram o nascimento de Cristo, o recenseamento e os primórdios do culto ao Imperador. Tibério (14-37DC), ministério e morte de Jesus. Calígula (37-41DC) exigiu que lhe prestassem culto e ordenou que sua estátua fosse colocada no templo de Jerusalém, mas veio a falecer antes que sua ordem fosse cumprida. Cláudio (41-54DC), expulsou de Roma os residentes judeus por distúrbios civis, entre os quais estavam Áquila e Priscila. Nero (54-68DC) perseguiu os cristãos, embora provavelmente nas cercanias de Roma, e sob quem Pedro e Paulo foram martirizados. Vespasiano (69-79DC), ainda general romano começou a esmagar uma revolta dos judeus, tornou-se imperador e deixou o restante da tarefa ao seu filho Tito, numa campanha que atingiu o seu clímax com a destruição de Jerusalém e seu templo, em 70DC. Domiciano (81-96DC), cuja perseguição contra a Igreja provavelmente serviu de pano-de-fundo para a escrita o Apocalipse, como encorajamento para os cristãos oprimidos.



Herodes, o Grande

Os romanos permitiam a existência de governantes nativos vassalos de Roma, na Palestina. Um deles foi Herodes o Grande, que governou o país sob os romanos de 37-4AC. O senado aprovou o oficio real de Herodes, mas ele foi forçado a obter o controle da Palestina mediante o poder das armas.

1. A Dinastia de Herodes

a. Arquelau tornou-se etnarca da Judéia , Samária e Idumeia

b. Herodes Filipe, tetrarca da Itúreia, Traconites, Gaulanites, Auranites e Bataneia

c. Herodes Antipas, tetrarca da Galiléia e Pereia

d. Herodes Agripa I, neto de Herodes o Grande, executou Tiago e também encarcerou Pedro

e. Herodes Agripa II, bisneto de Herodes o Grande, ouviu Paulo em sua autodefesa

Antecedentes na vida de Herodes: mostrou grande zelo no seu governo, erradicando os bandidos que tinham infiltrado a Galiléia. Os primeiros 12 anos (37-25AC) foram gastos na luta pelo poder. Os segundos doze anos (25-13AC) foram os seus melhores anos. Os últimos nove anos (13-4AC) se caracterizaram pela crueldade e amargura.

Os sucessos de Herodes: usou de muito mais tato na sua tentativa de helenizar os judeus, que Antíoco Epifanio. Com espetáculos, jogos, etc. ganhou a lealdade dos jovens que se tornaram herodianos. Aumentou a fortaleza de Jerusalém denominada “Antonia”(At:21:34). Edificou a Cesaréia (At:10:1); 23:23-24). Reconstruiu o templo de Zorobabel, cuidando de não ofender os judeus. Começou em 20AC. completando o santuário em 18 meses e o templo todo só em 64 DC) (Cf.Jo:2:20)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

AS DIVISÕES DO PERÍODO INTERBÍBLICO (PARTE 3 DE 4)

Período Macabeus (167 – 63 AC)


Os Macabeus

Não demorou muito para que os judeus oprimidos encontrassem um líder para sua causa. Quando os emissários de Antíoco chegaram à vila de Modina, cerca de 24 quilômetros a oeste de Jerusalém, esperavam que o velho sacerdote, Matatias, desse bom exemplo perante o seu povo, oferecendo um sacrifício pagão. Ele, porém, além de recusar-se a fazê-lo, matou um judeu apóstata junto ao altar e o oficial sírio que presidia a cerimônia. Matatias fugiu para a região montanhosa da Judéia e, com a ajuda de seus filhos, empreendeu uma luta de guerrilhas contra os sírios. Embora o velho sacerdote não tenha vivido para ver seu povo liberto do jugo sírio, deixou a seus filhos o término da tarefa. Judas, cognominado “o Macabeu”, assumiu a liderança depois da morte do pai. Por volta de 164 a.C. Judas havia reconquistado Jerusalém, purificado o templo e reinstituído os sacrifícios diários. Pouco depois das vitórias de Judas, Antíoco morreu na Pérsia. Entretanto, as lutas entre os Macabeus e os reis selêucidas continuaram por quase vinte anos.

Aristóbulo I foi o primeiro dos governantes Macabeus a assumir o título de “Rei dos Judeus”. Depois de um breve reinado, foi substituído pelo tirânico Alexandre Janeu, que, por sua vez, deixou o reino para sua mãe, Alexandra. O reinado de Alexandra foi relativamente pacífico. Com a sua morte, um filho mais novo, Aristóbulo II, desapossou seu irmão mais velho. A essa altura, Antípater, governador da Iduméia, assumiu o partido de Hircano, e surgiu a ameaça de guerra civil. Conseqüentemente, Roma entrou em cena e Pompeu marchou sobre a Judéia com as suas legiões, buscando um acerto entre as partes e o melhor interesse de Roma. Aristóbulo II tentou defender Jerusalém do ataque de Pompeu, mas os romanos tomaram a cidade e penetraram até o Santo dos Santos. Pompeu, todavia, não tocou nos tesouros do templo.

FUJA DA ADÚLTERA

Afasta dela o teu caminho e não te aproximes da porta da sua casa.” Provérbios 5.8




A mulher adúltera aqui citada pode referir-se tanto a um ser humano do sexo feminino, que se dá à infidelidade conjugal, quanto a uma filosofia religiosa que não é fiel à sã doutrina. Muitos são os dogmas que o diabo tem trazido para tentar enganar todos os homens – se possível, até mesmo os salvos. Porém, a Palavra de Deus não precisa de nenhuma adaptação aos chamados tempos modernos, pois Ela é sempre atual!

Não importa se as pessoas se emocionam nos encontros religiosos, porém, se nessas reuniões não é respeitada a Palavra de Deus, fuja o mais rápido possível. Há lugares em que é aceito o divórcio por qualquer motivo, mas o Senhor só o permitiu em caso de infidelidade (Mt 5.32). Em outros, aceita-se o relacionamento homoafetivo, mas a Palavra diz taxativamente que quem a essa prática se entregar não herdará o Reino de Deus (1 Co 6.10).

O diabo usa a verossimilhança para enganar os que não estão firmados na Rocha. Por causa disso, quem não se decidir por trilhar, de fato, o verdadeiro Caminho se surpreenderá com o que ouvirá do justo Juiz. No Grande Dia, o amor, a compaixão e o perdão não estarão presentes, pois, naquele momento, as pessoas não confessarão seus erros, mas receberão a pena que merecem.

Os fracos na fé não veem problema algum nos rituais que contradizem a Palavra nem em procedimentos duvidosos, porque, para eles, o que mais interessa é o resultado, e não os meios. No entanto, não importa o que pensam ou acham que lhes sucederá; o certo é o que o Altíssimo afirmou. Ele não deixará de cumprir Sua promessa. Pobre, porém, de quem se deixar levar pela doutrina adúltera!

Não caminhe junto à adúltera, pois o castigo destinado a ela também poderá atingi-lo quando for enviado pelo Senhor. As doutrinas que não estão de acordo com a Palavra de Deus são muito perniciosas, e quem der ouvido, ou a mínima atenção, aos seus ditames já se contaminou de alguma forma. Então, os que se deixarem levar pelos seus ensinamentos verão que acreditaram no diabo, e, então, será tarde demais.

Não é bom sequer se aproximar da adúltera, tampouco parar para meditar no motivo pelo qual tantos entram pela porta da doutrina infiel. Essas pessoas estão contaminadas, e até seus procedimentos são usados pelo inimigo para corromper os outros. Elas trazem consigo uma falsa felicidade que destrói os simples, mas o que há no coração delas é dor e decepção.

Pela porta larga passam os que não respeitam as exigências do nosso Deus. Quem age desse modo se deixa dominar pelos espíritos do engano e, por isso, vive em desacordo com a doutrina divina. No entanto, quando menos esperar, o fim chegará para ele, e, então, não haverá mais tempo de se arrepender. Por outro lado, quem crer nas advertências do nosso Pai jamais será confundido (Sl 25.13)!



Em Cristo, com amor,



R. R. Soares

quarta-feira, 20 de julho de 2011

AS DIVISÕES DO PERÍODO INTERBÍBLICO (PARTE 2 DE 4)

Período Grego Próprio (331 – 323 AC)


Alexandre, o Grande

Em seguida à derrota dos exércitos persas na Ásia Menor (333 a.C.), Alexandre marchou para a Síria e Palestina. Depois de ferrenha resistência, Tiro foi conquistada e Alexandre deslocou-se pra o sul, em direção ao Egito. Diz a lenda que quando Alexandre se aproximava de Jerusalém o sumo sacerdote Jadua foi ao seu encontro e lhe mostrou as profecias de Daniel, segundo as quais o exército grego seria vitorioso (Dn 8). Essa narrativa não é levada a sério pelos historiadores, mas é fato que Alexandre tratou singularmente bem aos judeus. Ele lhes permitiu observarem suas leis, isentou-os de impostos durante os anos sabáticos e, quando construiu Alexandria no Egito (331 a.C.), estimulou os judeus a se estabelecerem ali e deu-lhes privilégios comparáveis aos seus súditos gregos.

Assim com Daniel tinha profetizado (Dn:8:1-7 “chifre notável”), o império persa caiu perante o rei da Grécia. Este era Alexandre o Grande. Ele expandiu o helenismo com maior ímpeto já que praticamente se tornou o senhor do antigo oriente médio.

O idioma grego se tornou a língua franca, foi a língua que foi usada no comércio e na diplomacia. Ao se aproximar a época do Novo Testamento, o grego era a língua comumente falada nas ruas de Roma, onde o proletariado indígena falava latim, mas onde os escravos libertos falavam grego.

Alexandre o Grande fundou setenta cidades moldando-as ao estilo grego. Ele e os seus soldados se casaram com mulheres orientais misturando as culturas grega e oriental.

Com a morte de Alexandre o império se divide em quatro partes, governadas pelos quatro generais de Alexandre (Ptolomeu, Lisímaco, Cassandro e Seleno, Cf. Dn:8:21-22). As partes que influenciam o pano de fundo do Novo Testamento são: Ptolomeu (os Ptolomeus) e Seleno ou Seleuco (os Seleucidas). O primeiro centralizava-se no Egito, tendo Alexandria como capital. Os seleucidas tinham por centro a Síria e Antioquia era a sua capital. Espremida entre o Egito e a Síria, a Palestina tornou-se vítima da rivalidade destes dois.



Período Egípcio (323 – 198 AC)


A Judéia sob os Ptolomeus

Depois da morte de Alexandre (323 a.C.), a Judéia, ficou sujeita, por algum tempo a Antígono, um dos generais de Alexandre que controlava parte da Ásia Menor. Subseqüentemente, caiu sob o controle de outro general, Ptolomeu I (que havia então dominado o Egito), cognominado Soter, o Libertador, o qual capturou Jerusalém num dia de sábado em 320 a.C. Ptolomeu foi bondoso para com os judeus. Muitos deles se radicaram em Alexandria, que continuou a ser um importante centro da cultura e pensamento judaicos por vários séculos. No governo de Ptolomeu II (Filadelfo) os judeus de Alexandria começaram a traduzir a sua Lei, i.e., o Pentateuco, para o grego. Esta tradução seria posteriormente conhecida como a Septuaginta. Nos subseqüentes todo o Antigo Testamento foi incluído na Septuaginta.

No começo os ptolomeus dominaram a Palestina durante 122 anos (320-198). Os judeus gozaram de uma boa condição de vida. O sumo sacerdote era o governador e aplicava as leis. O templo era o centro da vida nacional, a festa da Páscoa, das Semanas e dos Tabernáculos eram realizadas no próprio templo. Mantinha-se o estudo da lei e durante este período a interpretação da mesma se desenvolveu com pormenores.

Foi sob o reinado de Ptolomeu Filadelfo que se realizou a versão do Antigo Testamento para o grego. Esta ficou conhecida como Setuaginta (LXX – Versão dos Setenta). A obra foi realizada no Egito (Alexandria), onde setenta e dois eruditos fizeram esta tradução.

Apesar das vantagens do povo judeu, este era um povo relativamente pobre, pagava um imposto baixo, pois as guerras constantes tinham empobrecido a terra.



Período Sírio (198 – 167 AC)

A Judéia sob os Selêucidas

Depois de aproximadamente um século de vida dos judeus sob o domínio dos Ptolomeus, Antíoco III (o Grande) da Síria conquistou a Síria e a Palestina aos Ptomeus do Egito (198 a.C.). Os governantes sírios eram chamados selêucidas porque seu reino, construído sobre os escombros do império de Alexandre, fora fundado por Seleuco I (Nicator).

Durante os primeiros anos de domínio sírio, os selêucidas permitiram que o sumo sacerdote continuasse a governar os judeus de acordo com suas leis. Todavia, surgiram conflitos entre o partido helenista e os judeus ortodoxo. Antíoco IV (Epifânio) aliou-se ao partido helenista e indicou para o sacerdócio um homem que mudara seu nome de Josué para Jasom e que estimulava o culto a Hércules de Tiro. Jasom, todavia, foi substituído depois de dois anos por uma rebelde chamado Menaém (cujo nome grego era Menelau). Quando partidários de Jasom entraram em luta com os de Menelau, Antíoco marchou contra Jerusalém, saqueou o templo e matou muitos judeus (170 a.C.). As liberdades civis e religiosas foram suspensas, os sacrifícios diários forma proibidos e um altar a Júpiter foi erigido sobre o altar do holocausto. Cópias das Escrituras foram queimadas e os judeus foram forçadas a comer carne de porco, o que era proibido pela Lei. Uma porca foi oferecida sobre ao altar do holocausto para ofender ainda mais a consciência religiosa dos judeus.

Houve constantes lutas até que a Palestina caiu sob o domínio da Síria, mas o que mais importa para compreensão do Novo Testamento é a figura de Antíoco Epifanio (176-164) e os seus atos. O seu nome significa “deus manifesto”.

Quando o rei anterior à Antíoco IV, chamado Antíoco III tinha derrotado os egípcios (Ptolomeus), os judeus já estavam divididos em duas facões: A casa de Onias (Pró-Egito) e a casa de Tobias (Pró-Siria). Quando subiu Antíoco IV, rei da Siria, substituiu o sumo sacerdote judeu Onias III, pelo irmão deste Jasom, helenizante, o qual planejava transformar Jerusalém em uma cidade grega.

Foi erigido um ginásio com pista de corrida. Ali se praticavam corridas despidos, à moda grega, isto era um ultraje para os judeus piedosos. As competições eram inauguradas com invocações feitas as divindades pagãs, participando até sacerdotes judeus. A helenização incluía a freqüência aos teatros gregos, vestes ao estilo grego, a cirurgia que removia a marcas da circuncisão e a mudança de nomes hebreus por gregos. Os que se opunham a esta paganização eram os “hasidim”ou “os piedosos”, a grosso modo seriam os puritanos.

Jasom o sacerdote helenizante foi substituído por outro judeu helenizante que parece não ter pertencido a uma família sacerdotal, este pagou um tributo mais elevado (simonia), o nome deste era Melenau.

Antíoco tenta anexar o Egito ao seu domínio mas termina falhando. Isto chega aos ouvidos de Jasom de que Antíoco era morto. Jasom retornou a Jerusalém retirou Melenau do controle da cidade. Antíoco na sua volta interpretou isto como uma revolta de Jasom e enviou seus soldados a reintegrarem Melenau e saquearam a cidade e o templo de Jerusalém e passaram ao fio de espada os seus habitantes.

Dois anos mais tarde (168 AC), Antíoco enviou seu general Apolônio com um exército de 22 mil homens para coletar tributo, tornar ilegal o judaísmo e estabelecer o paganismo à força e assim consolidar o seu império e refazer o seu tesouro. Os soldados saquearam Jerusalém, incendiaram a cidade, os homens mortos e as mulheres escravizadas.

Novas leis e Proibições: Ofensa capital é circuncidar-se; proibido observar o sábado; celebrar festas judaicas, possuir copias do Antigo Testamento. Os sacrifícios pagãos tornaram-se compulsórios. Foi eregido um altar consagrado a Zeus, possivelmente no templo. Foram sacrificados animais imundos no altar e a prostituição sagrada passou a ser praticada no templo de Jerusalém.

terça-feira, 19 de julho de 2011

AS DIVISÕES DO PERÍODO INTERBÍBLICO (PARTE 1 DE 4)

Período Persa (536 – 331 AC)



A Supremacia Persa

Por cerca de um século depois da época de Neemias, o império Persa exerceu controle sobre a Judéia. O período foi relativamente tranqüilo, pois os persas permitiam aos judeus o livre exercício de suas instituições religiosas. A Judéia era dirigida pelos sumo sacerdotes, que prestavam contas ao governo persa, fato que, ao mesmo tempo, permitiu aos judeus uma boa medida de autonomia e rebaixou o sacerdócio a uma função política. Inveja, intriga e até mesmo assassinato tiveram seu papel nas disputas pela honra de ocupar o sumo sacerdócio. Joanã, filho de Joiada (Ne 12:22), é conhecido por ter assassinado o próprio irmão, Josué, no recinto do templo.

A Pérsia e o Egito envolveram-se em constantes conflitos durante este período, e a Judéia, situada entre os dois impérios, não podia escapar ao envolvimento. Durante o reino de Artaxerxes III muitos judeus engajaram-se numa rebelião contra a Pérsia. Foram deportados para Babilônia e para as margens do mar Cáspio.

Foi renovado o conhecimento da lei sob a direção do escriba Esdras, que leu e interpretou as Escrituras (Ne:8:2,7,8; 8:9,13-18)

Fazia aplicação rigorosa dos princípios da Lei. O culto do templo foirenovado e as contribuições para o sustento foram exigidas. Os casamentos mistos proibidos (Ne:10:30), a quebra do sábado condenada (10:31) e foi estabelecida a administração regular dos dízimos (Ne:12:44).

Estas reformas deixaram efeitos perduráveis até o tempos dos Macabeus, criando um povo fiel a Deus que resistiu ao paganismo.

Dois aspectos da vida judaica desapareceram durante o período persa e grego: a monarquia e a função profética. As pretensões de independência foram centralizadas no sacerdócio e a função profética findou com Malaquias.



Características gerais do período persa.

No final de Malaquias os judeus se achavam ainda sob o reinado persa e permanecerem nessa situação durante praticamente sessenta anos da era intertestamentária.

A forma sacerdotal do governo judeu foi respeitada e sumo sacerdote recebeu ainda maior poder civil além de seus ofícios religiosos, embora tivesse de, naturalmente, prestar contas ao governador persa da Síria.

Em 2Reis 17:24-4, lemos que bem antes, em 721 AC, depois destruir o reino das dez tribos de Israel e dispersar os israelitas através das cidades dos medos, o rei da Assíria repovoou as cidades de Israel com um povo misto que veio a ser chamado de “samaritanos”, seu território sendo conhecido como Samaria, o nome da cidade principal, ex-capital de Israel.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

A BÊNÇÃO DE ANDAR COM DEUS

Quanto mais uma pessoa se chega a Deus, mais indigna ela se sente, pois, ao conhecer o Senhor, aprende que a sua justiça é como trapo de imundícia (Is 64.6). Aquele centurião – que, provavelmente, durante muito tempo, temia o Todo-Poderoso, orava e dava esmolas e ofertas – declarou-se indigno de receber o Deus eterno debaixo de seu teto. A maioria das pessoas, no entanto, pensa diferente: elas gostariam que Jesus estivesse com elas aonde quer que fossem. Mas como Ele pode caminhar com alguém que vive em pecado?
E o centurião, respondendo, disse: Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado, mas dize somente uma palavra, e o meu criado sarará. Mateus 8.8



1 – ANDAR COM DEUS NOS MOSTRA QUEM SOMOS DE VERDADE

• Aquele que anda distante de Deus não consegue enxergar as próprias falhas; mas, normalmente, vê os erros de todas as pessoas e, se dependesse dele, elas deveriam ser arrancadas da face da Terra. Porém, ao andarmos perto do Altíssimo, conseguiremos ver-nos e confessar a nossa indignidade, como, por exemplo, fez o profeta Isaías. Quando viu o Senhor, ele gritou apavorado, dizendo que era um homem de lábios impuros e iria perecer, pois seus olhos tinham visto o Rei da glória (Is 6.1-5).

• Quem se vê como uma pessoa certa, justa e reta precisa conhecer a Verdade (Pv 30.12), pois, quando a Luz eterna brilha em nós descobrimos quão maus temos sido. Até então, não existiam pessoas melhores do que nós, mas, ao provarmos da misericórdia e da graça de Deus, conseguimos dar o verdadeiro valor aos outros.



2 – ANDAR COM O SENHOR NOS MOSTRA QUEM DEUS É DE VERDADE

• O centurião romano era temente a Deus. Ele vivia jejuando, orando, e tudo o que era seu pertencia também aos outros. Por isso, quando pediu ajuda divina, teve a resposta: o Senhor iria, pessoalmente, resolver seu problema. Então, surpreso com a decisão de Jesus, ele mostrou o que tinha no coração: a verdadeira fé. Quem, de fato, agrada ao Pai será agradado por Ele. O Altíssimo sempre surpreenderá a pessoa que caminha em Sua luz e confia nEle de todo o coração, mesmo que, às vezes, a decisão dEle seja tão grande, que ela não se sinta merecedora de tal tratamento.

• Quantos têm orado e pedido ao Pai que vá com eles para resolver um problema familiar, financeiro, de saúde e tantos outros. No entanto, de que forma Ele atenderia a seus pedidos, se eles só vivem olhando para o que não serve, pensando no que é errado e pecando? Dois só andam juntos se houver mútuo acordo (Am 3.3).


Conclusão

• O melhor dessa vida é andar com Deus. Enoque, o sétimo depois de Adão, provou isso. Ele andou com o Altíssimo, e ninguém o viu mais, pois o Senhor para Si o tomou (Gn 5.24).
• Da mesma forma, irmão, esforce-se para cumprir o que a Palavra tem falado ao seu coração. Não se venda ao pecado nem deixe o maligno roubar-lhe as grandes surpresas que o Senhor

Fonte: Enviado pela Obreira Sandra 

PERÍODO INTERBÍBLICO

I – CONCEITO


Período de 400 anos de silêncio divino, sem uma voz profética. Ocorreu entre os últimos eventos do AT descritos no livro de Malaquias e o começo dos acontecimentos do NT, descritos no livro de Mateus. (segundo os historiadores de 536 AC até 5 AC).

Embora nenhum profeta inspirado se tivesse erguido em Israel durante aquele período, e o A.T. já estivesse completo aos olhos dos judeus, certos eventos ocorreram e deram ao judaísmo posterior sua ideologia própria e, providencialmente, prepararam o caminho para a vinda de Cristo e a proclamação do Seu evangelho.



II – IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DESTE PERÍODO

1. Razões históricas - Explicam o fundo histórico do Novo Testamento;

2. Razões culturais - Explicam a origem e desenvolvimento dos costumes, instituições e vida religiosa do povo judaico do período do Novo Testamento;

3. Razão Messiânica - Demonstra como Deus preparou o mundo para a vinda de Cristo.


III – AS DIVISÕES DO PERÍODO INTERBÍBLICO

1. Período Persa 536-331AC


2. Período Grego 331-167AC

a. Período Grego próprio 331-323AC;

b. Período Egípcio 323-198AC;

c. Período Sírio 198-167AC.



3. Período Macabeus 167-63AC



4. Período Romano 63-5AC




CONCLUSÕES

O período interbíblico, ou também chamado de 400 anos de silêncio divino, onde não se levantou nenhuma voz profética e que ocorreu entre os últimos eventos do AT descritos em Malaquias e o começo dos acontecimentos do NT relatados no livro de Mateus estendeu-se de 536 AC a 5 AC.

Seu estudo é importante para compreender o fundo histórico do NT, além de trazer o entendimento da cultura do povo judaico, seus costumes, instituições e vida religiosa no período do NT, isto sem contar a razão messiânica, ou seja, analisar o desenrolar das ações de Deus em preparar o mundo para a vinda de Cristo.

Vemos em que cada época do período interbíblico a política e as conquistas bélicas da judéia por vários povos e nações vai moldando a vida e o procedimento do povo judeu, desencadeando-lhes diversas reações, pensamentos e atitudes que desembocam em correntes de pensamento expressas em seitas e em partidos políticos presentes na época da vinda de Cristo. Temos os fariseus, saduceus e os essênios, além dos escribas que eram redatores de normas reais e religiosas, como seus principais representantes, entre outros.

É inegável o impacto do helenismo no desvio do povo judeu à fidelidade à Lei. Helenismo é a adoção de práticas e estilo de vida gregos, introduzidos na época da conquista da judéia por Alexandre, o grande (333 AC).

Alguns exemplos são a construção de ginásios com pista de corrida onde a prática esportiva era realizada por atletas despidos, nas competições eram invocadas divindades pagãs. Teatro grego e vestes gregas, cirurgia para remover as marcas da circuncisão, mudança de nomes hebreus para nomes gregos. Altares erigidos e consagrados a Zeus e outras divindades gregas e a prostituição cultual.

O helenismo deixou fortes raízes que acabaram por dividir o pensamento do povo judeu, criando conflitos e fazendo-se necessária uma nova ordem trazida por Cristo, mas eles não aceitaram-na e nem compreenderam o que estava acontecendo.

Na época do nascimento de Cristo o povo judeu vivia oprimido sob o poderio de Roma, aguardava um libertador político e não percebeu que entre eles estava o próprio Deus, trazendo-lhes redenção eterna.

NÃO TEMA NENHUMA DAS INVESTIDAS DO MALIGNO

"Não temas o pavor repentino, nem a assolação dos ímpios quando vier. Porque o SENHOR será a tua esperança e guardará os teus pés de serem presos."  Provérbios 3.25,26




O diabo sabe exatamente o que fazer para tirar uma pessoa da presença do Senhor: quando ela menos espera, Satanás lhe dá uma notícia desagradável; assim, ela se desespera e passa a sentir medo. Às vezes, trata-se de um diagnóstico atestando uma grave doença, de uma ameaça de separação, uma intriga, calúnia, difamação ou injúria. Com isso, quem não está firmado na Palavra deixa seu coração encher-se de medo.

O maligno sabe que é difícil uma pessoa ficar firme na Rocha, que é Jesus, se ela teme qualquer um dos ataques infernais, pois, inconscientemente, a atitude de quem se deixa levar pelo medo rotula-o como alguém que retrocede. Ora, somos orientados a andar por fé, e não por vista (2 Co 5.7)! Por isso, não importa o que vem ao nosso encontro; é preciso sempre nos lembrarmos de que, em todas as coisas, fomos feitos mais que vencedores (Rm 8.37).

Mesmo diante de assolações, de um acidente, da perda do emprego, do abandono do cônjuge ou da traição de um amigo, não deixe o medo entrar em seu espírito. Se o Senhor prometeu nunca nos deixar, ou abandonar, por que temer? Caso alguma luta surja durante a sua caminhada, prossiga crendo que nenhum mal lhe sucederá; afinal, com o Nome do Senhor Jesus, você anula todas as ações infernais.

O medo é uma porta larga, alta e bem aberta, a qual faz com que o diabo entre em sua vida e consuma a sua obra. O único antídoto para esse sentimento é a fé. Mas, além de sentimento, o medo é também um espírito que não nos foi dado pelo nosso Pai. Então, meu irmão, recuse terminantemente qualquer oferta do maligno. Não deixe de ser o que Jesus o fez ser com Sua morte no Calvário: um vencedor em todos os sentidos.

Deus diz a você que não tema nenhuma destas duas investidas do inimigo: o pavor repentino e a assolação dos ímpios. Se Ele nos avisa isso, não podemos pensar diferente. O segredo é sempre nos ligarmos a Cristo e não nos levarmos pelas mentiras diabólicas. Se você tem deixado a “conversa fiada” de Satanás pegá-lo, arrependa-se agora, confesse seu pecado ao Senhor e se levante para a vitória!

Somente você pode tomar essa decisão. Se não temer, Deus será a sua Esperança. Porém, deixando o medo entrar, Ele não poderá ser o que Ele afirma que é para os Seus. Ele diz: “Eu sou o Teu Deus!”. Basta! Não precisaríamos ouvir mais nada dEle para nos tornarmos vencedores. Mesmo assim, Ele ainda nos garante que tudo o que determinarmos em Nome de Jesus nos será feito.

Jamais permita que o medo se instale em seu coração, pois, mesmo que você pisasse em um dos laços de Satanás, o Senhor guardaria os seus pés de serem presos. Então, fique firme e não tema nenhuma investida do maligno.



Em Cristo, com amor,



R. R. Soares

domingo, 17 de julho de 2011

POR QUE NÃO OLHAR ALÉM DAS APARÊNCIAS ?

Para obter entendimento completo da revelação divina, não podemos negligenciar parte dela, pois impediremos que a fé venha ao nosso coração e realize a obra redentora.

"E, saindo ele do templo, disse-lhe um dos seus discípulos: Mestre, olha que pedras, e que edifícios! E, respondendo Jesus, disse-lhe: Vês estes grandes edifícios? Não ficará pedra sobre pedra que não seja derrubada." Marcos 13:1 e 2

É motivo de espanto e, em alguns casos, de maravilhar-nos, quando contemplamos ao nosso redor com os olhos naturais.

Se quisermos entender mais amplamente os fatos que nos cercam precisamos da visão espiritual concedida aos filhos de Deus através de Jesus (a palavra).

Em Marcos 13 um dos discípulos do Mestre Jesus espantou-se com a estrutura de pedra do templo. Olhando-a deveria mesmo saltar aos olhos pela sua grandiosidade e imponência, mas Jesus, que sabe tudo, alertou-o revelando-lhe uma visão mais ampla dos acontecimentos: a derrubada do templo.

O mesmo ocorre nos nossos dias: se queremos enxergar além das evidências objetivas atuais, precisamos recorrer ao Senhor, que se alegra em nos ensinar, mostrar e guiar com os Seus olhos o caminho que devemos seguir.

Fora da revelação da palavra somos alvo fácil dos fatos que trazem tristeza, desesperança e medo.

Outra passagem, narrada em Lucas 24:13 a 25, mostra dois homens no caminho de Emaús que comentavam com tristeza sobre o ocorrido com Jesus, atendo aos fatos de como havia sido condenado, morto e crucificado, da remissão esperada que ainda não ocorrera, mas esquecendo-se da revelação das Escrituras, que anunciavam a ressurreição de Cristo ao terceiro dia.

Para obter entendimento completo da revelação divina, não podemos negligenciar parte dela, pois impediremos que a fé venha ao nosso coração e realize a obra redentora.

Outro aspecto é que mesmo tendo recebido a notícia de que Jesus vivia, não consideraram a informação e permaneciam tristes ao longo da caminhada. (Lucas 24:23)

Por que continuar atendo-se ao catastrófico e ignorar o escape que a palavra está nos concedendo? Tantos optam por olhar a vida sob esta ótica que simplesmente esquecem de trazer à tona o que a Palavra diz. Olham apenas pelo lado natural e se entristecem, pedem as esperanças, sofrem. Colocaram o Senhor de lado!

Por que ignorar ou demorar tanto para assumir o que você tem ouvido através das Escrituras? "E ele (Jesus) lhes disse: O néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram!" Lucas 24:25

É através da palavra que recebemos este conhecimento que vai além daquilo que vemos, pois é o próprio Deus quem nos mostra como proceder.

Um mundo novo e de progresso nos é aberto quando paramos para ouvir ao Senhor.

A capacidade de ver além das aparências pertence ao Senhor.

Em Nome de Jesus!



Mônica Gazzarrini


Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2

Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini. 

A RECOMPENSA DE QUEM CRÊ

"O SENHOR te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva à tua terra no seu tempo e para abençoar toda a obra das tuas mãos; e emprestarás a muitas gentes, porém tu não tomarás emprestado."  Deuteronômio 28.12



A instrução para uma vida de fé produtiva começa com a orientação de ouvir atentamente a voz do Senhor, tendo o cuidado de fazer o que Ele manda. Os que derem atenção ao que Ele diz serão galardoados. Deus jamais diria algo que não fosse da Sua vontade; então, por mais incrível que seja a revelação, creia e coloque a sua fé em ação, a fim de fazer aquilo se cumprir.

Além das bênçãos descritas nos versículos anteriores, o Todo-Poderoso declara que abrirá o Seu bom Tesouro – o Céu. Perceba que Ele o chama de Seu bom tesouro. Quando isso ocorrer, você poderá levantar as mãos e agradecer, pois não faltará mais nada. Deus existe e opera no mundo espiritual; assim, ao abrir os Céus, Ele estará permitindo que atuemos nesse domínio de perfeição.

No bom Tesouro do Altíssimo, há tudo de que precisamos para vencer as batalhas que se apresentam aqui. Por isso, não teremos nenhum problema de escassez. Paulo disse que tudo é nosso (1 Co 3.21); porém, a forma de fazer o que é nosso estar em nossas mãos era o problema para o qual não tínhamos solução. No entanto, na declaração de Deuteronômio 28.12, encontramos a resposta.

Uma vez que temos acesso ao celeiro do Senhor, não devemos ser limitados, mas, sim, abrir bem a nossa boca para pedir o que aprendemos ser da vontade dEle. Tiago, ao falar sobre esse assunto, declarou que não recebemos nossas petições porque pedimos mal, apenas para esbanjar (Tg 4.3). Logo, quem quiser receber de Deus o que deseja deve crer no que a Palavra promete e tomar posse disso em Nome de Jesus.

Ora, se Deus prometeu abrir a porta, podemos entrar no Seu celeiro e pegar a semente que quisermos, pois, no tempo certo, Ele enviará a chuva. Assim, podemos plantar o nosso milagre. O Senhor não designou tarefas difíceis; basta ouvi-lO com atenção e cumprir Seus mandamentos.

A promessa divina é abençoar toda obra das suas mãos. Por isso, creia no que o Altíssimo fala e não deixe que alguém complique algo que foi simplificado por Ele. Agindo assim, você será tão abençoado com revelações que não precisará “tomá-las emprestado”. Ao contrário, irá emprestá-las a muitas pessoas, pois Deus o deseja como um supridor de necessidades.

Portanto, o cristão nunca deve basear-se no que o Senhor diz a alguém, porque Ele falará pessoalmente e, com isso, haverá maior sucesso. O que Deus concedeu a outro serve bem para ele. Contudo, para você, Ele promete abrir os Céus.



Em Cristo, com amor,



R. R. Soares

sábado, 16 de julho de 2011

ONDE VOCÊ TEM DEPOSITADO SUA CONFIANÇA ?

Confiar em Deus é ouvir e assumir o que Ele nos diz pelas Sagradas Escrituras e não nos desviarmos deste entendimento que o Santo Espírito nos concede.

"Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do SENHOR nosso Deus." Salmo 20:7

É Deus quem nos livra de todas as ameaças, mas para que Ele opere é preciso depositar a nossa inteira confiança na Sua operação.


O que é confiar em Deus?

A maioria das pessoas diz que confiam em Deus, sejam crentes ou não.
Em geral, quando a coisa aperta, elas se desesperam, revelando que é apenas uma intenção ou atitude meramente mental.

No momento de crise é que realmente revelamos o grau de confiança no Eterno.

Confiar em Deus é ouvir e assumir o que Ele nos diz pelas Sagradas Escrituras e não nos desviarmos deste entendimento que o Santo Espírito nos concede.

Muitos personagens bíblicos exemplificam essa ação de força espiritual baseada na confiança no Eterno, entre eles hoje destaco Ezequias e Davi.

Ezequias foi assolado pelo rei da Assíria, Senaqueribe, e seu imenso exercito. A Assíria era o país imperialista daquela época e possuía todo o aparato belicoso, mas maior é Deus do que qualquer arma natural que possa se insurgir contra a sua vida.
A mão de Deus esteve, está e para sempre estará com o Seu povo.

A convicção de que Deus é maior estava com Ezequias.

"Esforçai-vos, e tende bom ânimo; não temais, nem vos espanteis, por causa do rei da Assíria, nem por causa de toda a multidão que está com ele, porque há um maior conosco do que com ele." 2 Crônicas 32:7

Davi era um garoto, mas já tivera experiências com Deus pastoreando as ovelhas de seu pai. Havia rasgado o leão e o urso e sabia que Deus era com ele para derrotar aquele gigante também.

"Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado." 1 Samuel 17:45

Se você tem sofrido qualquer ameaça, pode haver uma legião de demônios, mas o seu Deus é maior e o livra de todo embaraço!

Seja um mal natural ou sobrenatural, não se atemorize: ninguém pode amaldiçoar o povo que Deus já abençoou!

"Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel; neste tempo se dirá de Jacó e de Israel: Que coisas Deus tem realizado!" Números 23:23

Temos Deus a nosso favor, Ele jamais perderá uma batalha sequer!
"Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo." Romanos 10:13

Em Nome de Jesus.

Mônica Gazzarrini


Renascida em Cristo desde 2004, estudiosa do Evangelho, autora dos livros "Como conhecer Deus na prática - Tudo o que você queria saber sobre a caminhada com Deus" Volume 1 e Volume 2

Copyright 2008 © – by Mônica Gouvêa Sgarbi Gazzarrini.